Comunicação em Rede e crise dos Sistemas de Representação

Na sua relação com os movimentos sociais, a comunicação foi adotando diferentes modelos ao longo da história: Na idade média, os movimentos milenaristas usavam as prédicas e os sermões para influenciar os grupos. Com a criação de imprensa, panfleto e jornais começaram as ser impressos como formas de divulgação de mensagens, por vezes associados a discurso em comícios ou assembleias. De um modo ou outro, ao longo do século XIX, os movimentos sociais foram usando a imprensa para divulgar a sua mensagem política e social.

A grande alteração que surge no século XX na comunicação emerge sobretudo pela Internet. Os novos media, foram usados. As rádios foram um importante instrumento de comunicação. Tinham, normalmente, tal como as tipografias, o problema da possibilidade de localização pelos aparelhos repressivos, caso as emissões não fossem toleradas pelos sistemas institucionais. No entanto, era sempre possível criar alguma mobilidade que permitisse ir despistando as origens das fontes de emissão ou casas de imprensa. Os movimentos sociais estão fortemente ligados à ampliação da sua mensagem através dos meios de comunicação

Com as televisões, o fenómeno comunicacional não gerou, de forma imediata, grandes conexões com os movimentos sociais. Os elevados recursos necessários para emissões de TV, inibiram de forma sistemática o seu uso direto pelos movimentos sociais. É no entanto necessário não esquecer que através da televisão pesavam muitas mensagens de natureza cultural, que deram origem ou incentivaram a movimentos sociais. Ampliaram as mensagens, se quisermos. Fenómenos de moda, da música e festivais são um claro exemplo disso. Não foi por acaso que os sistemas repressivos exercem, ainda hoje, uma apertada vigilância sobre os conteúdos de comunicação de massa. O objetivo é naturalmente impedir a difusão de conteúdos de insurgência e rebeldia, seja política, seja em muitos casos de costumes.

A parti dos anos oitenta, a revolução da telemática, dos computadores e da comunicação pela Internet, introduz um elemento novo. Hoje, os movimentos sociais comunicam em rede pela internet. Usam de forma alargada para os mais diversos fins, com as mais variadas configurações e propósitos. Os fins continuam os mesmo, o meio ou canal é que é novo, permitindo ampliar, se usado com eficiência o universo dos destinatários das mensagens. Ao mesmo tempo, a sua versatilidade também permite uma comunicação dialógica em temçpo curso. Isto é uma mensagem emitida, instantaneamente todo o mundo e pode ter, de imediato um retorno ou um feed-back. Dado a facilidade de acesso a equipamentos e esta versatilidade, a Internet aumentou o potencia de uso da comunicação pelo movimentos sociais.

A questão do movimento social e da ação coletiva

Um movimento social é um grupo de ação coletiva, que se exprime através de ações numa dada sociedade. As sociedades dispõem de instituições, políticas ou não, onde os movimentos sociais se podem exprimir. Quando não existem este tipos de instituições, ou quando as instituições procura impedir ou dificultar as expressões dos movimentos sociais, pode emergir um enfrentamento. Um enfrentamento social é um confronto entre valores de atores sociais. Entre valores que são dominantes e que se tentam manter, e novos valores, provisoriamente minoritários, e que podem ou não ir ganhando relevância na sociedade, seja em função de novos desejos que emergem, seja através da adequação a novos valores que vão ampliando os adeptos ou defensores.

Quando as instituições se tornam surdas à sociedade, o movimento de ação coletiva enfrenta a instituição.  Nas sociedades democráticas, as instituições dispõem de capacidades de dialogar como os novos valores, e muitas vezes vão acolhendo alterações que vão dando respostas aos novos valores emergente na sociedade. Os atores atuam em espaços delimitados e organizam-se a partir de iniciativas na sociedade, usando os instrumentos e modelos de comunicação, de forma mais ou menos eficiente.

Estarão as atuais instituições a conseguir discutir a mudança?

Esta é a questão que Manuel Castells levanta, a partir da análise aos atuais movimentos sociais. De acordo como a sua análise, este novo tipo de movimentos sociais, que usa de forma muito hábil as novas redes de comunicação, estão a atuar fora dos quadros institucionais. Constituem-se como movimentos rebeldes.

Contudo, esta nova rebeldia, ao contrário dos movimentos políticos do final do século XX, que lutavam por sistemas políticos democráticos, não tem uma unidade de ação nem princípios agregadores. Tem demonstrado uma grande capacidade de se agregaram, em momentos concretos, mas não se apresentam, em regra, como um modelo social alternativo. Como é que esta diversidade de iniciativas rebeldes comunica entre si, para se agregar e estabelecer pontos de convergência mínimos.

Muitos destes movimentos sociais lutam por causas da cultura e pela dignidade humana, por assim dizer. Neles convergem aspirações políticas, de género, de etnicidades, procupaçºoes ambientais, filosóficas e mesmo religiosas.

O que os levam a agrar, como Manuel Castells defende, é o medo e a revolta. O medo e a revolta, que são campos da dignidade Humana virem substituir as luras pela igualdade e pelas formas de distribuição das riquezas na sociedade. A igualdade foi substituída pela equidade e a solidariedade foi substituída pela dignidade humana. As lutas pelo desenvolvimento foram confrontadas pelos limites do desenvolvimento, e o ambiente passou a exigir a ideia de sustentabilidade. Se olharmos para esta diversidade de movimentos sociais, que em torno destas bandeiras se agregam, podemos verificar que não dispõem dum elemento aglutinador. Querem tudo, mas não tem uma só bandeira. Transportam uma lista de ideias.

Esta listas de ideias é que está a evidenciar os bloqueios das instituições de e representação. Instituições criadas no final de guerras políticas e religiosas na Europa, que se expandiram como modelo para o mundo, e que hoje vacilam em dar espaço de prepresentação à exigência de participação.

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.