Estética da arte e antropologia complexa

Notas de Leitura da conferência de Edgar Morin (2016).

L’esthétique et l’art du point de vue d’une anthropologie complexe” em Fundação Calouste Gulbenkian, Paris.

Estética como sentimento.

A estética pode ser vista como uma “Aisthesis”. Como um ato de fruição, como uma sensação.

Se a poésis representa o ato criativo, a aisthesis, representa na antiga filosofia grega o  sentimento, situação prévia à qual, por via da nóésia a Padeia se concretiza. Padeia como metamorfose.

A abordagem de Morin, situa-se portante sobre o trabalho da sensação na estética. Qual o sentimento produzido pela forma, pela cor, pelo som. na formação das ideias complexas.

A poesia e a leitura de poemas produz um sentimento de prazer. O que é este sentimento de prazer ou plenitude.

O Prazer de fruição que produz um estado de felicidade é normalmente suscitado pelo dado espectáculo, seja ele duma obra humana ou da natureza. A assistência a um espectáculo, a participação numa tertúlia, a contemplação duma obra, duma paisagem ou dum museu.

As sociedades ocidentais, a partir do renascimento romperam com a integralidade do objeto. Isso é visível nas obras de Fra Angélico, onde a forma e o conteudo se separam. Isso permitirá, mias tarde, no século XVI a emergência de coleções. A história dos conflitos e das lutas pelos tesouros e símbolos de poder se encarregará de fazer emergir os museus como instituições de objetos, despojados das suas funções sociais, através da valorização das funções estéticas.

No ´seculo XIX, e no Século XX  a chamada “arte africana” e o modernismo são um bom exemplo para compreender a ruptura de narrativas entre o simbolismo mágico e a estética. Ainda que a estética seja simbólica, os objectos sacros, por assim dizer transportam um significado que só se pode concretizar num dado contexto, que se constitui como o processo, onde um determinado ritual é desenvolvido no seio duma determinda comunidade.

Na arte africana que a partir do século XX cada vez mais é apreciada nos salões cosmopolitas da Europa. é possível compreender esta esteticização da arte negra. os objetos de arte africana que chegaram à Europa perderam as suas funções mas permanecem como obras estéticas.

Sobre isso já escrevi em 2015 em “Os Processos patrimoniais em África”

Aqui apenas nos interesse detalhar a questão do que poderemos considerar como “A recuperação da estética no século XXI”

A questão da separação das funções sociais e  estéticas. dos objetos criaram uma interessante questão no século XX. Um dado obejeto, ao ser sacralizado num museu adquire um valor patrimonial que lhe advém de diversas características, nomeadamente singularidade, originalidade, valor social e naturalmente o seu valor estético.

Ora nesta relação entre estética e cultura levanta-se o problema da unidade na diversidade. Isto é a beleza dum objeto não existe fora duma dada cultura. É dentro dessa cultura que são estabelecidos os valores de beleza individual, em relação ao valores estéticos gerais. Assim um objeto considerado belo numa dada cultura, pode não o ser, numa outra cultura.

O cosmopolitismo ocidental compreendeu esta questão quando, a partir do século XX, sobretudo a partir do surrealismo inicia a exaltação da feiura como espelho social, tornado a questão da beleza na questão central da estética. É o espanto que se cria no individuo que se refletem as normas sociais do belo.

A ocidentalidade criar a consciência que a beleza é uma expressão  cultural, que a beleza existe na diversidades, e que se relfete, como fenómeno social através dos indivíduos que são portadores de normas. Isso levanta a velha questão da essência da beleza. Haverá uma beleza universal dentro das belezas particulares (como expressão da ideia divina como se pensava na teologia) ou cada beleza e própria duma cultura, e portanto independente como fenómeno social.

A questão da feiura como questão central da estética ocidental conduz, de carta forma a exaltação do  individual e da constante procura do novo. A renovação constante da estética e da experiência da beleza é feita pela constante renovação dos objetos.

A individualização pela estética e o sentimento estético.

O processo da individualização das práticas sociais através da experiências sobre os objetos tem no sentimento estético um fundamento. Por exemplo, as cores são um processo de diferenciação, mas ao mesmo tempo de indiferenciado. Por exemplo as riscas duma zebras são simultaneamente uma camuflagem ou uma identidade.

Há duas questões que se podem colocar quando olhamos para a formação do sentimento estético: Que respostas dar à exuberâncias da forma como vontade de criação ? E, uma segunda questão é perguntar se há uma continuidade entre a arte e a natureza?

 

No campo a formação de sentimento é importante pensar na festa com promoção do estado poético. Há uma poética na estética que antecede a aesthesis antes de noésis. Assim, a poética é uma forma que se opõe ao prosaico. A procura do excesso é uma procura poética e uma busca da construção duma sensação estética.

Também sobre esta questão já escrevemos em “Excessos e Museologia Nómada” sendo que a situação de excesso favorece emergência da  sensação poética.

O papela da arte na criação da emoção étética foi possível de verificar  no processo de separação entre a arte e religião no  quatrocento, com  Fra Angelico e  Giotto. Há como que uma licização da Beleza. a imagem separa-se do seu conteúdo sagrado, torna-se humana. com ela torna-se também possível fazer “a arte pela arte” a arte pela arte individualiza a produção dessa arte sendo que o ideal dessa beleza está baseada nos modelo e cânones gregos. A Europa, de certa maneira, vai universalizar a ideia da beleza grega. Uma ideia que está baseda na harminia e na regularidade, A chamada ideia clássica de beleza é uma narrativa regular

Foi sobre essa estética da harmonia e da regularidade que se afirma a arte europeia. É certo que ela, a arte europeia, não exclui estéticas particulares. Ela foi capaz de dialogar com outras estética e de as incorporar, mas como se entende facilmente pelo caso das estéticas africana, esse dialogo é também acompanhado por uma laicização. Ou seja a laicização de outras estéticas permite criar dialogos de diversidade.

Para que no entanto fosse possível uma ideia da diversidade das outras estéticas, fora dos cânones da harmonia e da regularidade, foi necessário que o moderno  criasse uma ruptura como o classicismo ao longo do Século XIX. Goya é a expressão dessa ruptura, introduzindo a imagem do horror e do feio. Essa ruptura permite ao olhar estético europeu, dialogas com outras estéticas.

Um dialogo com outras estéticas, que permite por sua vez, ultrapassar a ideia da singularidade e olhar para o quotidiano como estética. A esteticização do quotidiano abandona a ideia da singularidade e do raro. Se para a antiguidade, a obra imortal é ua obra que se destaca no quotidiano, o autor moderno vai criar a sua obra, precisamente no seu olhar sobre esse quotidiano.

No dias de hoje os desafios da estética levam-nos a olhar para as questões do xamanismo como uma proposta de mediação entre natureza e cultura. A busca da inspiração pelo transe e pela reflexão são momentos de poética para produção da ideia. A mimésis como reprodução duma ideia. É sobre a criação duma ideia que a estética hoje nos convida a olhar.

Disto se conclui que a vontade de estética é uma criação analógica. É um processo de produção de de práticas. É uma mimésis que como um teatro produz uma representação.

O desafio da estética nas sociedades contemporâneas é o de assumir que a vontade de representar é um processo de encontro com o mundo. É um espelho como reflexo do humano e a imaginação como elemento do processo criativo dado pela inspiração.

A arte e a estética continua a transportar algo de mágico, que transcende o tempo como reflexo desse tempo. Por exemplo o realismo, visto como estética é um retrato da paisagem social no seu tempo. Mas ela é também uma subjectividade  que mostra os dialogos interiores do ser.

A arte transporta algo de xamanico. Transporta o espírito do tempo e o espírito do lugar. Criar uma visão ao mesmo tempo que toda a obra artística tem capacidade de se autorecriar.

 

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.