Industrias Culturais e Recreativas em Portugal III -Delimitação dos Recursos

Nos trabalhos da Agencia para o Desenvolvimento das Industrias Criativas[1], que tem vindo ao longo da última década a desenvolver vários estudos. No seu trabalho mais recente (ADDICT, 2016) delimita o setor cultural e criativo em vários clusters, que refletem a procura duma abordagem que integra o contributo da cultura para o desenvolvimento. Assim parte duma noção mais clássica de “sector cultural”, delimitado pelo “património e artes”, que envolve as unidade e os números de visitantes aos museus e a galreias de arte, a produção bibliográfica, discográfica e a exibição de filmes em cinemas (onde as funções públicas e provadas se confundem); alargando-o para integrar “as indústrias culturais, industrias criativas e a(s) língua(s)e linguagens que os alimentam” (op.cit 8)

A racionalidade desta configuração emerge no diagrama que apresentam.

Ilustração 1 Configuração global do setor cultural e criativo segundo Augusto Mateus & Associados (2016)

O diagrama oferece alguma complexidade. Através deste diagrama os autores procuram explicar a conceptualização do modelo de abordagem que propõe de forma a apresentar uma visão holística que representa uma visão integrada dos contributos culturais para a atividade económica. Procuram de certa forma ultrapassar uma visão segmentada da vida económica em setores de atividade, propondo uma abordagem processual.

O modelo procura integrar as várias atividades de base criativa que concorrem para a análise da racionalidade económica, que com base no modelo da oferta e procura de produtos e serviços dum território em contexto de globalização. Esta integração é conceptualizada em pares de conceitos que integram produção de bens e serviços a partir da especificidade do conhecimento que está na sua base: são apresentados os em segmentos de Educação e Conhecimento; Tecnologia e Inovação; Propriedade Intelectual e Comércio Internacional. Segundo a justificação dos autores essa configuração permite entender as tensões geradas na economia (de acordo com o modelo de satisfação de necessidades no mercado) e olhar para a produção como resolução de necessidades o que permite entender como se desenvolvem os processos de produção de sinergias ou de desequilíbrios entre a singularidade-mobilidade/ a identidade e a universalidade e entre a diferenciação e massificação/ reprodutibilidade – customização.

Inerente à conceção do modelo apresenta-se uma visão da competitividade economia no futuro (mais ou menos breve e sobretudo nas economias do Norte mais cosmopolitas, onde se verificam maiores índices de desenvolvimento) de que as industrias serão sobretudo culturais criativas, por contraposição as industrias tradicionais com base na transformação primária de matérias-primas e produção indiferenciada (commodities). (op.cit. 7).

Segundo os autores a transformação dos processos de formação de valor nas cadeias de produção levou a diferente ritmos de crescimento económico, com as economias “desenvolvidas” a terem taxas de crescimento baixo, face às elevadas taxas das economias emergentes. Esta visão defende que o reequilíbrios entre os fatores de competitividade da economia europeia, e em particular da portuguesa, depende da capacidade de integrar a cultura e a criatividade na produção de inovação e eficiência coletiva (criação de efeitos de spillover) (ibidem). A integração da inovação e da criatividade é de acordo com o modelo um fator de criação de valor e depende da combinação entre a cultura e a criatividade e a mobilização do conhecimento para criar benefícios ao nível do capital humano. Por essa razão, e em linha com várias abordagens ao nível das publicações das Nações Unidas[2] e da UNESCO[3], privilegia-se a Economia Criativa enquanto instrumento transversal que integra o Desenvolvimento Sustentável, ainda que reconhecendo os diferentes grãos de penetração na economia destas atividades.

Assim, para os propósitos deste trabalho abordaremos apenas as questões das indústrias culturais e criativas enquanto produtos de troca, de bens e valores patrimoniais, analisado através de entradas em equipamentos de cultura e lazer, bem como as formas de afirmação de competências e qualificações criativas, expressas através das dinâmicas de oferta formativa e das sua expressões nos território.

Para o primeiro conjunto de informação, socorremo-nos das estatísticas. No segundo caso, mais subjetivos, de análise de alguns mapas disponíveis e de estudos de casos.

Para identificação dos recursos das Industrias Culturais e Criativas usamos o modelo de análise da UNCTAD[4], que se baseia na identificação de 4 categorias base que analisamos usando a informação estatística do Instituto Nacional de Estatística[5].

[1] A Agência para o Desenvolvimento das Industrias Criativas foi criada em 2008, tendo desenvolvido várias atividades de networkin, thinkthanks, recolha de informação e lobbing para políticas públicas. Atuou sobretudo no norte de Portugal. A partir de 2015 a sua atividade praticamente desaparece. Para mais informação ver em http://ecbnetwork.eu/introducing-addict-creative-industries-portugal/

[2] http://unctad.org/en/Pages/DITC/CreativeEconomy/Creative-Economy-Programme.aspx

[3] https://en.unesco.org/themes/protecting-our-heritage-and-fostering-creativity

[4] Grupo Património– Expressões culturais tradicionais (artesanato, festivais)/Sítios culturais: monumentos, sítios arqueológicos, museus, bibliotecas, galerias. Grupo Artes – Artes plásticas, Artes performativas. Grupo Média, Edição Audiovisual e Criações funcionais – Design (interiores, gráfico, produto, moda, joalharia, brinquedos) Novos media (software, videojogos, conteúdos digitais)

Serviços criativos (arquitetura, publicidade, lazer e recreação, I&D criativa)

[5] https://www.ine.pt

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.