Trabalhos a desenvolver no Projeto Heranças Globais

(Projeto efetuado em Junho de 2011)

scan0011

Os trabalhos de investigação vão centrar-se nos processos de formação da memória social e dos objetos patrimoniais socialmente qualificados como expressão das experiências das comunidades envolvidas em processos de globalização. Será efetuada uma análise das heranças das comunidades nos territórios com o objetivo de identificar os recursos mnemónicos alocados à ação de inovação e desenvolvimento. Na escolha dos espaços e comunidades para investigação será tida em conta a ocorrência de projetos de desenvolvimento local sustentável como resposta aos processos de globalização. A investigação visa analisar as experiências das comunidades a partir dos processos de produção de heranças e valorizar a dimensão social da memória para ativar a inclusão dos saberes como uma componente do seu desenvolvimento sustentado. A investigação vai criar instrumentos de ação para disponibilizar como recursos em processos e serviços a desenvolver junto de comunidades numa lógica integrada de iniciativas.

Os trabalhos de investigação são desenvolvidos através duma proposta de constituição de cinco grupos temáticos que serão observados em territórios diferenciados. Para cada grupo temático prevê-se a execução de três seminários aplicados em diferentes comunidades territoriais concretizando-se um total de 15 seminários de observação.

As problemáticas para investigação relacionam a teoria e a prática sociomuseológica com os processos de globalização. Serão abordadas as relações da museologia social com os Direitos Humanos e resolução de conflitos; a reconstrução patrimonial em situação a catástrofe natural; os fenómenos de violências, onde serão analisados problemas de comunidades afetadas por fenómenos de escravatura e discriminação racial; alterações climáticas, desertificação e despovoamento; e inclusão social, género e migrações. Um programa ambicioso que procuramos concretizar através do envolvimento das comunidades e da colaboração de redes já constituídas, a quem propomos a colaboração para execução deste trabalho.

Os trabalhos a desenvolver terão a duração de 36 meses e serão desenvolvidos em diferentes espaços. Prevê-se o desenvolvimento de ações em Portugal, na região Centro, no Alentejo e no Algarve. Em Espanha, na Andaluzia e na Extremadura, no Brasil em Salvador da Baía e São Paulo, e em Moçambique, nos antigos espaços de escravatura e na África do Sul em Joanesburgo. Como critério na escolha de escolha das comunidades a mobilizar serão fundamentais a contribuição da rede de interlocutores, que se organizam em torno de instituições universitárias e associações de desenvolvimento local, com os quais trabalhamos no âmbito de outros projetos (comunidade mineiras, museus de consciência ou de comunidade, redes de inovação social.).

Os trabalhos deverão permitir a recolha de informação original acerca de situações ou de atores em processo. A produção dos conhecimentos será obtida através do diálogo entre o investigador e os membros do grupo com base em ações partilhadas. No final serão produzidos guias ou indicações práticas para resolução em ação museológica das questões Este guias serão disseminados através duma plataforma digital a criar.

Os seminários serão desenvolvidos a partir da proposta de constituição dum “círculo de memória”, que se constitui como um o espaço de investigação e de ação. O objetivo da constituição dos grupos é criar uma situação de interação social em torno dos objetos socialmente qualificados de cada comunidade em cada território, onde, por via do diálogo, se estimulam processos de mudança e inovação social. A criação duma rede de partilha de informação permite uma monitorização sobre a evolução dos processos criados, dos seus resultados e obter uma retroação sobre a utilidade social do trabalho museológico.

A mobilização das memórias sociais e os patrimónios da comunidade como recursos para a ação social deverá permitira a consciência do sentido universal de cada particularidade. O “círculo de memória” constitui-se como uma parte dum todo onde serão fundamentalmente utilizadas ações e procedimentos e que visam favorecer a aplicação de técnicas museológicas participativas. Essas técnicas partem da aplicação das dinâmicas de grupo participativo, cuja aplicação será negociada em cada grupo através de técnicas de liderança participativa. O objetivo dessas técnicas é facilitar a emergência duma consciência crítica sobre os processos e as dinâmicas da dimensão social da memória que mobilizem a mudança e a inovação. Os procedimentos deverão permitir a abordagem dos processos museológicos enquanto instrumentos de comunicação que produzem elementos simbólicos (narrativas que recordam e se olvidam) no interior da comunidade e que se consolidem representações partilhadas pelos indivíduos enquanto objetos socialmente qualificados (como expressões do valor socialmente atribuído). Durante os seminários, os procedimentos e as ações deverão ainda ser orientados para a construção de elos de sentido socialmente qualificados como fontes das ações sociais partilhada pela comunidade.

O objetivo dos seminários deverá permitir aos participantes a reconstrução duma narrativa sobre as suas memórias e os seus territórios e permitir a emergência da consciência dos elos de pertença social como elemento de mudança. Procura-se criar uma reflexão crítica e participativa que favoreça a reconstrução das representações sobre o mundo e a consciência dos seus saberes como fundamento da construção duma proposta de ação transformadora. A observação e a participação do investigador no processo deverão permitir observar as condições de mudança, ao mesmo tempo que a recolhe e sistematiza a informação. Esse procedimento deverá ser devolvido ao grupo para criar processos de comunicação que divulguem as experiências vividas por outros grupos.

Os seminários decorrem em quatro tempos: Num primeiro tempo, criam-se as condições de sociabilidade e de interação entre os membros do grupo e negoceiam-se os objetivos. Em função dos objetivos negociados parte-se para a construção da cartografia da memória e dos patrimónios. Esta cartografia implica um diálogo com os territórios e com as narrativas pessoais e da comunidade. Ela tem como fundamento os processos patrimoniais que se radicam nas heranças. Como tal podem assumir formas de expressão plural, incluindo documentos, fotografias, danças e músicas, oralidade ou outras expressões consideradas adequadas. A cartografia permite criar um diagnóstico dos patrimónios. A partir desse diagnóstico o grupo, num segundo tempo, é convidado a problematizar os elementos recolhidos. A construção do objeto museológico implica uma operação de transformação do objeto patrimonial em objetos museológicos. Essa operação deverá permitir tomar consciência crítica da estrutura do valor desse objeto. A estrutura do valor do objeto é dada pela relação entre o objeto em si, da relação do objeto com os demais objetos que o rodeiam, e da relação que esse objeto transporta como expressão dum tempo duma comunidade.

Ao objetivar a forma da memória e dos patrimónios (material e imaterial) para fazer dela emergir os símbolos e as referências procura-se igualmente criar uma operação de descentramento do sujeito para o valor social da comunidade. Esse é o terceiro momento onde se propõe a “construção do livro das memórias a partir de imagens geradoras”. Essa construção, que pode ser a forma de livro ou outra expressão deverá Corporizar os memórias e os patrimónios. O objetivo proposto é olhar para além da matéria. Desconstruir a materialidade para reconstruir o significado. Aí podem ser aplicadas as técnicas de oratura e de expressão corporal e física, ou o “role playing”, como recursos de vivência mnemónica.

A partir da experiência da desconstrução passa-se para o quarto momento, a confrontação da utopia, onde se vai propor um processo de comunicação comum ao grupo. O processo de reconstrução das memórias tem como objetivo fazer emergir o sensível e o invisível na relação entre o significado socialmente qualificado do património e a inovação da ação social. Procurar o particular da comunidade para dar ao geral. No final processa-se a reconstrução do livro de memórias a partir da ação social e da partilha das representações do grupo com a comunidade.

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.