Museologia e Inovação Social

Praticas de inovação social na museologia em Portugal

Ora se o campo da inovação social e o da museologia social apresentam uma elevada convergência nas práticas de construção da emancipação social, na busca dos instrumentos de promoção social de desenvolvimento económico, em Portugal, estes dois campos tem permanecido distantes. Na museologia social pouco se fala de  inovação social, e nas organizações de inovação social, embora se trabalhem as questões das memórias e dos patrimónios, pouca museologia social tem sido mobilizada.

Em Portugal a Inovação Social tem constituído mais um campo de práticas do que um campo teórico. Para promover a Inovação social é necessário investigação aplicada. Próximo dos movimentos sociais. São os atores sociais que promovem a Inovação Social e o Empreendedorismo Social.

Há algumas razões para que tal suceda. Enquanto a museologia social se acantonou nas atividades dos museus e da reflexão teórica com base na universidade, as praticas de inovação social acabaram por atuar no campo das redes sociais.

Em ambos os casos, as praticas sociais desenvolvem-se num modelo que tem por base o financiamento do Estado. O Estado, no caso das organizações da Rede social  atua como financiador de diferentes projectos, por via de diferente ministérios. No caso das organizações museológicas, na maioria dos casos, as organizações também acabam por se financiar pelo orçamento do Estado ou de organizações da esfera pública, mas na grande maioria dos casos por via da cultura.

No entanto, importantes diferenças existem no modelo das organizações sociais que atuam no campo do existencialismo em relação com as organizações culturais. Enquanto que no primeiro caso existe uma pratica e uma tradição associativa, que dum modo mais ou menos intenso, o Estado articula a sua intervenção com outras formas de produção de Bem-estar social, seja ele o terceiro setor ou as organizações de previdência social, onde em Portugal coexistem múltiplos atores.

Nas organizações que atuam na esfera da cultura tal já não se verifica. Se na rede social se verifica uma forte presença das redes familiares e das relações de compadrio, as redes cultura tem sido tradicionalmente implementadas a partir de ideias vindas do exterior. De projetos de inovação, muitos deles criados em laboratório, que procuram a organização social para experimentar

Em Portugal, apesar da vitalidade das associações de cultura e recreio, existem problemas de diálogos entre atores, processos e objetivos da intervenção das organizações museológicas no campo da inovação social.

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

The inclusion of community knowdlege on territorial development

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search