Contemporaneidades no campo patrimonial: O global e o local

Explorando áreas de trabalho: As heranças nos processos de globalização

Se as relações locais são hoje afetadas pela desnificação das relações e pela emergência de múltiplos canais, o fenómenos da globalização vem aumentar em extensão e em intensidade as relações entre nações. Isso é si não é um fenómeno novo, o que é agora novo é a profunda intensidade dessas relações, que e levam a uma extensão da sua influencia a a todos os setores da vida social, levando a incorporação de estruturas simbólicas, da emergência de novos processos de legitimação, onde novas formas de ser de estar e de fazer convivem ao lado a lado , de formas mais ou menos conflituais, de organizar, de produzir.

A distinção entre mundialização e globalização pode ser útil como categorização desse processo. A vagas de mundialização, onde um fenómeno, gerado num determinado local, se expande ou irradia para outros locais, influenciando nesse processo as formas localmente existentes, são tã antigas com a história da humanidade. Fenómenos como a rota da seda, a invasão de Gengiskan, a expansão árabe, a formação dos impérios europeus e os fenómenso do trafico negreiro, a afirmação do Império do Meio são, na história, exemplos dessa mundialização.

Mais recentemente, na nossa história mais europeias, não podemso deixar de atentar à forma como a europa dominou o mundo nos últimos cem anos Da partilha de África em Berlim, em 1895, que constitui o último ato da partilha imperial europeia, à partilha do mundo entre as duas potências vencedoras da guerra mundial em 1945, onde emerge as duas potencias dos EUA e da URSS, são um exemplo dessa última mundialização.

O fenómenos da globalização emerge com o colapso desta última e com a afirmação da hegemonia das relações capitalistas reguladas pelo mercado, agora estendido a todo o planeta. Em 1991 o colapso da URSS leva ao domínio do FMI das teorias neoliberais, já ensaiadas com Ronald Regan e Margareth Teatcher. Os acordos de Bretton Woods torna-se a plataforma reguladora da relações entre os povos. O fim das barreiras à globalização e a glorificação do “free trade and the free exploration”.

Com o colapso do segundo mundo, a dissolução do movimento dos não alinhados, os movimentos alternativos à globalização emergem como projetos vazios e sem rumo. A crise europeia, a crise  do Estado Social, mais não é mais do que um sinal dessa dissolução do domínio dos europeus sobre o mundo. Um mundo onde tudo se troca livremente, onde quem tem mais recursos troca mais. A emergência dos BRICS (Brasil, Rússia, Índia e China e South Africa) são sinais de novos poderes emergentes que levam à crise da Democracia e dos processos de representação.

A crise e a globalização surge sempre muito focada no campo da economia. No entanto, a globalização, (americana e soviética) foram acompanhadas por fenómenos de políticas culturais que correspondem a fenómenos culturais que se manifestaram como campo de conflito. Com o colapso do modelo socialista, a hegemonia cultural do capitalismo emerge como uma alternativa. O modelo cultural do capitalismo está baseado no consumismo, no estimulo à procura desenfreada do novo, dos modelos de vida dos heróis de Hollyood e das industrias mundiais de televisão. É também um modelo que está baseado na apropriação das heranças patrimoniais para consumo turístico.

A questão da globalização cultural, como vemos leva hegemonia das forma cultural dominante, do modelo cultural capitalista e ao colapso da cultura do modelo do “estado social”, caracterizada pelos fortes investimentos do estado em redes de equipamentos, e no estimulo à produção cultural.. A questão que interessa então colocar é entender, é quais é que são as tensões entre este modelo global a as formas de dominação local.



Citar este post
Pedro Pereira Leite (2014, 17 Fevereiro). Contemporaneidades no campo patrimonial: O global e o local. Global Heritages. Recuperado em 24 de Junho de 2024, de https://doi.org/10.58079/p2er

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.