A cultura colaborativa nos museus

A cultura colaborativa nos museus

Entrevista com Pompea Tavares[1] que se encontra a efetuar um trabalho de pesquisa sobre museus locais. Neste entrevista abodamos as questões do trabalho em equipa em torno de projetos comunitários.

Muitos projetos (e sonhos) de diferentes organizações, entre as quais os museus e centros culturais ficam pelo caminho. Uma das rezões para essa situação é as pessoas escutarem cada vez menos.

Pompea trabalha com a metodología do “sonhos do dragão” criada John Croft[2], um pratica de intervenção social que tem como ponto de partida alimentar uma comunicação não violenta. Uma comunicação baseada em três domínios: Connosco próprios, com os outros e com a natureza de forma não violenta e de modo autêntico.

As ferramentas de trabalho apoiam-se nas potencialidades que surgem nos campos da criatividade individual, nas necessidades das comunidades e com base no respeito pelo meio-ambiente e natureza.

A aplicação da ferramenta é dinâmica, concretiza-se num espaço que favoreça o intercâmbio de histórias pessoais, as dinâmicas sensoriais e movimento para criação de narrativas comuns com uso dos recursos disponíveis pela comunidade. A ferramenta de trabalho é aplicada em contexto de desenvolvimento de projetos culturais nas comunidades.

A ideia base do “Sonho do Dragão” é transformar os sonhos em realidades. Trata-se duma tecnologia social que tem como objetivo concretizar, de forma bem sucedida e sustentável a ligação entre o pragmático e o lúdico na construção da utopia. Promove a ligação entre a noção da realidade e a fantasia (inovação) astravés de práticas lúdicas e da festa.

Trata-se dum uma metodologia que valoriza e a promova todas as vozes envolvidas em cada fase de um projecto – envolvendo os seus próprios sonhos, energia e desejo de crescimento. Apela à consciência do todo e da várias partes promovenso a construção de conhecimento coletivo

A oficina promove uma aprendizagem activa sobre o enfrentamento com o real e promove a construção da mudança através da ação. O sonho, componente de construção de ação, é ativado como uma ideia de futuro. A ativação das ideias criativas, permite criar formas de expressão a partir de desejos e construir a necessária renovação.

A oficina promove igualmente o treino dos processo de planeamento, tornando os diferentes momentos em formas de aprendizagem. Por exemplo uma ação que é mal sucedida conte sempre elementos de aprendizagem e superação que permitem criar novos momentos de ação.

A oficina permite desenvolver a consciência sobre os padrões comportamentais que ocorrem a partir de escolhas e das decisões tomadas em função dos resultados alcançados. A ferramenta promove a leitura e o reconhecimento dos padrões comportamentais para ampliar as possibilidades de entendimento de compreensão da experiencia de vida.

Na oficina pode-se tomar consciência de

A)reconhecer os próprios padrões de comportamento, que nos ajudam a determinar qual a nossa zona de conforto, como optimizar as nossas valências, desafiar limitações e transcender medos.

  1. b) entender perceber como podemos beneficiar da sabedoria colectiva de um grupo, criada pela riqueza de cada um dos elementos, num movimento que a todos nutra.
  2. c) manter o processo de materialização do sonho vivo, em que todos os participantes se sentem responsáveis, colaborantes, animados e animadores – cada um no papel que escolhe desempenhar.
  3. d) encarar os nossos ‘inimigos’ como as ajudas mais frutíferas para a concretização dos nossos sonhos, pela generosidade dinâmica com que nos ajudam a identificar falhas ou incoerências.
  4. e) valorizar o uso de valências racionais e intelectuais em equilíbrio com as valências intuitivas e emocionais, aliando e alinhando-as num processo que transcende a ditatura do raciocínio.
  5. f) reconhecer e identificar os recursos necessários para cada fase da construção do sonho, sem aversão às condições económicas da sociedade actual, dançando com os medos e superando limitações.
  6. g) celebrar a existência de cada etapa do crescimento do sonho, valorizando o empenho de cada um, aprendendo com as dificuldades que possam surgir, e ditando-lhe longa vida pelo sucessos que vai alcançando.

 

 

TRANSFORMANDO SONHOS EM REALIDADE:

COMO CONSTRUIR UM PROJECTO ESCANDALOSAMENTE BEM SUCEDIDO: UMA ABORDAGEM ABRANGENTE

John Croft, Quarta-feira, 16 de Abril, 2008

Como transformar os seus próprios sonhos ou os sonhos de outras pessoas em realidade?

Os líderes, são frequentemente obrigados a fazer acontecer coisas que nunca aconteceram antes. Em toda a parte há uma lacuna entre a forma como as coisas são e aquilo em que se podem tornar. Liderança eficaz é, muitas vezes, uma questão de preencher esta lacuna, de construir uma ponte que permita que outros venham a trabalhar em conjunto com o líder para alcançar a sua própria visão ou a visão do grupo.

É disto que trata o processo de construção de um projeto.

Um projecto é definido como qualquer evento planeado, projectado para atingir uma meta de resultados específicos dentro de um determinado espaço de tempo. Os resultados da maioria dos projectos tendem a ser muito deprimentes. Na Austrália Ocidental, 90% dos projectos não duram mais de 3 anos. As pessoas envolvidas tornam-se muitas vezes  stressadas, esgotadas e juram nunca mais se envolver em nada assim novamente. Mas não precisa de ser assim.

Este trabalho é sobre como gerir projectos escandalosamente bem sucedidos. Mas o que é um “projecto”?

Normalmente as pessoas pensam num projecto como uma actividade especial, fora do quotidiano normal. Mas, o Project Management Institute define projecto como: “qualquer esforço temporário empreendido para alcançar um objectivo particular, independentemente do tamanho do projecto, orçamento e cronograma.”

Esta definição aproxima-se de definir qualquer actividade humana intencional como “projecto”, e num sentido muito real, isso é verdade. O facto de que nós seres humanos temos “objectivos” ou “intenções” faz parte das características que nos definem como indivíduos e como espécie, e ajuda a definir o que entendemos como consciência humana.

Enquanto a consciência é considerada a monitorização interna dos próprios estados de espírito, isto não acontece no vazio. A consciência é moldada pela nossa imagem interna do mundo, criando uma representação daquilo que pensamos que ele é.

Esta imagem é em parte baseada em experiências passadas, mas também é moldada pela nossa intenção. Intenção tem a ver com aquilo em que o nosso espírito está focado e, conjuntamente com a consciência, determina o que é ter uma mente. A intenção ajuda a selecionar aquilo a que prestamos atenção e a forma como reunimos novas informações, o que reflete os modelos do mundo que construímos e segundo os quais vivemos as nossas vidas. Assim, desta forma, ser humano é criar projetos, e os projetos, por sua vez, criam quem e como somos.

Mas um projeto não é algo inteiramente confinado ao indivíduo. É um processo de envolvimento, um diálogo profundo com o mundo que é externo à autodefinição de cada indivíduo.

Sob esta perspetiva, o projeto pode ser visto como a forma como o indivíduo cura a sua separação, medo, ou dominação do ou pelo mundo. Exige um processo de “escuta profunda” se se pretende que seja um verdadeiro diálogo em vez de um monólogo de gestão.

Os gestores de projetos frequentemente reclamam a posse de todo o processo de organizar e executar projetos, mas este é o resultado de exagerar drasticamente a importância da “gestão” do processo.

Também é consequência de uma tentativa de alcançar “poder sobre” o mundo, em vez de perceber que esse poder é, em última análise, construído sobre o mito da violência redentora. “Gira o projecto” com sucesso ou então você vai achar que ele assume o controle sobre si, informam-nos numerosos textos de gestão.

Assim, para executar com êxito um projecto, somos informados de que precisamos de “Gestão de Projectos”, envolvendo as etapas do Integração do Projecto, Previsão do Projecto, Tempo do Projecto, Custo do Projecto, Qualidade de Projecto, Recursos Humanos do Projecto, Projecto de Comunicação, Riscos do Projecto, e Aquisições do Projecto.

Mas isto é uma interpretação errónea da verdadeira natureza de um projecto. Gestão de projectos é apenas um dos 12 processos essenciais necessários à execução de projectos escandalosamente bem sucedidos.

Ao olhar para qualquer projecto, descobrimos que todos os projectos começam com o sonho de um único indivíduo. Infelizmente, demasiado frequentemente é só até aí que o projecto chega.

A pesquisa indica que 90% dos projectos bloqueiam na fase do sonho, arquivado até que um dia “Vou arranjar uma maneira de chegar lá”, ou colocados na Terra do Nunca de “Se pelo menos…”. Para ir além da fase de “sonho”, um projecto precisa ser partilhado com outros.

Um projecto que permanece fechado na imaginação de uma pessoa individual, é um projecto apenas no nome. Para ser bem sucedido o projecto precisa de envolver o resto do mundo, o ambiente externo dessa pessoa. Para este processo o indivíduo contribui com investimentos pessoais – de tempo e esforço, energia, imaginação, e talvez até mesmo um investimento monetário. Projectos bem-sucedidos, no entanto, também têm um resultado, um efeito positivo sobre as pessoas que se envolvem neles. Projectos sem sucesso podem ter efeitos negativos que podem activar reacções instintivas como o lutar, fugir ou congelar. Contudo, mesmo projectos que não têm sucesso podem resultar em aprendizagem individual ou organizacional. Infelizmente, podem também resultar em consequências negativas, tais como a desumanização e perda de poder das pessoas envolvidas.

É sempre com o mundo que nos envolvemos através dos nossos projectos. Embora seja verdade que criamos a nossa própria realidade, este processo de criação não provêm exclusivamente de dentro de nós mesmos, nem nasce apenas através das nossas intenções ou consciência.

O mundo com o qual nos envolvemos é vivo, radicalmente “outro”, separado do “self” do indivíduo. Embora este limite entre o “eu” e “outros” seja um limite negociável, precisamos reconhecer que não somos um “ego encapsulado na pele”.

A membrana em torno de uma célula viva é, em última instância, um órgão de comunicação entre a vida interior de si mesmo e da vida exterior em que está envolvida.

Da mesma forma a fronteira entre “eu” e “outros”, entre “indivíduo” e “ambiente” é também uma membrana semi-permeável, uma membrana de comunicação. Endurecer ao limite esta membrana para alcançar a segurança, ou invulnerabilidade, vai na realidade reduzir o processo de comunicação necessário à capacidade de resposta, resistência e flexibilidade. Leva à tentativa de alcançar “invulnerabilidade” para controlar os outros e escapar de ser controlado por eles. E reduzindo a capacidade de resposta, acaba por criar indivíduos, organizações e projectos irresponsáveis.

Ao partilhar esse sonho com o outro, através de um ”círculo de sonhos” o sonho transforma-se num sonho coletivo da equipa do projecto.

[1] http://trabajadoresdemuseos.blogspot.pt/2018/04/la-cultura-colaborativa-en-los-museos.html

[2] http://www.dragondreaming.org/trainer/john-croft/


Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.