1. Como a tecnologia influenciou a arte?

  1. Como a tecnologia influenciou a arte?

A arte, enquanto expressão da singularidade do ser, sempre esteve ligada à tecnologia. Nas pinturas pré-históricas, na estatuária e nas pinturas e cerâmicas da China, do Médio Oriente, dos povos andinos ou africanos, há sempre presente uma “tecnologia”. Há uma relação entre a expressão artística e a tecnologia que a cada momento a formação social dispõe. A tecnologia da extração de pigmentos, do uso do fogo, do conhecimento dos comportamentos dos materiais e da sua transformação. Há contudo, uma questão que a tecnologia não resolve completamento até certa altura. Uma obra de arte transporta em si alguma genialidade, um caracter singular e único que resulta do labor do artista ou artesão.

A distinção entre arte e artesanato é útil para entender esta relação entre arte e tecnologia. Walter Benjamim, em 1936, na sua “A Obra de Arte na era da sua reprodutibilidade técnica”, (Benjamin Walter, (1992), Sobre Arte, Técnica, Linguagem e Política, Lisboa, Relógio de Água, pp 73-113) aborda com mestria esta questão. O que Walter Benjamim se apercebeu foi as alterações que estava a acontecer no campo da produção artística com a emergência das tecnologias. Interroga-se Benjamim sobre o caracter da obra de arte quando a tecnologia permite a sua replicação. Interroga-se onde está o caracter único da obra, quando o aqui e agora de obra pode ser replicada em sucessivas cópias, idênticas ao original até infinito. Isso começa a suceder de forma percetível com a fotografia e o cinema no final do seculo XIX. Não deixa aliás de ser um caso paradigmático

Esta questão do fim da singular é vista por Benjamim como o “colapso” da aura. O objeto, libertado da sua singularidade, torna-se um produto de massa. Uma mercadoria. E como mercadoria, incluído no sistema económico capitalista, transforma-se num produto de massas. No entanto, como Benjamim também reflete a partir da sua postura dialética, para cada “época” histórica, encontra-se uma correspondência estética. E é nesse contexto que o autor inscreve a ideia de que a era da reprodutibilidade técnica, corresponde no plano da cultura, à era da produção de massas. Nesse sentido, no atual contexto tecnológico a arte, a sua produção e o seu consumo são marcada pela elevada densidade tecnológica.

Isso não significa contudo que a arte e os artistas não continuem a ter “autonomia” e “liberdade” em relação à escolha das suas produções e criações.

Conjunto de perguntas para a Revista Verso


Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.