É possível democratizar a arte sem que ela se massifique?

Conjunto de Perguntas para a Revista Verso #4

  1. É possível democratizar a arte sem que ela se massifique?

A questão de democratização da arte tem estado muito ligada à discussão entre cultura erudita e cultura popular, criada no século XIX, uma questão que tem as suas raízes no século XVI com a distinção entre história natural e história política, ou se quisermos entre cultura e natureza. Deixando de lado a fissura entre cultura e natureza, a fissura entre erudição e popular tem implícito a divisão social entre senhores e servos. Nesta divisão social, correspondem dois mundos, o dos senhores que tem acesso à uma cultura erudita, vista como superior, que legitima essa mesma situação de dominação social, e o mundo popular, que transporta uma cultura primitva, feita de repetições a que se chamou folclore. A questão da democratização está ligada à questão da democratização da sociedade, questão que pode ser vista no campo dos direitos, políticos, sociais, culturais e ambientais.

No que tange á questão dos direitos culturais, a democratização de cultura ganham especial relevância com a criação das políticas culturais públicas, que a UNESCO, com forte impulso da França leva a cabo. As políticas culturais estão baseadas em cinco princípios: o direito ao usufruto dos bens culturais e do património cultural, á livre criação cultural, á participação nas decisões públicas sobre as políticas culturais e à questão dos direitos de autor.

Esta formulação está muito contaminada pelo aquilo a que podermos chamar a hegemonia do pensamento eurocêntrico, que formula uma organização da pólis, a partir do seu quadro de valores. Isso á particularmente evidente na discussão emergente, sobre os direitos de criação social (quem beneficia dos direitos de criação das obras produzidas pelas comunidades?).

Deixamos agora de lado esta questão, pela sua complexidade, e centremos-mos na questão da democratização da arte versus massificação. É fácil de entender que a democratização da arte se entende pela extensão do acesso à sua produção (o que implica uma educação pela arte na sociedade) e ao seu usufruto (que implica por sua vez uma extensão de lugares de arte). Ora como sabemos, nem o nosso ensino a Educação pela Arte constitui um pilar de conceptualização, nem o seu acesso é hoje adequada mente universal. Bem sabemos que nos últimos 30 anos as políticas públicas enxamearam os territórios com redes de equipamentos culturais (bibliotecas, arquivos, museus, centros culturais, galerias de arte, parques culturais, etc.).

Na maioria dos casos estas políticas, de apoio ás artes, e à construção de equipamentos, não estão apoiadas em processos que favoreçam um “arte popular” se assim podemos falar da produção de arte pelas “massas” populares. Uma outra questão que é também relevante, é saber se todos podem ser artistas ou essa condição de artista implica um determinado estatuto social com o correspondente benefício político. Ora como todos sabemos, todos podemos ser artistas, cada um com a sua particularidade. Uns serão mais criativos, outros menos. Mas nem todos somos artistas, muitos de nós porque não tivemos acesso a uma formação artística.

Dessa forma a resposta é que nestas condições sociais, dificilmente a arte pode ser massificada. Mas que se ousarmos pensar numa outra forma de sociedade, sim a arte poderá ser massificada, sendo que para isso termos que reinventar a democracia.



Citar este post
Pedro Pereira Leite (2018, 20 Abril). É possível democratizar a arte sem que ela se massifique? Global Heritages. Recuperado em 29 de Maio de 2024, de https://doi.org/10.58079/p3hv

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.