Arquipélagos do Saber II -de João Caraça – A Linha fratal

A cultura da separação – a linha abissal

A dinâmica intelectual da modernidade permite entender o potencial dfenómeno da separação (da disjunção) como método de análise dos fenómenos da natureza. Nasce assim uma nova cultura. Uma cultura crítica que segue o caminho de bases empírica. Que permite, pouco a pouco validar os novos conhecimentos que chegam à Europa, as notícias de novas terras e novos povos.

A velha ordem do mundo perde lugar, para uma nova visão do mundo. A visão geométrica do mundo de ordem da simetria e regularidades vai constituir a base do conhecimento empírico da busca das permanências (das leis naturais). As leis são permanentes e absolutas. Descrevem o comportamento dos corpos no universos, desde a noite dos tempos até á eternidade. A linguagem da matemática emerge como a linguagem natural da ciência. A linguagem da matemática, defendida por Galileu, separa a linguagem natural, da Bíblia, da linguagem científica. A ciência ganha objetividade pelo uso dos instrumentos científicos e pela publicação dos resultados e das medições obtidas, que permite a verificação por todos, usando as mesmas condições.

O movimento da Reforma e a emergência das nações protestantes, com as igrejas a separarem-se das forças seculares, permite separar a atividade económica, o comércio alimentado pelas navegações oceânicas, das atividades do espírito.

A esfera pública separa-se da esfera do privado. O domínio público é urbano e na cidades a a vida publica e provada diferencia-se da vida agrária. A cidades renascentistas são lugares de modernidade. A modernidade cria academias, onde se aprende e se troca conhecimentos. A academia é o lugar de encontro. A cidade é um produto da geometria. No século XIX Cézanne ainda afirma que tudo o que se passa na cidade cabe no modelo co cone, da esfera e do cilindro.

 

A modernidade é o tempo da ciência, do triunfo do comércio, da navegação, do poder militar, dos sistema financeiro, da vida privada. O confronto entre o publico e o provado, entre o sujeito que conhece e o objeto que é conhecido, está também expresso na separação entre filosofia e teologia. Na filosofia dá-se prioridade à análise do objeto empírico da realidade.

A autoridade milenar da religião foi confrontada na sua essência na busca de verdade. A busca da verdade deixa de ser revelada pela bíblia, mas passa a ser intuída pelo pensamento filosófico. A separação entre filosofia natural de onde nasce a ciência ou história natural e a filosofia também acontece. A ciência segue o caminho da teorização, com base na observação do objeto empírico, repetida e verificável. Opõe-se à metafísica, enquanto processo de contrução dedutiva de preposições verdadeiras, agora remetidas para um conhecimento especulativo, impróprio de se constituir com preposições verdadeiras.

A separação entre ciência natural e as ciência humanas ou as humanidades é uma realidade. A ciência, vista como um conjunto de conhecimentos que se acumulam e avançam permitindo novas descobertas, contagia o pensamento humanístico, que passa também a procurar as regularidades e as simetrias nos processos sociais. A ciência criada como física (para Galileu a física era a mecânica) leva um novo pensamento.

A matemática, até ao século XVI mostra a relação do conhecimento com a natureza. A aritmética é a o exercício do cálculo dos númenros, e a geometria o estudo das formas e das medidas. A harmonia é estudada na música, e a posição dos corpos celestas, estudado pela astronomia.

Estas artes forma responsáveis pela emergência da engenharia, pela arte da guerra e pelas navegações. A física (mecânica) era a linguagem da natureza. quem poderia por em causa o avanço da ciência e o seu dom+inio do mundo pelos europeus.

A dissociação (separação) entre espaço e tempo, permite conceber um novo mundo. O mundo central mediterrâneo, é substituído por um mundo global, dominado pela ciência que entende e domina a linguagem da natureza. As organizações sociais acompanham o desenvolvimento destas noções. A riquessa criada na economia pelo comércio, alimenta a confienaça na ciência e na produção de máquinas. A relevância da tecnologia representa o triunfo da ciência.

A revolução industrial começa por ser uma revolução nas tecnologias, permitida pela construção de novas máquinas que ampliam os movimentos mecânicos. O domínio do espaço acompanha o domínio do mercado. O mercado dá consistência a território nações. Cidades-estado e cidades nações com base nos mercados. A modernidade permite o capitalismo desenvolver-se. O poder na sociedade está na propriedade dos meios de produção, e na apropriação da riqueza que esses meios produzem. A cumulação de capital é infinita. A acumulação não +e limitada nem pelos recursos nem pela ignorância. O capital dispõe de um mundo para dominar e duma forma de conhecimento que permite resolver os problemas com que se defronta. A empresa e a ciência alimentaram o motor do capitalismo. A pesquisa científica foi progressivamente desmatralizando o dinheiro em valor. A regulação inter estados é um sistema que permite regular as trocas entre sistemas económicos.

O crescimento do sistema económico avança com novas separação. À medida em que a economia de mercado toma conta do mundo, a economia e sociedade afastam-se. Se a sociedade reflete as relações sociais, onde as relações económicas se concretizam. A sepração entre economia e sociedade dá origem à um novo conceito o de trabalho. Nas sociedades tradicionais, o trabalho é coletivos, no capitaismo o trabalho é uma mercadoria.

Apesar de tudo, o sistema capitalista esta sujeito a crises cíclicas, crises de ajustamentos estruturais devido à transformações relevantes nas infra-estruturas de produção. As alterações de infraestruturas são investimentos pesados e implica adaptações a novas condições de produção.

As alterações tecnológicas tem vindo a produzir crises sucessivas. Em 1830 a máquina hidráulica passa a máquina a vapor. Em 1880 surge a eletrificação, que permite uma produção em grande escala. Em 1930 emerge o petróleo, que dá origem aos processos de produção em massa. Em 1980 a informatização. São alterações sucessivas em cada duas gerações. A nova vaga de transfrormação será porvavelmente nos anos 2030.

A questão que vale a pena pensar é como é que o sistemas capitaliste se regula através do sistema interestatal. A globalização versus protação. A cumulação de capital em vários centros mundiais. A questão será resolvida na dinâmica de poderes. As quatros gerações tencológicas deram origem a crisses que originaram novos poderes onde novas configurações emergiram.

Da guerra dos trinta anos – entre 1610, A guerra da sucessão em Espanha, em 1710, as guerra napoleónicas em 1810, em 1910 as guerra mundiais. Será que há atualmente guerras do petróleo  ?(2010).

A cultura da separação permitiu criar uma grande riqueza no mundo. No final do século XIX 4 valores resumem o triunfo da cultura da modernidade: a natureza como recursos inesgotáveis susceptiíveis de serem apropriados e transformados pela ciência). A ciência, como único caminho para a verdade, a universalidade (eurocentrismo) como conjunto de valores e perceções que os povos europeus se acham com direito de impor ao mundo, e a soberania onde cada Estado é visto com parte dum átomo, indivisível que compõe o sistema inter estatal. O século XX impõe esta hegemonia euro-atlântica.

Õ atual sistema é sistema de tecnociência. A sociedade depende da tecnologia e a tecnociência infliencia a economia. A sociedade perdeu a su inocência.



Citar este post
Pedro Pereira Leite (2018, 9 Fevereiro). Arquipélagos do Saber II -de João Caraça – A Linha fratal. Global Heritages. Recuperado em 29 de Maio de 2024, de https://doi.org/10.58079/p3fz

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.