A Poética do Tempo em Batkhin

A Imaginação Dialógica (The Dialogic Imagination) é o título de um livro de Mikhail Bakhtin em 1975, onde se reúnem quatro ensaios sobre teoria da literatura. São ensaios de diferente épocas, onde são apresentados os conceitos de heteroglossia , dialogismo e cronotopo, e que estão na base do que poderemos chamar uma Poética do Tempo através da análise da comunicação. Para Bakhtin a geração de significado na narrativa é gerada pela primazia do contexto sobre o texto – o que chama a heteroglossia, a condição base que orienta a produção dos significados dos enunciados. Mas a natureza híbrida a linguagem, a poliglossia, implica que para produzir esse enunciado, o emissor tem que se apropriar das palavras dos outros. Usá-las para as usar de acordo com a própria intenção. Essa produção dialógica que permite a emergência as relações entre expressões é a intertextualidade. A teoria de Bakthin altera a compreensão sobre a natureza da linguagem e o conhecimento.

Em ” A épica e o romance“,de 1941, Bakthin vai demonstrar que o Romance de distingue da Épica. O Romance é um produto do contexto cultural europeu, industrial, onde o mundo é concebido como uma diversidade. A Épica é uma narrativa de outros mundo e de outro tempo, com uma preocupação de mostrar a sua unidade. Para Bakthin o Romance aglutina todos os outros, é capaz de adotar a sua forma, mantendo a sua unidade narrativa, ao passo que os outros géneros não podem aprçar o romance sem prejudicar a sua própria identidade

Em “Da Pré-História Do Discurso do Romance“, de 1940, Bakhtin apresenta a genealogia do romance, demonstrando como os vários géneros do passado conduzem ao romance moderno.

Em ” As Formas do Tempo e do cronotopo no romance “, editado em 1937-1938) apresenta o conceito de cronotopo, uma qualidade distintiva do romance. Cronotopo, constituída pela aglutinação de cronos e topos, significa literalmente ” espaço-tempo ” a conexão das relações temporais e espaciais que são expressas através do romance.

Cronotopo é uma característica da narrativa em que o passado e o presente são apresentados conjuntamente. O Cronotopo é um conceito gerador que emerge como um centro, concretizando a representação de uma força que dá substância à narrativa. Um conceito onde o passado esse junta no presente, que produz densidade  e apresenta os marcadores do tempo — o tempo da vida humana, o tempo histórico — que ocorre dentro de áreas espaciais bem delineadas.

Na narrativa, um autor deve criar mundos. Imaginar o mundo implica usar as categorias desse mundo real, vivido ou pressentido pelo autor. O cronotopo é um conceito que tem que partir da realidade vivida. Faz parte do mundo, transportando em si o passado e condensando o presente.

Em “O Discurso no romance “, editado em 1934-1935, apresenta-se uma Filosofia da Linguagem. Bakhtin constrói um modelo para a história da comunicação e introduz o conceito de heteroglossia. Heteroglossia refere-se às qualidades de uma linguagem que são extralinguísticas, mas comum a todos os idiomas. Incluem as qualidades de perspetiva, valores éticos e posicionamento paradigmático. Através da heteroglossia Bakthin defende que a linguagem é incapaz de produzir uma neutralidade. Cada palavra está indissoluvelmente ligada ao contexto em que ela existe e em que é produzida.

A questão do cronotópo no romance mostra o conhecimento de algo iminente pode ser alterado, trazendo consigo os valores do tempo. Algo que existindo no presente, provém do passado, influenciando esse mesmo pressente. É a natureza de algo que não pode ser mudado, independentemente das aços que possam conduzir ao seu adiamento.

Em O Idiota de Dostoiesvski, por exemplo, o sentido da urgência do tempo é mostrado pelo medo, pelo conhecimento, algumas vezes escondido — mas sempre revelado —, de um evento que acontecerá. Algo que, como espaço de ação, poder de sentir e buscar o tempo perdido.

O tempo do passado é compreendido como fragmentos dum tempo que chegam e constituem o presente. A operação sobre esse passado implica a sua reversibilidade. Entender que algo que poderia ter sido diferente, não o foi. Os eventos são vistos como lacunas, através das quais a ação se desenvolve. Alterações do tempo circular que produzem mudanças. No passado é possível encontrar lacunas através das quais a inovação e a mudança podem ser insinuadas. Entretanto, se a ligação com o passado pode permitir novidades e transformações, na maioria dos casos, o significado da evolução é percebido como decadência ou declínio; a inovação, portanto, então se apresenta em forma de retorno ao passado.

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.