A memória sou eu por Edgar Morin

Textos da entrevista de Edgar Morin sobre  a Memória.

Podse ser visto em  Edgar Morin

A memória sou eu. É como uma alma. Se perdermos a memória ficamos como um vegetal. Não temos mais alma. Mesmo do ponto de vista dum crente, não acredito que se possa conceber o inferno sem memória. A punição no inferno é recordar, de forma contínua, o mal que se fez. Nós somos as nossas memórias.

Com o passar dos anos, lembramo-nos das nossas memórias antigas. Lembramo-nos de coisas da infância que havíamos esquecido. A memória cresce com o tempo. Uma criança de seis meses não tem memória.

A memória vai-se adaptando com o tempo. Muda, reconfigura-se. Um grupo conservador, apropria-se das memórias que lhe são incómodas e reconfigurara-as. Um grupo revolucionário tende a criar novas memórias. A esquecer as velhas memórias a começar de novo.

A memória coletiva é a identidade coletiva.

Nós somos a nossa memória. Partilhamos memórias significativas que criam a identidade coletiva. Não nos podemos pensar como europeus se não conseguirmos criar a nossa memória coletiva. De criar a nossa identidade europeia.

Há uma relação entre a memória coletiva e a leitura. As bibliotecas são depositárias da nossa memória coletiva. A conservação e a difusão. A identidade e a biblioteca estão ligadas. O livro atravessa a história antiga da Europa. A biblioteca de Alexandria e o Museu. A Ideia da continuidade da memória.

A biblioteca é na verdade símbolo da continuidade de uma memória coletiva. Dante Alighieri, quando escreve a última parte da Divina Comédia, no livro sobre o Paraíso. Como é que descreve a imagem de Deus. “Num simples volume esconde-se a ideia do universo.” Veja-se apresenta a ideia de Deus como a biblioteca das bibliotecas.

II

A atualidade da memória hoje, está bem expressa no trabalho de Issac Assimov nos anos 50, escritor de ficção científica, que imaginou uma sociedade dominada pelos computadores. Num período de guerra, os computadores ficam todos bloqueados. Então os serviços secretos foram á procura da única pessoas no mundo que tinha memória. Que sabia fazer contas da tabuada. Foi capturado pelo Pentágono, pois só ele podia continuar a guerra. Era um texto profético, porque hoje, habitados que estamos às máquinas de cálculo, já não sabemos matemática. Issa acaba por atrofiar a memória das jovens gerações. Por exemplo, os meus alunos já não tem memória do que foi dito à trinta minutos atrás, se não tiverem tomado notas.

A memória semântica guarda a ideia que temos do universo. A memória episódica, a memória que guarda a nossa vida pessoal. Se mudamos de casa, matemos a memória semântica e perdemos a memória de curto prazo. Nós temos uma ideia de quem é napoleão, mas não sabemos nada sobre quem foi a sua mãe. Na verdade, o nosso cérbero perde mais facilmente a memória episódica do que a memória semântica. A memória provada perde-se mais facilmente do que a memória pública. Essa é a ideia do livro de Assimov. A deu que é possível .reconstruir ou manter a memória provada, através da memória pública.

Essa é a história do meu livro, “a misteriosa chama da Rainha Loana”, onde um ancião, afetado por um AVC, emerge da inconsciência, lembrando-se da história da humanidade, mas esquecendo-se da sua história pessoal. Nesse sentido é um livro anti Prust, onde redescobre a sua memória através dos objetos externos.

No somos feitos de tempo e vivemos no tempo. Já não sabemos definir exatamente o que é o tempo. Somo como um atleta, que para dar um salto em frente, tem sempre que ganhar balanço num passo para trás.

São os três êxtases da temporalidade segundo Heidegger: passado, presente e futuro. Mas como falava Santo Agostinho, sem memória não temos “anima”. O passado, o Dassein, é uma consciência (uma luminosidade), o presente, o Há –mão (zuhandenheit) e o Está-Aí (Vorhendenheit ). Sem “anima2 não há futuro.

III

Nós somos como anões nas costas de um gigante. É um texto que é famoso pelas palavra de a Issac Newton, mas que é, provavelmente muito mais antigo –Bernardo de Chatres 1139 – (nanos gigantum humeris insidentes). Essa é uma expressão medieval. A Idade Média é normalmente vista como uma época sem inovações. Um tempo em que a verdade é feita por revelações e meditação. No entanto, com o tempo fomos vendo que há muitas inovações.

E depois há esta frase hipócrita, de que nos ombros de gigantes, nós anões vemos mais longe. Isto quer dizer, que veneramos com respeito tudo o que é memória passada. Mas, podemos acrescentar qualquer coisa. Os nosso pais, quando terminarem o que têm para contar, começa o tempo em que nós temos que contar qualquer coisas.

Eu lembro-me do meu pai a ler a minha dissertação. Estava cheia de citações latinas e ele não sabia lati, Mas leu até ao fim. Era sobre São Tomás de Aquino, um tema de que ele não sabia nada. Pos no fim deixou de me contar histórias dele e passou a contar histórias de mim.

As listagens sempre me fascinaram. Listas de qualquer coisa são memórias. As listas são formas de recolher todo o saber sobre qualquer coisa, sem ser obrigado a organiza-lo.

O primeiro catálogo começa com a listagem dos navios na Ilíada de Homero.O poeta começa por descrever a extensão e grandiosidade do exército grego.O que é que está a fazer é um elenco. Uma lista ou inventário dos Navios.

Com o envelhecimento, se não há nenhum problema de alzheimer, a memória cresce. Quando somos mais velhos, recordamo-nos de coisas da nossa infância, que antes não recordávamos. Cresce o património da nossa memória. Aparecem recordações da invância, que antes não recordávamos.

Uma das coisas mais interessantes que me aconteceu, é que quando er pequeno, não falava em dialeto. Os meus pais falavam comigo em Italiano. Eu nunca falava em dialeto. Apesar disso, vivia num ambiente onde se falava dialeto e eu compreendia bem esse dialeto. Mas não falava. Agora, falo bem o dialeto. Veio à superfície. Assim acontece com a memória. Recordo-me hoje de muitas coisas da minha infância e juventude. Quando morrer recordar-me-ei de tudo.

 

Qual é a relação entre a humanidade e a herança cultural na teoria das causalidade. A arte só existe se é usada. Qualquer obstáculo é a regra dos princípios da

 

A propósito dos significados de “memória” e de “esquecimento”

Paolo Rossi

Na tradição filosófica, e também no modo de pensar comum, a memória parece referir-se a uma persistência, uma realidade de alguma forma intacta e contínua; a reminiscência (ou anamnese ou reevocação), pelo contrário, remete à capacidade de recuperar algo que se possuía antes e que foi esquecido.

Segundo Aristóteles, a memória precede cronologicamente a reminiscência e pertence à mesma parte da alma que a imaginação: é uma coleção ou seleção de imagens com o acréscimo de uma referência temporal.

A reevocação não é algo passivo, mas a recuperação de um conhecimento ou sensação anteriormente experimentada. Volta a lembrar implica um esforço deliberado da mente; é uma espécie de escavação ou de busca voluntária entre os conteúdos da alma: quem rememora ‘fixa por ilação o que antes viu, ouviu ou experimentou e isso, em substância, é uma espécie de pesquisa; diz respeito somente a quem possui capacidade deliberativa, porque deliberar também é uma forma de ilação’ (De memória et reminiscentia, 453ª).

A memória é de homens e animais, a reminiscência é só humana. Como dirá Tomás de Aquino, ‘o homem não possui, como os outros animais, apenas a memória, que consiste na lembrança imprevista do passado, mas também a reminiscência, que é quase fazer silogismos buscando a lembrança do passado’ (Tomás de Aquino, Summa Theologica I, Q 78, 4)”.

 


Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *