Passagens Experiências de Liberdade em espaços de transição III

  1. Museologia Social e novos processos museais nas cidades

Partindo da hipótese que acima enunciamos, de que as práticas rebeldes correspondem a atos performativos de formação de identidades em sociedades de transição, colocamos como questão a relação entre as novas formas de manifestações identitárias nas cidades e os novos processos museológicos. Os processos museológicos constituem-se como narrativas que relacionam as experienciam, individuais e coletivas em contexto, através de objetos s socialmente construído.

A europa é hoje um território urbano com mais de 2/3 da sua população a viver em cidades. Em todo o mundo, a urbanização cresce, estimando-se que mais da população mundial seja hoje urbana, prevendo-se que em meados deste século, alcance também os 2/3. A vida urbana gera muitos problemas. Mas as cidades são também os lugares onde as soluções são encontradas. São lugares de ciência, de inovação, de cultura e criatividade. É nas cidades que o nosso futuro comum se joga, seja nas alterações climáticas, seja transição energética, seja inclusive na criação da sustentabilidade. É também na cidade que se enfrentam os grandes problemas da pobreza, da fome e da segurança alimentar, da segurança humana e das sociedades pacíficas, do desemprego e da diversidade cultural.

Para efeito da investigação feita pare este artigo trabalharemos a partir da ideia de cidade-mundo, um conceito defendido pelo pedagogo António Valleriani (Valleriani, 2012) que defende a necessidade duma ideia pedagógica barroca, que tem por base uma ética sensível à razão do corpo, do outro e do contexto ambiental onde se vive.

A Cidade Mundo é um conceito policêntrico sobre a dinâmica cultural que irradia a sua influência para a envolvente, a partir do espírito do tempo, criando uma novas narrativa sobre as identidades, cerzindo as diferenças pelos diálogo e pelo confronto, mas que mostra potencia criativo rasgando novos horizontes para explorar a construção da justiça cognitiva e a inovação social. É na cidade que se desenvolve a relação entre cultura e desenvolvimento.

Esta é uma relação complexa, que exprime um campo ainda não completamente consensualizado pela ciência social e pelas ação política. Ela está presente na Convenção da UNESCO sobre Proteção e Promoção da Diversidade Cultural (2005) e na Declaração Universal da UNESCO sobre a Diversidade Cultural, assinada em 2002. Contudo nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ONU, 2015), malgrado várias posições contrárias, a cultura encontra-se ausente como pilar do desenvolvimento, assumindo um contributo transversal em vários dos objetivos. (Leite, 2015).

A relação entre cultura e desenvolvimento é uma questão complexa que depende da forma como o problema é colocado e da matriz teórica que utilizamos sobre os conceitos de cultura e desenvolvimento. O problema e tanto mais complexo quanto sabemos que entre a produção teórica feita nos centros académicos, quase todos eles situados nas universidades europeias e norte-americanas, e a realidade da vida das comunidades locais nos diferentes territórios alvo dos programas de desenvolvimento, há igualmente uma grande distância.

Para além da polissemia do conceito de desenvolvimento, verifica-se uma profunda clivagem em relação ao que são ações facilitadoras do desenvolvimento que podemos considerar de caracter cultural. Por exemplo a ideia que é necessário capacitar agentes locais, que implica o reconhecimento das especificidades culturais (culturas locais, processos económicos, sistemas de trocas, relações simbólicas, redes sociais de entreajuda, etc.); ou mesmo a ideia que o Desenvolvimento se mede por índices, (Índice de Desenvolvimento Humano) o que leva a ações de desenvolvimento no campo da educação, saúde e economia (geração de renda); ou ainda de que o desenvolvimento depende da existência da livre-troca e da democracia, sendo portanto necessário concentrar o esforço em três áreas, economia, política e segurança. Estamos perante um mundo de opções que se diferenciam em função das referências epistemológicas usadas, que mostram um campo complexo. Há no entanto um alargado consenso que a questão do desenvolvimento sustentado envolve diversas dimensões do ser humanos, da sociedades e da sua relação com a natureza (ambiente).

A questão de que a cultura, por si própria tem capacidade para gerar crescimento económico pode não ser consensual. A cultura em si não gera nada. O que é passível de gerar renda são os processos produtivos em que as atividades culturais e criativas podem gerar. Para isso é útil usar a ideia de economia criativa (Leite, 2017), que analisa a produção e a circulação das atividades criativas, tratadas como mercadorias. A questão leva à ideia de que os sistemas públicos devem promover políticas públicas orientadas para a gestão e valorização das práticas culturais conexas com a economia criativa, com o objetivo de criar um crescimento económico, por via da criação de renda, de emprego e de bem-estar social, ainda que este seja de difícil aferição.

Esta questão complexa relaciona-se com a gestão dos bens públicos (recursos financeiros e equipamentos públicos) com o mercado, na sua livre competição com base na relação entre a oferta e a procura, na competitividade e na qualidade dos produtos e serviços culturais. Complexo porque implica que a gestão da cultura, pelos poderes públicos, podem ser assumida como um serviço comercial ou como uma intervenção na comunidade para facilitar o seu empoderamento.

No primeiro caso, o dos serviços culturais, assumidos como uma lógica de mercado, implica a criação de uma conjunto de equipamentos e serviços a oferecer a um dado território, em função das necessidades identificadas da população desse território. No segundo caso, em que a lógica dos serviços públicos culturais se orienta para a gestão da cultura como forma de valorizar as práticas das comunidades, tal com aconteceu recentemente no Brasil com a política dos Pontos Culturais do ministro Gilberto Gil (Turino, 2010). A questão não será de fácil resposta, pois há hoje bens culturais que são consumidos no mercado. É por exemplo o caso das Televisão, da Internet. São bens que satisfazem necessidades culturais e simultaneamente preenchem um conjunto de direitos de cidadania. Mas como defende Yúdice (Yudice, 2006), este tipo de cultura é um serviço que se centra no seu próprio consumo, tem-se a si própria como objeto mercadoria. As suas narrativas estão ancoradas na publicidade, e os seus serviços são hoje cada vez mais eventos corporativos apoiados por algumas políticas públicas.

Contudo se olharmos para a cultura como uma lógica da emancipação social e da justiça cognitiva como empedramento das comunidades, dentro dos objetivos de desenvolvimento sustentável, de alcançar a igualdade de género, a educação universal de construi cidades resilientes e comunidades que gerem os seus conflitos de forma pacífica, verificamos que os serviços culturais na comunidade podem oferecer um espaço de encontro onde se podem criar alternativas de emancipação social.

As cidades mundo procuram criar uma centralidade policêntrica com base no universalismo da diferença. Cidades mundo, segundo Valleriani, são cidades mestiças onde se combinam culturas e valores e ideias. São espaço de criação e inovação social. Uma inovação que é criada a partir do mundo dialógico da liberdade e do diálogo com o outro. Cada um assume-se como ser autónomo em relação com o outro e a parti do qual se constroem narrativas sobre a heterogeneidade com base numa ética Barroca (Santos, 2000)

Nos espaços e processo museológicos, encontramos as diferentes leituras do mundo, construídas pelas memórias coletivas. Vivência e experiências sociais que narram aspetos da memória do grupo social onde se geram, quase sempre, memórias hegemónicas que encobrem silêncios e esquecimentos (Ricoeur,2000). Uma História e memória oficial da sociedade que resulta dum acordo sobre o passado, filtrada e interpretada por interesses dominantes (em cada tempo), transportando valores s, mitos, arquétipos e que tem como função uniformizar essas lembranças.

Em 20015, a UNESCO aprova uma Recomendação para Museus e Coleções, sua Diversidade e Função Social, que culmina um longo processo de debate no campo da museologia sobre a Função Social dos Museus (Leite, 2015). A Função social dos museus, e por consequência a função dos processos museológicos traduz, um esforço de adequação dos Museus ao mundo. (Moutinho, 1993). Esse foi o centro do debate na museologia social, que ao longo de cerca de trinta anos procurou demonstrar, que para além de processos museológicos mais tradicionais, uma boa parte da renovação da museologia, estava a acontecer por incorporação de novos objetos, pelo alargamento da relevância dos processos museológicos aos territórios (incorporando a ideia de ecomuseologia) e por uma inclusão das comunidades nos processos (integrando igualmente as ideias de museus de comunidade e de vizinhança).

A questão da Função Social dos Museus, que nesta recomendação da UNESCO é sublinhada como missão para os museus enfrenta, nas nossas cidades, um desafio de pesquisa que necessita de ser resolvido. Propomos avançar através da pesquisa ação de objetos experimentais constituídos por círculos museológicos em diferentes lugares para criar espaços de encontro, construir ponto e ligar pessoas. Tem como objetivo impulsionar os grupos para se aproximarem e reconhecer o Outro, de expor e receber memórias, de recriar memórias mestiças de forma a criar narrativas holísticas sobre a diversidade. Procura-se criar estes grupos a partir de pontos (cidade-mundo) que apresentem potência criativa, de forma a recriar história onde sejam visíveis memórias emergentes e integrados os significados e sentidos do Outro, valorizados os seus mitos, os seus sonhos, os seus desejos como fatores fundamentais de um percurso de transformação. Tem como objetivo criar centralidades policêntrica do universalismo da diferença com base numa racionalidade barroca mestiça. A observação dos processos de construção das narrativas sobre a diversidade cultural permitem identificar a desenvolver os processos de resiliência das comunidades e a sua capacidade de adaptação e processos de transformação intensos, que estão a ocorrer nas nossas cidades por via do uso generalizado das novas tecnologias de informação e comunicação.

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube


OpenEdition sugere que esta publicação seja citada da seguinte forma:
Pedro Pereira Leite (9 de Março de 2018). Passagens Experiências de Liberdade em espaços de transição III. Global Heritages. Recuperado em 25 de Julho de 2024 de https://doi.org/10.58079/p3gs


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.