Museologia Movimentos Sociais e Inovação – Reflexões I

De acordo com Manuel Castells estes movimentos tem uma matriz comum e geram um perfil de mudança social. Como referiu em Sociedade em Rede, a mudança tecnológica, o padrão de organização social está em transformação. O motor dessa transformação são os movimentos sociais. De acordo com Castells o padrão de mudança não se gera no campo das organizações políticas. São os movimentos sociais que vão obrigar à alteração, ou ajustamento das organizações políticas. O processo de mudança gera-se na emoção individual. A produção da raiva uma das seis emoções básicas, é o que gera a revolta no movimento social. Segundo Castells medo, uma das emoções básicas, está na origem da dominação pelo poder. Em certas circunstâncias, quando o medo se transforma em Raiva, uma emoção mais forte, estão criadas as condições para a ação. O medo, como instinto é ultrapassado pela união com os outros. Quando todos estão em consonância, a eclosão da raiva leva a ultrpassar o medo. A capacidade de mobilizar o grupo é uma forma de ultrapassar o medo. O processo de grupo leva a uma superação do medo individual. Ora, nesse sentido, o processo de comunicação constitui a base do processo de mudança social. A comunicação gera o processo de interação entre os indivíduos. A capacidade de mobilização do grupo verifica-se pela sua capacidade de comunicação, e através da comunicação ultrapassa-se o individual. Ora sendo a comunicação a base do processo da ação coletiva, o que é que mudou, nestes últimos cinco anos. A plataforma tecnológica evolui muito aceleradamente. Hoje, mais do que nos últimos dez anos, comunica-se em tempo real. O global e o local estão conectados. Uma conexão que é instantânea. Cada indivíduo comunica instantaneamente com outros, em qualquer escala. O fenómeno da conexão global dos indivíduos é que ocorre, na maioria dos casos, fora dos poderes globais. Os mecanismos de controle do poder, embora possam controlar, não podem impedir a sua difusão instantânea. Um processo de comunicação, quando gerado, não pode ser controlado. Ora este é um dos métodos que foi usado pelos  movimentos sociais. Uma utilização da rede de comunicação, que permitiu o acompanhamento instantâneo em qualquer lugar. Ora estes movimentos sociais tiveram por base a indignação. Indignação que gera a revolta por se ter entendido que a ação dos estados privilegiou as organizações financeiras em detrimentos dos indivíduos. A intervenção dos Estados incrementou a concentração da riqueza e a socialização dos prejuízos. A indignação das pessoas contra os Estados foi o que catalisou a revolta social. A revolta na Tunísia foi uma indignação contra a polícia por reprimir jovem desempregado que procurava sobreviver fora das regras do mercado.

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.