Museologia e Inovação Social

A potencialidade da inovação social para a museologia social

Uma das questões que normalmente se levanta no campo da função social dos processos museológicos é a capacidade que estes tem de gerar uma sustentablidade interna através da produção de serviços à comunidade. Mais do que uma organização de produção de serviços, defendemos que os espaços museologicos ou os processos museológicos são espaços adequados às questões do do empreendedorismo micro – social, ou das economias populares.

Sabemos que a pratica social tende a privilegiar o empreendedorismo individual em detrimento social. Há quem argumente que esta fragilidade resulta duma certa morfologia social, mais dada ao individualismos das gentes. Não será este o local adequado para essa discussão. Mas é um facto que existem poucas estruturas para experimentar a incubação social, Por exemplo, nos Estados Unidos, nos Países do Norte da Europa, as universidades oferecem, no plano de estudos, espaços para incubação social. Em Portugal são raros, e quase sempre dedicados aos indivíduos.

No Brasil, por exemplo, a riqueza da vivência social está a permitir que as organizações sociais se constituem como espaços e intervenção na comunidade, gerando várias formas de organização inovadoras, algumas delas no campo da museologia. Vedja-se por exemplo o caso do Museu de Favela Cantagalo .

Trata-se portanto de reinventar a emancipação social, num momento em Portugal em que o papel do terceiro setor está a ser reequacionado perante a greve crise económica e social.

O desafio destas organizações sociais é a necessidade de passar da caridade para a cidadania e da dependência dos fundos públicos para a sustentabilidade. Neste domínio a museologia tem um papel a desenvolver no uso das memórias da comunidade para criar organizações de inovação social. O desafio é saber como mobilizar as pessoas para trabalhar na comunidade. A solução será provavelmente ter confiança nas pessoas e nos processos. Essa é a condição básica para gerar a inovação social. ao museólogo social caberá encontrar argumentos para agir.

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

The inclusion of community knowdlege on territorial development

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search