Sobre o Silêncio e o Esquecimento Social

A questão do Esquecimento no âmbito das problemáticas da Memória Social tem sido tratada em vários artigos. Veja-se por exemplo  “Memórias Esbranquiçadas : As Heranças Africanas nos Museus de Portugal.

Nesse artigo, que aguarda publicação, e a partir do trabalho de Paul Ricoeur, “História Memória e Esquecimento”, (2008). um monumental estudo sobre a Memória Coletiva, refletimos sobre a questão do silenciamento das memórias nos museus portugueses.

Aqui o que queremos refletir, na senda das questões sobre o esquecimento e da formação do inconsciente coletivo, é sobre a importância desse esquecimento. O que que ele revelas na formação do pensamento sobre o passado.

acedia

Se partimos da questão de que passado é revelado pelas suas representações, importa relevar que não é indiferente a questão de que é e como é que essas representações se constituem.

Haverá uma primeira distinção a fazer entre o documentos histórico e a memória social como representação. A análise dos documentos insere-se no âmbito da análise histórica, questão que o citado trabalho de Ricoeur trata magistralmente. A memória coletiva é acessível através das suas representações.

é certo que a hermenêutica da história é também um estudo sobre as representações. Mas há aqui uma distinção entre as representações na História e na Memória Coletiva que convém acentuar.

As representações na história é constituída pelo seu discurso. É construída pela narrativa do historiador. O campo da história é o estudo do passado. No passado há partes que permanecem inacessíveis no nosso presente. Digamos que há uma impossibilidade formal de reconstituir o passado como totalidade. O que é feito é a reconstituição dos sentidos desse passado, feitos através de fragmentos desse passado (documentos) que chegaram até nós e que o historiador coligiu e selecionou. Documentos, testemunhos e demais objetos que se constituem como um eco de fragmentos que chegam até ao presente e que enformam e legitimam a nossa narrativa histórica no presente. É certo que o historiador pode, através da sua ação, alargar a pesquisa desses fragmentos, adicionando mais fragmentos. No entanto, toda a coleta se constitui como feixes de possibilidades, sobre os quais reconstruímos os seus sentidos. Apesar dessa impossibilidade e reconstruir o passado na sua totalidade, é todavia possível construir um conhecimento histórico total a partir da análise histórica.

No entanto, no conhecimento do passado a memória social não se constitui como um instrumentos. Para Ricoeur, a Memória Coletiva é ela própria um produto da história. ele é já uma selecção desse passado. A memória social é seletiva e apresenta falhas de congruência. Ele não pode representar a totalidade do conhecimento histórico. No entanto ela não deixa de ser uma parte desse passado.

Nesse sentido a memória coletiva é no presente o reflexo do passado. E é nesse domínio que nos interessa colocar a questão do esquecimento. Como sabemos a memória releva alguns fenómenos e olvida outros. De um modo geral, considera-se que o problema do olvido inclui o que está para além da relevância. Aquilo que tendo sido, deixou de o ser por razão das tensões sociais.

Dessa forma, o que tendo sido e deixou de o ser, manifestando-se através de formas silenciadas está também abrangida pela condição histórica. Aquilo que em cada indivíduo apresenta, sendo seu e do grupo a que pertença, constitui-se como aquilo que afirma que é, constituindo a afirmação do ser uma afirmação do que não é. E nessa disjunção inclui-se ainda aquilo que sendo, não é revelado. Que é deliberadamente esquecido

A condição histórica de um ser é de existir em contexto. Cada membro do grupo é simultaneamente herdeiro e utilizador das memórias sociais. Cada comunidade existe no tempo e aquilo que valoriza é resultado desse contexto. Cada indivíduo não pode transcender o tempo em que participa, ao mesmo tempo que transporta a herança coletiva que lhe são transmitidas pelas vivências em grupo. O que é deliberadamente esquecido, pelo grupo social, é relevado pela emergência dos processos de culpa e pelo trauma.

A culpa e o trauma são fenómenos desse passado que se revelam no presente. O seu estudo é um fenómeno do presente porque sem a consciência da culpabilidade não há reconciliação com o passado, também não deixa de ser verdade que sem perdão, não há possibilidade de futuro. A questão do esquecimento introduz assim no horizonte dos trabalhos sobre a memória a dimensão do destino humano e a construção da sua felicidade e bem-estar.

Ora nesse domínio, a acedia, o estado de tropor e prostamento social com que muitas pessoas e comunidades se encontram é um sintoma de algo de profundo na consciência coletiva que produz lassidão e incapacidade d ese transformar.

Walter Benjamim no seu estudo sobre o na Tragédia Barroca Alemã considera a acedia, a lassidão como a ruina dos grandes homens. A acedia torna-os incapazse de tomar decisões. de se mover a conduz-los a uma aceitação passiva do destino.

A questão que quermeos colocar como hipótese é sobre a existência duma Indolência, Negligência, frouxidão, adinamia coletiva como eleemntos explicativo.

almadaeoriolima

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.