Museus: De instituições a casas da poesia

Em outubro de 2017, nas jornadas de outono do ICOM Portugal, realizada em Évora discutiu-se a atualidade da Lei Portuguesa de Museus. Dele se deu uma notícia no site do ICOM Portugal.

Em síntese, como já noutros postais referi, a opinião da “comunidade” museológica do ICOM, é de que a aprovação da lei foi um fator positivo, embora as dinâmicas atuais tenham vindo a levantar alguns problemas.

A questão, para os profissionais dos museus parece estável. O museu continua a ser a tal “instituição permanente, sem fins lucrativos, a serviço da sociedade e do seu desenvolvimento, aberta ao público e que adquire, conserva, investiga, difunde e expõe os testemunhos materiais do homem e de seu entorno, para educação e deleite da sociedade“. Trata-se duma definição que está vertida no texto da Lei e que coincide com a definição que é adotada pelo próprio ICOM.

Ora esta definição, como todas as definições sobre as instituições são narrativas socialmente construídas. São usadas pelas sociedade enquanto são úteis. O conceito de museu, ou a definição sobre o que é um museu varia no tempo e no espaço. Assim, por exemplo o Instituto Brasileiro de Museus definio, em 2010, na altura me que foi criado que:    “Os museus são casas que guardam e apresentam sonhos, sentimentos, pensamentos e intuições que ganham corpo através de imagens, cores, sons e formas. Os museus são pontes, portas e janelas que ligam e desligam mundos, tempos, culturas e pessoas diferentes. Os museus são conceitos e práticas em metamorfose.

Notícia em arquivo no IBRAM

Atualmente o mesmo IBRAM suvizou a radicalidade poética com um texto que não deixa de procurar capturar a uma situação que presente na comunidade ibero americana:

No universo da cultura, o museu assume funções as mais diversas e envolventes. Uma vontade de memória seduz as pessoas e as conduz à procura de registros antigos e novos, levando-as ao campo dos museus, no qual as portas se abrem sempre mais. A museologia é hoje compartilhada como uma prática a serviço da vida. O museu é o lugar em que sensações, ideias e imagens de pronto irradiadas por objetos e referenciais ali reunidos iluminam valores essenciais para o ser humano. Espaço fascinante onde se descobre e se aprende, nele se amplia o conhecimento e se aprofunda a consciência da identidade, da solidariedade e da partilha. Por meio dos museus, a vida social recupera a dimensão humana que se esvai na pressa da hora. As cidades encontram o espelho que lhes revele a face apagada no turbilhão do cotidiano. E cada pessoa acolhida por um museu acaba por saber mais de si mesma.

Trata-se duma definição poética, argumentarão os mais cépticos. Mas nela está contida o princípio de transformação. As instituições, tal como as pessoas e os pensamentos são processuais. E as leis, como todos sabemos, resultam de compromissos possíveis num dado tempo.

Ora se a questão parece continuar estável em Portugal, o mesmo não se passa no “mundo dos museus”, onde o que é um museus está a ser discutido. Veja-se por exemplo o que está a ser discutido no ICOFOM, onde até foi publicada um pequena resenha do debate , que foi apresentado em Paris, en junho do ano passado.

Em outubro foram feitas discussões em Beijing e Buenos Aires, em Novembro no Rio de Janeiro e finalmente na Escócia, no âmbito do encontro do EULAC. Tratam-se de cinco reuniões que podemos acompanhar.

Estamos portanto num momento de discussão e considerarmos que a ideia de museu é estável é perdermos um importante debate. Deixar a cabeça enterrada não vai resolver a questão. Também já verificamos que o ICOM Portugal não irá mais longe do que já foi.

Será a comunidade museológica capaz de se mobilizar?

O desafio para debater esta questão em 2018 está feito!

Querem os museus portugueses ser instituições ou casas de poesia?

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.