O nome e a coisa – sobre museus da portugalidade

A saga do museu da Portugualidade mantém-se em vários fora. Tem como concorrente, na TV o caso Alcochete, e nesta lista o tal regulamento europeu sobre dados que ocupa paginas de leitura nesta lista. Tratam-se de dois bons exemplos da “decadência dos povos europeus”, como diria a meu velho amigo Antero.

Na verdade não consigo entender muito bem o que está em causa no Caso Alcochete. Sendo certo que é difícil de entender a razão para cerca de meia centena de jovens truculentos fossem espancar os jogadores da sua equipa (???), o que faria sentido, embora também criminoso, eram terem ido espancar os jogadores da equipa adversária, de preferência antes do jogo. E com que motivo. Darem uns acoites para jogarem melhor, como se fazia da antigamente ???. Lembro-me que vai para uns bons anos que uma equipa de futebol que tinha tido maus resultados num campeonato, dum país do oriente médio, foi açoitada na praça pública como exemplo. Afinal cá também açoitamos gente na praça pública. Não admira que tenham queimado judeus, ciganos de homossexuais na Alemanha, que tenham lançado bombas e misseis na Síria, que dêem umas vergastadas a uns rebeldes na Catalunha ou em Jerusalém. Nem sei onde é que está museu que fala destas coisas.

Quanto aos dados. É a burocracia europeia no seu melhor. Por toda a gente a fazer o mesmo. Depois admiram-se dos museus não estarem hiperconectados e não falarem desta coisas. Hoje de manhã fui à junte de freguesia pedir um atestado de residência, para poder matricular o miúdo na escola, que é obrigatória, cuja morada consta do documento que levo, onde diz que eu e o miúdo vivemos na freguesia, mas tenho que levar duas tetemunhas e uma fatura com a morada. No final pago 5 euros e tenho que assinar um papel onde autorizo a que conste os dados que acabo de dor. O nome e a morada, minha e do miúdo. Ainda esbocei, com um esgar de garganta  um início dum porque razão… mas detive.me atempo. Paguei e fui fazer coisas mais proveitosas. A idade já me dá experiência de não tentar entender os labirinto da burocracia.

Isto tudo para escrever, que o tal museu da Portugalidade estamos perante um problema semelhante. Um problema em que a coisa é maior do que o nome. Por isso não há entendimento sobre o nome, porque a coisa de que se fala é “impronunciável”.

A coisa é maior porque está fora deste nosso tempo. A nome do museu é apenas um detalhe. Um exercício do poder deste tempo. De quem quer criar uma dada narrativa, que hoje são naturalmente plurais.

A coisa, que todos confundem com o nome é a percepção de que se tem que construir uma nova narrativa que parta de questões que orientem. Questões abertas ao invés de explicações fechadas no tempo.

Uma coisa que nos permita olhar para o mundo com esperança na condição humana.

Amanhã, às 15:00 na Sala Vandelli, no Museu de ciências da Politécnica continuaremos a discutir.

Até lá


Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.