Pensamento Global e Complexidade

A partir da conferência de Edgar Morin (2016) Pensée complexe et pensée globale. Paris, FCG.

O propósito das conferências da Gulbenkian[1] é questionar os usos do futuro como ferramenta para compreender o presente. Olhar para os momentos em que vivemos, onde agimos e sobre o que pensamos, para pensarmos sobre o que decidimos. O presente escapa-nos a cada instante. Para trás, o passado, deixa-nos os sonhos que tivemos. Aqueles que conseguiram sonhar. O caminho, á medida em que os anos passam vão-se estreitando. Mas mesmo assim temos que continuar a sonhar para avaliarmos o que fazemos e pensar, ou sonhar sobre que futuros queremos.

Edgar Morin deixa-nos neste pequena conferencia a sua proposta sobre o problema sobre o que o Pensamento Global[2]. Apresenta seis conferências. A primeira sobre o Universo, seguindo-se a Evolução, a Historia, a Globalização, o Futuro e finalmente o problema do Pensamento global.

Pensamento global o que é?

O pensamento global, trabalha sobre a complexidade e o reducionismo. O problema do todo e das partes. Procurar conhecer as partes do todo é um conhecimento parcelar, sendo que o todo é sempre maior do que a soma das partes.

O conhecimento tem sido acedido através das suas partes. Divide-se o real em parcelas que são estudadas como unidades. O renascimento dividiu a filosofia em história e história natural. A natureza foi dissecada pelas várias disciplinas.

Edgar Morin advoga um pensamento holista. Holista vem do todo. De certa forma o holismo também reduz o conhecimento a um todo. Ora, como bem sabemos o conhecimento tem partes e que se juntam num todo e que interagem. É sobre as interlucções entre as partes e o todo que o pensamento global atual.

Na sociedade, na cultura, sabemos que existem partes, os indivíduos e o todo que é a sociedade. Ou seja, para conhecer o social é necessário conhecer um elemento, o individuo, e é necessário conhecer a forma como esse elemento se comporta num dado contexto. Como um individou interage com outros em situação. Conhecer o comportamento do individuo tem assim três componentes que ocorrem. Em função da sua natureza individual, como conjunto de indivíduos em relação, e nos processos de adaptação que vão ocorrendo em função do fluir da interação. Na teori dos sistemas esta adaptação chama-se a retroação do sistema. E é o que permite as adaptações dos sistemas.

Por isso, no conhecimento do social, é necessário aplicar um procedimentos de tradução. Um procedimento de tradução é necessário, por um lado identificar as linhas de força dos fluxos que ocorrem e ao mesmo tempo é necessário interrogar o contexto em que ocorrem.

Na teoria do sistema, as diferentes partes desse sistema atuam em conjunto. São partes diferentes que atuam em conjunto. A complexidade do sistema é o grau de variação que esse sistema pode comportar. Ou seja é um grau de variabilidade de cada unidade que atuam, influenciando as outras, mantendo as características gerais do sistema. Isto é que ele se mantena em equilíbrio.

Um sistema comporta assim a unidade e a diversidade. A unidade é o sistema, e a diversidade são as diferentes partes desse sistema, que atuam influenciando esse sistema, ou que se colocam à sua margem, criando enteropia.

O pensamento complexo é fácil de entender quando pensamos sobre o palneta. Aí podemos aplicar o pensamento complexo analisando as pequenas partes do todo e o todo em contexto. Por exemplo. H2O é o símbolo químico da água. A água (H2O) é diferente do Oxigénio e do Hidrogénio vistos isoladamente. Durante anos, esta problemática serviu como campo de discussão entre o vitalismo[3] e reducionismo[4] alimentando as discussões entre a aura e a alma, entre a matéria e a química.

Nos dias de hoje sabemos que as moléculas comunicam e reproduzem-se. Agem universo, seguindo as suas regras, que são diferentes dos seres vivos (seres complexos). A vida mão é algo que seja uma substância, mas é um processo ou qualidade de organização de moléculas e proteínas, onde através das suas características básicas, criam outros níveis de.

E o que é então um sistema social?

É um conjunto de indivíduos que interagem uns com os outros. A interação é o processo de comunicação, que levam a que sejam criadas linguagens que suportam os processos de comunicação. A cultura constitui-se como processos de comunicação de dão origem a formas de organizaç~ºao ou estados de sociedades. O Estado é uma forma de organização social que se constituti também através de processos de comunicação.

O sistema social também é alvo de retroação. A educação é uma forma de introduzis retroação no sistema social. A educação pode ser defenida como um processo que tem como objetivo transmitir um conjunto mínimos de conhecimentos ao máximo número de indivíduos para que eles possam agir na sociedade. Os elementos educativos, os conteúdos, dão condições de agir no ambiente.

O seja, na teoria da complexidade, tudo é simultaneamente mais do que as somas das partes do todo, e o todo é mais do que as suas partes.

Os sistemas ajustam-se pela sua retroação. A retroação num sistema pode ser positiva ou negativa, tal como formulou o pai da teoria dos sistemas ou a cibernética: Norbert Wiener[5] A função da retroação negativa é a de reprimir os desvios, atuando para que o sistema volte ao estado de equilíbrio. Por seu lado a retroação positiva é a chamada Crise. A crise é uma possibilidade de transformação. Perenta uma dado problema, um sistema deixa de funcionar no seu estado anterior. Perde o equilíbrio e para continuar a funcional, ou elemina a perturbação ou avança para algo mais complexo.

Nos processos naturais uma crise leva normalmente à eliminação do corpo. Na sociedade, uma crise é normalmente a oportunidade de dar origem a algo de novo. Ora os sintomas de crises estão presentes em todos os sistemas. Por vezes são apenas fluxos frágeis que ao longo do tempo de vão tornando potentes. Da tensão entre a estabilidade e adaptação pode-se fazer uma leitura dos processos que influenciam os sistemas.

A crise, neste sentido que lhe é dada peloa teoria dos sitemas, é hoje entendida de outra forma, em diferentas áreas do conhecimento. Mas todos sabemos, por exemplos da história, que após uma crise há uma evoluçºao. É necessário que haja uma alteração da estabilidade para que novas formas surgam. E dessa alteração de formas, há sempre uns que perdem e outros que ganham dependendo de que lado se colocam.

Em todos os sistemas há uma organização onde todos os elementos desempenham alguma capacidade e dispõem de uma auto organização. Cada elementos dispõe de uma dada capacidade de autonomia. Mas nos sistemas a autonomia, das partes e do todo, tem como limite o ambiente em que o sistema se processa. Todos os sistemas necessitam, por exemplo de energia exterior. Todos os seres necessitam de procurar alimento, de estar aquecidos, de ter acesso a água. Os seres humanos necessitam de estar em comunicação com os outros. Nos sistemas há uma eco-organização que relaciona a capacidades de adaptação com a necessária dependência no ambiente.

O pensamento complexo permite entender que esta eco-organização, na análise da condição humana, é trinitária. Isto é somos, nós, são os outros e e somos a natureza.

Por essa razão a relação entre o indivíduo a natureza e a sociedade implica uma complexidade superior ao que os nossos sociólogos inicialmente pesnsavam, quando procuravam as lei gerais da sociedade. Hoje não faz sentido, não só fragmentar a natureza e a cultura, como também não faz sentido fragmentar a cultura e a psiché. Isto é a relação que cada individuo tem coma sua parte biológica e social, bem como a interação entre a sociedade em contexto, através dos processos de comunicação nas suas diferentes dimensões.

Para o pensamento complexo cada parte da unidade tem o todo e o todo está em toda a parte de cada parte. Cada parte do todo comunica de diferentes formas. O pensamento complexo representa-se como um holograma do ser.

Para responder à questão do global e do local, no pensamento complexo verifica-se que o global está no local e no local está também o global. Nós como seres humanos somos simultaneamente permanência (ADN) e fragilidade (Proteína). A proteína não se reproduz, tem que ser procurada no ambiente. Essa é uma essência da vida dos seres. Há uma complementaridade no sistema.

Os sistemas é uma um complementaridade e um antagonismo. É simultaneamente o que é a sua negação. Esse é o terreno dos trabalho sobre a complexidade: o de trabalhar com complementaridades e antagonismos. Com tensões e fissura.

O complexo e o global.

A questão da complexidade implica um pensamento global. Sendo que o global está em todo o lugar, o local é também complexo. Através do pensamento complexo é possível trabalhar com as incertezas e as probabilidades..

Os acontecimentos do presente são expressão duma realidade que nao está expressa em conhecimento. São fluxos de informações que se formaram num passado, que chegaram até nós numa forma. Para os comprrender, temos as análises que forma feitas sobre fluxos de eventos no passado, Há sempre uma certa incompletude no conhecimento do presente, sendo que é um conhecimento complexo, tendo ao parta do todo, ainda que o todo, seja no presente um probabilidade de futuro.

Do conhecimento complexo diz-se que é como o pássaro de Minerva levanta voo ao crepúsculo, como disse Hegel. É um pássaro do desejo que chega tarde, quando já o acontecimento está a terminar.

De certa forma, o pensamento complexo é por definição um pensamento incompleto. O seu problema não é o de resolver a incerteza mas incorpora-la pelo seu reconhecimento do mundo. Nós não sabemos tudo o que se passa. Mas isso é o o que se passa. Toda a ação comprte uma incerteza e todo o conhecimento é incerto. É dessa incerteza que criamos o novo conhecimento. O novo é uma consciência da incerteza.

De certa forma todo o conhecimento, incluindo a perceção, e uma tradução do real, seguida duma reconstrução. Envolve a construção duma narrativa. O conhecimento é nesse sentido imperfeito, porque é feito de interpretação e reconstrução. Pode ter erros, lacunas, mas, mesmo sem erros e sem lacunas é sempre imperfeito. Estamos, no pensamento complexo, condenado a interpretar. O exercício da hermenêutica é indispensável.

O objeto do conhecimento é sempre construído no Cérbero, pelo Espírito e pela experiencia dos contextos vividos. O processo científico é notável a definir objetos exteriores, mas é muito frágil a dizer algo sobre quem e o sujeito do conhecimento. Por isso o pensamento complexo tem a ganhar com a proposta da intesubjetividade, que lhe permite reduzir aumentar a conhecimento das probabilidades e reduzir as pluralidades de vontades, concenteando em vontades gerais.

No seculo XVIII a ciência evita o juízo moral. Nos dias de hoje, o juízo moral é importante para entender a ilusão do conhecimento. O neo-liberalismo na economia será uma ilusão ou um erro. Mais do que um erro, parece ser mais uma ilusão, de que através do mercado, se resolvem os problemas sociais e do conhecimento. É necessário refletir sobre as nossas ilusões.

Em conclusão

O pensamento global é a capacidade de voltar ao conhecimento acumulado na busca do global e do sujeito que conhece. Isso implica um novo paradigma. Um paradigma que se opõe ao sintagma.

No paradigma escolhemos as palavras para a frase. No sintagma é a função da palavra na corrente sintática das palavras e da frase que se joga a escolha. O pensamento complexo é um paradigma que observa os sintagmas, redes de relações que se validam pela sua posição numa narrativa, que se constitui como paradigma.

É no princípio que decide para onde se vai. Se decidimos se vivemos debaixo dum princípio diretor de separação de elementos e redução de elementos, ou se trabalhamos a partir das disjunções. No paradigma da complexidade, escolhemos o pensamento global.

No pensamento global o ser humano é visto como incompletude. Está incompleto e necessita de se aperfeiçoar pela práticas. O medo e o fanatismo podem conduzir às grandes cisões políticas. A angústia faz renascer os tormentos. Para combater a angustia e o medo, o pensamento global tem que construir instrumentos de conhecimento que permitam confrontar a complexidade com a experiência.

Os instrumentos do pensamento complexo é o desenvolvimento da auto-reflexão, a auto-crítica e o auto-exame. É a partir da expereincia, dos resultados da experiencia que se prossegue.

[1] htps://gulbenkian.pt/paris/pt-pt/conferencias/conferencias-passadas/?events-range=past

[2] https://www.fronteiras.com/entrevistas/entrevista-edgar-morin-e-preciso-educar-os-educadores

[3] Vitalismo defende que os organismos vivos são fundamentalmente diferentes dos objetos inanimados por conterem algum elemento metafísico ou por serem governados por diferentes princípios desses objetos.Nos casos em que o vitalismo refere explicitamente esse princípio vital, geralmente dá-lhe o nome de “energia vital” ou energia criadora, um conceito semelhante ao da alma. Nos séculos XVIII e XIX, o vitalismo era tema de discussão entre os biólogos, divididos entre os que acreditavam que as leis da mecânica ou da física acabariam por explicar a diferença entre vida ou não vida, e os que acreditavam que a vida não poderia ser reduzida a processos mecânicos. Estes últimos, os biólogos vitalistas, chegaram a propor hipóteses testáveis com o objetivo de demonstrar que as explicações mecânicas eram insuficientes, mas estas experiências não conseguiram demonstrar a existência do vitalismo. Desde o início do século XX que os biólogos consideram o vitalismo refutado por evidências empíricas, pelo que o enquadram no campo da religião.

[4] Reducionismo, em filosofia, é o nome dado a teorias correlatas que afirmam, grosso modo, que objetos, fenômenos, teorias e significados complexos podem ser sempre reduzidos, ou seja, expressos em unidades diferentes, a fim de explicá-los em suas partes constituintes mais simples.

[5] https://pt.wikipedia.org/wiki/Norbert_Wiener



Citar este post
Pedro Pereira Leite (2018, 3 Fevereiro). Pensamento Global e Complexidade. Global Heritages. Recuperado em 23 de Junho de 2024, de https://doi.org/10.58079/p3ft

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.