O museu da emigração e a política Cultural em Portugal

Anda agitada a vida cultural do país.

Na verdade o estado de excepção tem vindo a manter-se com regularidade. Uma parte por responsabilidade dos atores do costume, outra parte por razões da decadência dos Povos Peninsulares que o nosso Antero defendeu nas oitocentistas Conferencias do Casino.

Entre polémicas queirozianas inflamadas, bengaladas e chapeladas veementes  lá vamos seguindo as vários episódios.

Para não recuar às “bofetadas” metafóricas do anterior ministro. Este ano já tivemos incêndios em Conventos, rabiscos criativos em Foz Côa, novos modelos de gestão para museus. Enquanto isso vamos mantendo em banho maria o tal processo de descentralização/desconcentração administrativa. Talvez o período de Natal nos traga mais novidades.

Na última audição sobre o orçamento, mais uma vez ficou transparente a ausência duma política cultural. Na ausência duma política, a cultura são um conjunto de medida, que para um observador externo, são aleatórias.

Tomemos como exemplo o tal “museu da emigração”: Vai para alguns anos a secretaria de estado das comunidades, promoveu os estudos preliminares para um Museu da Emigração.

É certo que de vez em quando surgem as ideias sobre novos museus. Todos nos lembramos do Museu da Linguas portuguesa em Belém. Agora, na Assembleia da Republica anunciou uma nova política museológica desconcentrada. O exemplo seria o Museu da Música em dois polos (em Lisboa e em Mafra), ou um Museu de Arqueologia Sub-aquática  em Xabregas (este curiosamente sem polos) o que evidencia, mais uma vez a continuidade das velhas políticas museológicas de expor objetos .

http://www.canal.parlamento.pt/?cid=2319&title=ministro-da-cultura-oe2018

Mas o que talvez seja um caso interessante seja o do Museu da Emigração. De quando em quando fala-se deste museu.

Em Maio o presidente prenunciou-se. As comunidades portugesas também se posicionam.

E um tema que merce atenção. emigrantes que somos, imigrantes que temos. Migrantes e refugiados nas agendas contemporâneas. Trata-se uma questão relevante. A questão é onde fazer o museu e que tipo de museu.

Sobre a localização há várias sugestões. Fafe, Guarda. Em tempos pensou-se fazê-lo no Terreiro do Paço. mas mais relevante do que isso será pensar no seu Modelo. Fala-se num museu polinucleado.Em concelhos ou em comunidades intermunicipasi.

Talvez fosse uma boa ocasião para repensar uma velha proposta existente no Ministério dos Negócios Estrangeiros de um museu “prestador de serviços”.

Aqui fica um extrato, já com Dez anos” de Mário Moutinho e Judite Primo feitos no Centro de Sociomuseologia.

“No último quartel do século XX as práticas museológicas e os conceitos que lhes estão ligados sofreram alterações profundas. Este processo procurou adaptar as instituições museológicas às mutações da própria sociedade sempre no sentido de levar os museus a participarem activamente no âmbito das sociedades que lhes davam e dão vida.

Isto não significa que todos os museus tenham sido sempre tão sensíveis aos contextos de mudança, pelo que hoje encontramos museus que se auto-excluiram dos processos de participação.

São museus alheios ao desenvolvimento, sorvedouros de recursos financeiros, fechados sobre as suas colecções que na maior parte dos casos se deterioram ao ritmo dos anos. Por isso, esses museus, reduzem a sua actividade à manutenção de uma exposição permanente quantas vezes mal montada e que por isso mesmo ainda envelhece mais rapidamente.

São numerosos os documentos orientadores que foram produzidos pelas mais respeitadas instituições, como sejam a UNESCO e o Concelho Internacional dos Museus ICOM e que mostram a importância de encarar os museus como factores de desenvolvimento.

Neste quadro julgámos que o projecto museológico para o Museu da Emigração deveria ter em consideração o pensamento e práticas da Museologia contemporânea para aí podermos fundamentar as opções necessárias. Por isso considerámos que o Museu a criar deveria ser um instrumento aberto sobre a sociedade, actuante no processo de desenvolvimento do País e um espaço de diálogo, de educação e de lazer.

Assim entendido, o Museu da Emigração, instituição para a promoção reforço e dinamização das relações culturais entre Portugal e as comunidades portuguesas no estrangeiro deverá apresentar-se como uma instituição prestadora de serviços devendo fundamentar a estruturação do seu programa museológico na definição dos serviços que, razoavelmente, poderia prestar com utilidade e com sucesso.” (Moutinho, M. & Primo, J. (2006) “Museu da Emigração e das Comunidades Portuguesas)

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.