Museologia e Inovação Social

 Inovação social e museologia social

Qual e então a relação da museologia social com a inovação social é a questão que vamos agora procurar responder. Como acima referimos a questão da conservação, campo com que a museologia trabalha, parece ser contraditório com o campo da inovação social. Vamos procurar demonstrar que, no trabalho da museologia social, não se verifica uma oposição entre conserva cultural e a criação da inovação na sociedade. A nossa tese é a de que ese são dois campos complementares da ação museológica. Um campo onde a conservação dos elementos mnemónicos (patrimónios e heranças) se relaciona, através dos processos de comunicação, com os elementos de inovação.

O Movimento Internacional para Uma Nova Museologia, que se constitui em Portugal em 1985 procurava criar um grupo de reflexão sobre os processos e as praticas duma museologia comprometida com as comunidades e com os territórios.

Tal sucedeu devido à vitalidade dessa museologia social, em grande parte herdada da intensa atividade dos movimentos sociais iniciado com o processo revolucionais de 25 de Abril de 1974. A museologia social em Portugal reuniu grande parte dos resultados da intensa atividade social que se desenvolveu em Portugal , o que em parte explica a vitalidade desse movimento neste país. Embora de intensidade diferente, ele acaba também por se verificar noutros países, acolhendo por exemplo as praticas no eco museus, nos museus comunitários no México, e mais recentemente no Brasil, onde os sues pontos de memória procuram captar a riqueza dos movimentos sociais.

Ora nos princípios orientadores desta nova museologia está a necessidade dos processos museológicos terem uma função social, no alargamento da noção de objeto museológico e a sua relação com as comunidades e com os territórios.

Nesse domínio, da sua função social, não existem contradições com os objetivos da inovação social, distinguido-se a museologia por alocar ao processo os objetos menemónicos. Mas uma rápida passagem pela realidade desta museologia social, rapidamente se percebe que esse objetos menemónicos colocados ao serviço da comunidade e do seu desenvolvimento, praticamente coincindem com as funções educativa, culturais, formativas e mesmo com os seus programas de economia social, como mias à frente veremos.

Parece portanto não existir uma oposição entre o campo de ação da museologia social e a inovação social. Parecem mesmo ser campos complementares que ganham em manter diálogos mais profundos.

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

The inclusion of community knowdlege on territorial development

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search