Arquipélagos do Saber de João Caraça III – A separação na cultura

Após o final do conflito mundial a economia e a sociedade foi influenciado pela guerra fira e pelas crises económicas. Após o crescimento dos anos 60 a crise do petróleo nos anos setenta deixou claro o peso da tecnociência. O primeiro produto desta revolução técnico-científica é conhecido como as Tecnologias de Informação e Comunicação. As tecnologias IC abriram caminho para uma tecno-economia. A economia e a sociedade estão fundadas em cima de soluções tecnológicas. A nossa geração vive com base em soluções tecnológicas.

As TIC’s levantam novos problemas para o mundo. A comunicação flui em todo o planeta. O espaço do planeta tornou-se mais fluido e pela sua conexão permanente, mais próximo. A economia tornou-se financeira e global. A tecnologia é o que permite o movimento global.

O fim da guerra fria, o fim do confronto entre dois sistemas económicos antagónicos e a abertura da China ao sistema económico capitalista, levou, nos últimos trinta anos a uma aceleração e expansão da economia tecno financeira global, ocupando todos os espaços do planeta. O conhecimento passa a estar ligado à expansão do sistema económico de mercado, centrando-se nas operações ligada ao mercado. O marketing, os métodos de design, de programação, de formação espacializada. Os serviços com forte impacto económico tomam lugar na sociedade.

A questão da separação entre cultura e natureza que acompanhou o projeto moderno está exausta. Há, paralelamente à divisão entre cultura e ciência, uma cultura científica e uma cultura da ciência social, que transporta assuas próprias culturas: a política, a comunicação social, as questões militar, a educação, as culturas do risco e da violência, a religião e as questões da autonomia individual. A cultura das ciências sociais e humanas é uma macedónia que passa muito facilmente da racionalidade para o obscurantismo. Tudo isso exige uma nova integração da cultura na sociedade. Ela está exausta no sistema capitalista (como processo regulador do sistema ética) mas é mais exigente como forma de para criar futuro,

O mundo trabalha hoje com incertezas. Sempre foia assim e os sistemas de conhecimento foram criados par lidar com essas incertezas e criar uma narrativa sobre o mundo. O conhecimento é uma forma de ordenar o mundo. As instituições foram criadas para dar corpo a essa visão.

No tempo medieval, a igreja lida com a ignorância criando a ideia do pecado e do arrependimento, fundada na confissão. A religião era hostil à diversidade. O renascimento, com as suas lutas religiosas, é um processo que põe fim ao domínio de Roma sobre a cidade.

O Estado Nação, criado nos alvores da modernidade, dá corpo ao processo de gestão da ignorância, através da criação de sistemas de educação e diplomas. O sistema é criado para favorecer a emergência do espírito crítico do conhecimento, através da análise crítica das fontes e pela instalação dum processo de criação de exames.

O Estado e os seus conflitos internos de poder acabaram por submergir nas teias de interesses e subordinar-se à lógica dos grupos de consulta. A lógica dos grupos de pressão leva a que, para atingir os objetivos definidos, se moldem as sociedades através do uso massivo da publicidade e do marketing, de forma a integrar os valores nos processos da sociedade. Mas as economias de mercado estão sujeitas a crises, e a emergência das crises leva à perda de confiança. O sistema atravessa uma profunda crise de confiança. Uma confiança geopolítica, tecno económica, e uma crise cognitiva. Temos sido conduzidos por esta separação cultural como escolares e deixamo-nos embrulhar nesta teia narrativa. Essa imersão não nos deixa olhar para a complexidade.

Vivemos num mundo de complexidade e somos produto dessa complexidade. Todos os grandes desafios que hoje enfrentamos são desafios da complexidade. Os desafios ambientais e os desafios da vida e da morte. Os desafios de gestão das cidades moderna, mais complexas por natureza, os desafios das organizações sociais e da inovação, que lidam com a complexidade.

A complexidade resulta de compreender a impossibilidade de separar um sistema do seu contexto. Um ser vivo depende do ambiente onde vive. Um objeto depende do instrumento que o mede. A separação entre cultura e natureza desaparece na complexidade, pois na verdade todos os sistemas são sistemas abertos, em determinado ponto de equilíbrio instável.

O aparelho conceptual herdado do século XIX, seja do determinismo (a conservação da informação) seja do reducionismo (recurso à linguagem matemática), seja ainda do dualismo (a independência do observador), é muito redutor para representar a realidade.

O trabalho humano, mecânico tende a ser substituído pela máquina. As máquinas fazem o que as tenologias de informação e comunicação lhe indicam para fazer. As sociedades tecnológicas atrapalham a organização política herdada do século XIX. As sociedades avançadas tendem a aproveitas as inovações tecnológicas para explorar os sistemas de inovação criados pela ciência. Essas situações tendem a ser limitadas pelas estruturas sociais e políticas que administram os poderes.

Como avançar para um novo paradigma epistémico que implique uma unificação entre ciência e cultura. Como ultrapassar o paradigma moderno do progresso com base no domínio sobre a natureza?

Como é que os valores se alteraram. Há hoje quatro crises cognitivas, todas enraizadas em valores criados pela modernidade: Uma crise da natureza, uma crise da ciência, uma crise universal e uma crise de soberania. Para cada uma destas crises há um novo conceito. O ambiente, o conhecimento (como economia do conhecimento), o global e a governação.

O ambiente tende a substituir o cenário da Natureza, tal como foi descrita na modernidade, como cenário e recurso a ser usado, eterno e inesgotável. O ambiente traduz a ideia de limite e regulação dos sistemas que interagem no planeta e no planeta como sistema global. O ambiente deixou de ser um cenário e constitui-se como uma representação. Não há um autor (Deus) nem uma história que esteja fora da narrativa dos seus atores. O futuro tem estado a ser construído como uma angústia pela consciência da sua finitude.

O conceito conhecimento tem vindo a ser redefinido como um conjunto de domínios ou campos (o direito, a organização, o marketing, o design, a programação, a formação) que aliado à tecnociência procura perpetuar os benefícios e o sucesso dos serviços da nova economia no mundo globalizado. A ciência tem vindo a ser substituída nos documentos políticos como uma unidade e tem-se transformado em “economia do conhecimento”. Se durante três séculos a ciência era o pilar da visão do mundo moderno e o critério da busca da verdade.

Cultivar ou Desenvolver a cultura favorece a função construtiva do erro e da objeção. A discussão é um dos pilares da cidadania. A ciência oferecia uma visão de durabilidade e consistência. O novo conceito de conhecimento torna-se vassalo dos mercados e do funcionamento do quotidiano. O mercado é muito dinâmico na mudança, mas esquece os objetivos na longa duração. Na sua voragem pelo lucro económico transporte uma visão curta do tempo, e por consequência sobre duma miopia. O sentimento do imediatismo é total.

A ideia de global, pelo seu lado, tomou conta da ideia de universal. Durante vários séculos, a ideia de universal transportava um conceito de imutabilidade e sacralidade. Os direitos universais são permanentes, sagrados e eterno. O Estado funda-se sobre esses valores e o império da lei institui a sua regulação. O progresso social está alicerçado nas lutas políticas da modernidade para constituição de estados nação baseados na separação dos poderes reguladores, poderes que se limitam mutuamente, e que permitem a ideia de Estado social. O Estado tem por base o exercício da cidadania. A globalização introduz uma perversidade nesta lógica. A lógica de que os direitos estão adquiridos. A ideia de que há espaços no mundo sem que os direitos de cidadania estão consolidados, leva a que o sistema económico procura ganhar vantagens el lugares não regulados, criando uma visão que a cidadania implica também uma competição dos cidadãos pelo seu lugar nos mercados. A negociação sistemática, a busca do lucro e a concorrência permanente conduziu a que os humanos de transformassem em recursos duma economia. Como recursos podem ser reciclados (através das aprendizagens ao longo da vida), cada vez em que perdem valor como ativos. O mundo global tornou-se numa sela informática onde a opressão ganha força.

A governança tomou conta da soberania. Durante séculos os Estados (como equilíbrio de poderes) foram pedrar angulares da ordem estabelecida em Vestefália. A ordem do mundo e da Europa foi regulada por este tratado. Foi exportada para todo o mundo. Os governos eram os representantes legítimos dos Estados, e regulavam entre si os poderes, não interferindo nos negócios internos dos estados.

A globalização dos mercados altera a lógica da negociação. A retórica do liberalismo, da desregulação dos mercados, da privatização da economia, levou a uma retirada do Estado da economia. Isso abriu um novo campo para novos atores na esfera das relações internacionais. Atores não sujeitos às soberanias nacionais, não eleitos. As grandes companhias ganharam relevância e permitiram submeter atores políticos às suas lógicas empresariais. Quem governa e quem toma decisões relevantes nos dias de hoje. A questão do processo de governo é hoje uma questão incontornável em todos os domínios das vidas dos países e ameaçam as vidas das instituições e indivíduos.

O declínio dos valores da natureza, da ciência, da universalidade e da soberania, sobre os quais se alicerça a modernidade ocidental criar um sentimento de angústia e de medo no ocidente. Foi substituído pelo valor do mercado. A única certeza autorizada é a lei do mercado. As campanhas de marketing forçam a tomada de decisão e evita-se o debate público. A proeminência do capital financeiro procura atingir a lógica da acumulação infinita.

A finaciarização de todos os domínios da vida económica. A crise de 2008 mostrou que, tal como Ícaro, os seus limites são visíveis. Há que procurar hoje alternativas. O problema é que não há construção de futuro. Pela primeira vez, desde há séculos, o ocidente, herdeiro da igreja medieval, que criou a ideia de omnipotência e do poder divino, deixou de ter uma ideia de futuro. Deixou de confiar nas suas ações no seu olhar sobre o mundo, nas suas narrativas. O futuro foi privatizado.

Será que é possível criar um futuro na Europa. Será essa Europa multipolar. Qual será a relação dos europeus com os americanos. E a questão inglesa, como será resolvida.

A modernidade construiu uma narrativa sobre o futuro, com base na ciência. Que narrativa será construída no século XXI. Será certamente uma nova ciência e uma nova educação.

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.