Industrias Culturais e Criativas VI – A formação em Portugal

A formação em Industrias Culturais e Criativas

A entrada e a formação de profissionais nas Industrias Criativas em Portugal é uma questão que está a sofrer profundas alterações. Do ponto de vista mais tradicional, o acesso às profissões culturais e criativas é, desde os anos setenta, efetuada por duas vias. Por via da profissionalização e pela via do ensino.

A via da profissionalização no setor é a via mais frequente de acesso às profissões criativas. É geralmente feita através do desenvolvimento das competências sociais e profissionais em organizações sociais ou através do aproveitamento de oportunidades surgidas em eventos organizados nas comunidades, completada por vezes com cursos de formação profissional ao longo da vida. O profissional inicia a sua prática através duma oportunidade e, seja por gosto pessoal seja por necessidade de sobrevivência, continua desenvolvendo atividades, alargando as suas redes socias e de competências.

A via de formação académica resulta duma tradição mais elitista, feita num sistema de ensino formal, com elevada especialização e considerável investimento em tempo. O campo da formação nas artes e nas atividades criativas no sistema de ensino formal não é socialmente valorizada na sociedade portuguesa. Fora das elites mais tradicionais, onde o ensino das belas artes e da música ainda é considerado integrante da formação pessoal, normalmente num sistema de ensino doméstico, as aprendizagens criativas é feita de forma aleatória em redes de oportunidades. No sistema de ensino formal, embora integre as expressões artísticas e criativas, não existe uma valorização curricular dessas áreas de formação, claramente diminuídas nos planos educacionais.

A parir do primeiro ciclo de formação as disciplinas de arte e criatividade vão perdendo gradualmente expressão no sistema de ensino a favor das disciplinas de informação e conhecimento científico. Apenas após a finalização do ensino básico, por volta dos 15 anos, ao fim de nove anos de ensino, é que existe a possibilidade de optar por áreas criativas, com uma oferta de escolas diminutas e geralmente localizadas nos grandes centros urbanos.

É igualmente possível uma especialização nas áreas de artes performativas (teatro, dança), cinema, belas artes ou música em unidades especializadas de ensino superior, tendo como saídas profissionais, de forma geral o ensino. No campo do património, a formação em técnicas de conservação e restauro é considerada uma especialização técnica, sendo que normalmente, as funções mais qualificadas exigem uma formação pós-graduada. De uma forma geral, a formação pós-graduada não está em correspondência com as necessidades das organizações culturais, com os principais empregadores a despe rezarem a qualificação no acesso a cargos de maior especialização. No campo do design e da criatividade, algumas escolas profissionais tem começado a efetuar, em colaboração com associações profissionais dos setores do têxteis e do calçado, formações profissionais que dão resposta às necessidades dos setores.

Nos últimos anos tem crescido a tendência para as diferentes escolas e especialidades se agregarem para oferecer uma formação nas áreas das indústrias culturais e criativas. Oferecem-se agora processos de formação onde é possível fazer diálogos com as práticas criativas e com os negócios criativos.

Como economia criativa liga a cultura e a intervenção económica, este tipo de formação exige um novo paradigma formativos, voltado para as necessidades da sociedade, onde o conhecimento e a experimentação de misturam, acompanhando de perto as tendências e as necessidades das comunidades, orientadas pelo ideia das sustentabilidade ambiental, pela necessidade de usar recursos de forma adequada e socialmente responsável. É também um campo que exige um diálogo com as tecnologias de infirmação e comunicação. Por outro lado, as economias criativas trabalham sobretudo com projetos que se encontram limitados no tempo. As atividades profissionais no campo das indústrias criativas exigem uma elevada rotatividade de produtos e competências de tralho em equipas com métodos de resolução de problemas.

Por estas características de intenso diálogo interdisciplinar, a formação nas indústrias culturais e criativas colidem muito frequentemente com as ofertas formativas dos espaços académicos, mais clássicos e disciplinares, onde a elevada especialização dum dado campo de conhecimento é praticamente sinónimo de um grande desconhecimento prático sobre outras áreas de especialização. Há portanto um certo desfasamento entre a oferta formativa académica e a dinâmica das indústrias cultural e criativa

Nos últimos anos, algumas escolas na área da comunicação e das humanidades, face ao esgotamento dos serviços educativos para formar professores nas respetivas áreas, que teve como consequência diminuição da sua procura lançaram em ofertas formativas “criativas” oferecendo formação na área de conceção de projetos Criativos, usado ferramentas da análise social, de análise económica, de estudos patrimoniais, técnicas de marketing, estudos de turismos, arte e políticas públicas.

São ofertas formativas que se estão a desenvolver nos grandes centros urbanos, muitas vezes através de parcerias entre instituições públicas onde se procura partir duma análise da realidade das Indústrias e Culturas Criativas, das suas transformações e tendências; para criar projetos e produtos ou serviços no sector. A criação de competências nestes profissionais, embora ainda com números pouco expressivos, considerando o peso da economia criativa na economia, permite vislumbrar uma transformação na formação de profissionais a médio prazo, com a possibilidade de mais gente, melhor preparada se lançar no mercado criando empresas ou lançando projetos, produtos, serviços, negócios e empresas criativas. Serão certamente competências que irão explorar oportunidades estratégicas na economia portuguesa, com base na sua cultura e explorando a inovação de criatividade.

De seguida apresentam-se alguns exemplos de novas ofertas de formação em Portugal. Em Lisboa é o lugar onde se encontram uma maior expressão da oferta de formação em indústrias culturais e criativas.

A mais expressiva é na Faculdade de Letras, de Lisboa, seja de forma autónoma[1] seja através de parcerias com outras instituições, como a Escola superior de Comunicação e a Faculdade de Belas Artes[2]. A Universidade Nova, mantem uma oferta de especialização parcelada, sem integração em gestão de projeto.[3]

Ainda em Lisboa, o ensino privado oferece uma oferta por vezes mais ajustada às dinâmicas do mercado. Por exemplo, o curso de mestrado e doutoramento em Museologia, da Universidade Lusófona·, privilegiando a intervenção social está atenta às dinâmicas urbanas das indústrias culturais e criativas.

O ISCTE, um instituto universitário de Lisboa tem também uma oferta de formação na área do património cultural[4], e um dos seus centros de investigação – o Dinâmia[5] tem tido uma intervenção em projetos urbanos de inovação e criatividade.

Ainda na região de Lisboa, duas instituições de ensino politécnico oferecem uma oferta de formação no âmbito das indústrias culturais e recreativas: O Instituto Politécnico de Tomar[6] onde sobressaem as formações nas áreas da conservação e restauro e gestão cultural, e o Instituto Politécnico de Leiria, nas áreas das expressões plásticas, animação cultural e gestão cultural[7].

No Porto, a segunda maior cidade do país a Universidade Católica sobressai na sua oferta sobre indústrias culturais e criativas[8]. Na universidade do Porto a oferta de formação sobre Indústrias Culturais e Criativas surge disseminada pelas várias especialidades. Sobressai e criação de um polo universitário onde se instalou um espaço dedicado às industrias criativas, que que esteve, neste domínio, bastante ativo durante o início do milénio.[9]

A oferta de formação universitária em Portugal, no campo das Industrias Culturais e Criativas é mais forte nestas duas universidades. As outras universidades, Coimbra, Algarve, Évora, Trás-os-Montes apresentam também ofertas de formação nesta área, normalmente ligada às áreas de letras, comunicação, património cultural e turismo. São formações que não se constituam como formações autónomas e direcionadas a problemática específica da ICC. Na Pagina do Ministério da Cultura em Portugal pode olhar-se para a forma como informação nesta área é apresentada, podendo caracterizar-se como uma abordagem pouco entusiástica e ainda muito centrada numa descrição de situações sem políticas publica ativas na área da formação[10].

[1] http://creativecultures.letras.ulisboa.pt/index.php/industrias-criativas/

[2] https://www.escs.ipl.pt/cursos/pos-graduacoes/industrias-e-culturas-criativas

[3] A UNL (http://fcsh.unl.pt/ensino) por exemplo tem uma oferta de formação com base nas disciplinas clássicas em “Acústica e Estudos de Sons”, Artes da Escrita” “Comunicar e apreender na era digital” “Curadoria de Arte” “Estudos de Música Popular” “Mercado da Arte e Colecionismo”

[4] https://www.iscte-iul.pt/curso/111/doutoramento-antropologia-politicas-imagens-cultura-museologia/apresentacao

[5] https://www.dinamiacet.iscte-iul.pt/projects

[6] http://portal2.ipt.pt/

[7] https://www.ipleiria.pt/cursos/course/licenciatura-em-programacao-e-producao-cultural/

[8] http://www.porto.ucp.pt/pt/central-oferta-formativa/mestrado-gestao-industrias-criativas

[9] https://uptec.up.pt/

[10] http://www.gepac.gov.pt/industrias-culturais-e-criativas.aspx?v=ef8cdefd-1b59-48cb-bbac-dc7b0fd22823

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.