Industrias Culturais e Criativas V – Principais recursos

Principais recursos na Industria Culturais e Criativas.

A conta satélite da cultura, entretanto desenvolvida no INE[1] veio permitir visualizar o impacto das atividades culturais no âmbito da economia criativa. No entanto os resultados disponíveis, que resultam da consolidação das contas nacionais, apenas estão disponíveis para os anos de 2010-2012.[2] De acordo com a CSC o setor da Economia Criativa foi responsável por 2,8 % do VAB total do país, gerando apenas 1,9% do total do emprego do país.

Quadro I

Contributo dos Sectores de Atividades Culturais para o VAB e emprego em Portugal, em percentagem (2012). Fonte INE (2015) Conta Satélite da Cultura

Categorias VAB % Emprego %
   Artes Performativas 3,9 4,7
   Artes Visuais e Criação Literária 2,7 4,8
   Património Histórico e Cultural 0,9 1,0
Atividades Nucleares 7,5 10,5
   Cinema de vídeo 4,5 4,7
   Edição 34,2 31,3
   Música 0,2 0,2
   Broadcasting 13,2 7,8
   Software e equipamentos 20,7 29
   Turismo Cultural 6 6,2
Industrias Culturais 78,8 79,2
   Arquitetura 0,7 0,6
   Design 0,2 0,2
   Publicidade 0,5 0,3
   Serviços software 0,7 1,7
   Criatividade na Economia 11,6 7,5
Atividades Criativas 13,7 10,2

A análise do quadro é relevante para caracterizar as Industrias Culturais e Criativas em Portugal. Em primeiro lugar, as atividades clássicas ligadas ao património apresentam uma expressão diminuta, quem em termos de VAB, quer em volume de emprego. Embora o país tenha uma elevada marca identitária com base na sua história ao mesmo tempo que na opinião pública a as atividades tradicionais e os modos de vida a elas associadas apresentam uma elevada visibilidade, não se verifica uma forte correlação com as atividades económicas nesse domínio. Isso indicia uma incapacidade dos poderes públicos de valorizarem os seus ativos e uma incapacidade da economia em usar os recursos patrimoniais clássicos para criar emprego e riqueza. No entanto, no âmbito das atividades culturais clássicas, o campo da produção artística, literária e performativa apresenta-se com valore mais generosos, o que indicia uma dinâmica de reconhecimento social.

Se olharmos para as Industrias Culturais Clássicas, verificamos que as atividades mais tradicionais, ligadas à edição, à produção de cinema e vídeo, e rádio contribuem com mais de 40 % para o VAB e para o emprego no setor. Se juntarmos a isso a comercialização de equipamentos, permiti-nos considerar que o peso da produção tradicional, de reprodução não criativa de bens culturais é predominante no setor.

O contributo das atividade criativos “puras” que contribuem com cerca de 13 % do VAB e 10 5 do emprego mostram um fenómeno ligado a uma antiga especialização da economia portuguesa, que no passado se tinha especializado nos têxteis e calçado, tendo passado por uma intensa crise com a globalização, e que encontrou nos sistemas de automação e no design uma forma de ultrapassar as dificuldades. Uma situação que evidência a notável transição dos serviços de criatividade no design na economia portuguesa.

Em suma trata-se dum setor muito diferenciado, com diferentes potencialidades. Na maioria dos casos é constituído por pequenas empresas ou profissionais liberais, que atuam e em rede, combinando funções de criatividade e comercio. Em alguns caso são atividades muito espacializadas, com uma criatividade associada ao próprio criador com produtos muito próximos dos clientes. Trata-se dum setor ainda muito pouco valorizado e reconhecido pela sociedade, com dificuldades de financiamento crónicas, com fracas capacidades de investimentos.

Na conta satélite da cultura não permite visualizar a distribuição espacial, no território, das indústrias culturais e criativas. No entanto, pelo conhecimento que temos vindo a desenvolver na análise destas atividades ao longo do tempo, trata-se dum fenómeno que se está a desenvolver em torno de núcleos urbanos, sobretudo Lisboa, Porto, Braga, Coimbra e Aveiro, aproveitando as sinergias dos centros de comunicação. Em alguns casos, sobretudo por via dos financiamentos públicos ou de processos patrimoniais, algumas cidades médias tem vindo a beneficiar, de forma desigual com o desenvolvimento das indústrias criativas e do chamado turismo cultural, como é o caso de Évora, Setúbal, Sintra, Caldas da Rainha, Tomar, Guarda e Viseu. O caso do Algarve em Portugal permanece como caso de estudo. Trata-se duma das regiões turísticas mais dinâmicas, onde o setor das indústrias culturais e criativas encontra dificuldades em implantar-se de forma adequada e perante uma praticamente ausência de investimentos públicos.

[1] As contas Satélite da cultura estão a ser desenvolvidas pelo INE desde 2013 e são um instrumento integrado no Sistema de Contas Nacionais Portuguesas (SCNP) criadas com os objetivos de avaliar a dimensão e a importância da Cultura na economia portuguesa, dando informação sobre a estrutura de produção das atividades relacionadas com a Cultura. Os primeiros resultados da CSC foram publicados em 2015 e reportam-se ao período 2010-2012.

[2] ttps://www.ine.pt/xportal/xmain?xpid=INE&xpgid=ine_cnacionais2010&contexto=cs&selTab=tab3&perfil=220674570&INST=220617355

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.