Arquivo da categoria: Actualités / News

Poesia Negra de Expressão Portuguesa.

Em maio de 1953, Francisco Tenreiro e Mário Pinto de Andrade organizam e editam em Lisboa o “Caderno de Poesia Negra de Expressão Portuguesa”., com um arranjo gráfico de Mário Domingues. Em 2012, a editora Nossomos, reedita estes cadernos numa versão fac-similada, que agora encontramos no 9º Congresso Ibérico de Estudos Africanos, que se realizou em Coimbra em Setembro de 2014.poesinegra

Uma capa de cartão, negra, com letra em azul cinza, envolve o papel de boletim do caderno. Na lombada breves palavras de Luís Kandjimbo, contextualiza a produção. Logo de início assinala o seu carater legitimador. Este caderno constitui, um elemento seminal na constituição das literaturas de expressão portuguesa. A convergência duma geração de autores africanos em Lisboa, oriundos das então colónias africanas, haviam criado em 1951 o Centro de Estudos Africanos. Expressavam a vontade de pensar África a partir de África.

Esta vontade ontológica introduzia, na senda do que propôs Aimée Cesaire e como Mário de Andrade assinala na sua introdução, uma vontade de compreender e entender os contextos de produção poética nas sociedades africanas. Tratava-se de olhar para a produção poética como uma forma de expressão social. É a procura deste conteúdo social que levou ao uso da literatura, e neste caso da poesia, como arma de construção das identidades.

Essa posição, afastou então estes jovens estudantes da procura das expressões estéticas e introduzia um elemento de ruptura na tese da unidade cultural do império colonial português. Por isso foram perseguidos pela polícia política. Anos mais tarde esses países seriam independentes. A língua nacional foi o português. Daí o carácter seminal destes textos, que condensam, vinte anos antes, o cânone do campo das literaturas de expressão portuguesa.

Introduzem a dimensão africana na lusofonia. Teria havido lugar à lusofonia sem África ?

 

A sociomuseologia entre Poderes e Memórias

DSCN3515Chamada de Artigos para o XII Conlab – Até 15 de Agosto

Congresso da Associação Internacional de Ciências Sociais em Língua Portuguesa

Título G49: A sociomuseologia entre os poderes e as memórias
Coordenadores:  Pedro Pereira Leite Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra pedropereiraleite@hotmail.com Mário Chagas Universidade Federal do Rio de Janeiro mariosc@gmail.com ou pmariosc@gmail.com José Pimentel Teixeira Universidade Eduardo Mondlane, Maputo jpimteix@gmail.com ou jose.teixeira@uem.mz
Resumo GT49: Propõe-se um balanço dos debates incidindo nos processos de apropriação constitutiva das memórias e heranças dos grupos sociais, produtores de reconhecimento e de participação social. Partindo do campo da museologia social, procurar-se-á identificar os diversos usos da memória social nos processos de produção, afirmação e reclamação dos patrimónios colectivos, e as dinâmicas presentes nos concomitantes esquecimentos estratégicos. No sopesar dos pontos de memória constitutiva no Brasil e Moçambique, lugares motrizes de “comunidades”, reflectiremos sobre a acção modeladora dos investigadores na produção de um conhecimento intersubjectivo, que usa os recursos tangíveis e intangíveis locais para a potenciação dos contextos sociais locutores.

 

A Catembe

Em breve entrarão aqui os artigos em preparação sobre as formas de expressão da memória no sul de Moçambique.

Irão ser publicados no diário de bordo as relações entre a musica urbana, expressa na marrabenta, um trabalho que está a ser feito a partir do bairro da Mafalala em Maputo e a musica urbana de Costa Néto, inspirada na africanidade de matatuine, a sul de Maputo.

http://toquelequemaulana.blogspot.pt/

MINOM- Portugal

WIN_20140329_163551WIN_20140329_163558Reunião MINOM-Portugal.

Nova Museologia: Lugar de encontros. Lugar da Diferença. Que Nova Museologia?: Porta de Entrada. Processo de Construir. Espaço de Direitos Humanos. Forma de Chegar às Pessoas. Novos Olhares centrados na interrogação. Raiz. Lugar de encanto. Olhar o mundo pelo outro lado. Olhar para o chão que pisamos. Busca de Inovação.

O que fazer em 2014: Olhar para os museus complexos. Os museus de relevância

Museon Arlaten

Dans le cadre de ses travaux, le Museon Arlaten propose d’rsquo;initier la réflexion, par le biais de sa propre expérience auprès des populations gitanes d’Arles, consistant en un double volet : le projet de médiation culturelle « Partage de mémoires gitanes » d’une part, et l’enquête-collecte ethnographique en cours sur les populations gitanes-catalanes arlésiennes d’autre part. Ces deux volets impliquent des personnes, bien vivantes, associées en tant qu’experts de leur propre vie et de leur propre histoire, mais n’exprimant pas a priori de désir de mémoire ou de désir de représentation auprès du reste de la société. Les populations mobilisées n’en restent pas moins des composantes de la société ou du territoire considéré.

Aqui e aqui 

“Marinheiros africanos, forros e escravos no mundo do trabalho atlântico:

Conferência CEAUP: “Marinheiros africanos, forros e escravos no mundo do trabalho atlântico: Portugal, África e América portuguesa, c.1760 – c.1825” – Jaime Rodrigues

Reproduzido de ANTT, Junta do Comércio, Livro 1, Matrículas das Equipagens dos Navios (1767), navio S. José Rei de Portugal 3 de julho de 1767, fl. 31

“Marinheiros africanos, forros e escravos no mundo do trabalho atlântico: Portugal, África e América portuguesa, c.1760 – c.1825” – Jaime Rodrigues (EFLCH-UNIFESP/CEAUP)

4 de dezembro de 2013 – 15h30

Sala 208 – Faculdade de Letras da Universidade do Porto

Inovação em Meio Rural

Em terras de Idanha a Nova – o novo museu rural no século XXI

Novas abordagens ao local
A nossa interacção com a experiência e os conceitos associados ao Museu Rural Século XXI ao longo dos últimos meses, em Idanha-a-Nova e noutras localidades do pais, reforçou no nosso seio a convicção que a plataforma estética e de intervenção territorial da Arquitecta Cristina Rodrigues e de todos os que a acompanham nesta aventura que mobiliza conceitos como os de regeneração, identidades e convergências, representa uma nova abordagem que pode revitalizar o conceito de desenvolvimento local. Nos últimos anos a valorização do local, sem abandonar uma visão global, ficou prisioneira de abordagens estritamente politicas ou de natureza ideológica que enfraqueceram o seu alcance. Os programas ocultos que dominaram a intervenção comunitária de muitas organizações, visando modalidades de governação e de desenvolvimento económico alternativos, criaram desconfiança e relegaram para segundo plano a força intrínseca das comunidades locais. Os efeitos da ausência de transparência nos propósitos são devastadores a longo prazo.
Surge agora uma oportunidade de reformulação e de reaproximação ao território com outras ferramentas de análise diagnóstica e de proposta para o desenvolvimento, que podendo ser motivo para julgamentos críticos ou rejeições, contém um elevado potencial para a recomposição dos quadros programáticos de intervenção. A combinação da arte contemporânea com os temas da ruralidade pode fornecer o tal elemento de diálogo e de reencontro dos universos rurais e urbanos, que só aparentemente constituem realidades completamente separadas, distintas e até por vezes opostas.

Aqui