4º Congresso Internacional “Educação e Acessibilidade Universal é exequível?”

4º Congresso Internacional “Educação e Acessibilidade Universal é exequível?”

Conclusões

O congresso deve ser um ponto de partida para novos contactos e trabalho em rede entre diferentes disciplinas e países.

A Acessibilidade é uma atitude mas é também uma linguagem. A linguagem evolui. A linguagem comunica-se. Estas duas premissas conduzem-nos a duas exigências de contemporaneidade:

  • A estratégia de comunicação é algo cada vez mais fulcral, na abordagem, quer a velhas, quer a novas preocupações.
  • É necessário desenvolver estratégias de gestão da influência. E isso vai para além da clássica relação direta entre profissionais e tutelas.
  • É necessário intervir diretamente na sensibilização e na formação.

EM SUMA:

  • -Atualizar – e não apenas adequar – a linguagem.
  • Comunicar procurando gerar cumplicidades.
  • Precisamos de cidadãos críticos e informados.
  • Melhor intervir para melhor reclamar.

Para desenvolver de forma efetiva o desenho universal é necessária a figura de um responsável pela gestão de acessibilidade em cada museu.

A gestão do Desenho Universal não implica um aumento significativo dos custos financeiros mas sim um custo importante de tempo.

É necessária uma maior participação por parte das tutelas e das associações de modo a reduzir ambos os custos.

A reivindicação do direito de acesso não pode partir apenas dos profissionais do património.

Devem implicar as pessoas com discapacidade e as suas associações.

Sem a sua reivindicação direta e sem mobilizar os seus recursos e outros, será muito difícil avançar.

É crucial que o Desenho Universal esteja presente, de forma obrigatória, em todos os ciclos e disciplinas do ensino superior, relacionados com a gestão do património.

As políticas vigentes de “legislação branda”, nem obrigatória nem sancionadora, não estão a surtir efeitos.

Investir em museus é investir em Coesão Social, mas isso começa na formação e sensibilização de toda a equipa, desde o diretor às pessoas de atendimento ao público.

Também há que alargar a formação a todas as pessoas relacionadas com os museus, informadores turísticos, guias turísticos, políticos e empresas variadas…

É importante partilhar as ideias, projetos e soluções, mas tembé, os erros, as contradições e as dificuldades que têm surgido.

Assumimos esta passagem de Gian Paolo Treccani: “El arte (…) no puede existir por sí mismo, sino que solo existe si «pertenece», es decir, si es usado por el hombre (…).” Todo obstáculo que se coloca entre o homem e a arte, que de alguma maneira impede e restringe a “área de experiencia (…) é a negação da própria arte e dos princípios que governa uma prática correta de conservação”.

As pessoas no centro e a diversidade como medida de todas as coisas.

Anti – padrão

Tolerância zero relativamente ao poder INACESSIVEL!

Cada pessoa é uma pessoa!

O universal exclusivo que cada um de nós é.

A autonomia a que temos direito

Autenticidade!

Relações verdadeiras (de pessoas para pessoas)

O melhor e mais bem adaptado veículo é a pessoa.

Urgente: Formação multimodal, transversal, plural, atuante.

COMPROMISSO

Maior participação de pessoas com deficiência, na gestão e avaliação de projeto no quadro dos museus.

As piores barreiras são as atitudinais

Detetam-se políticas e práticas museais de acessibilidade e inclusão “ aplicadas em situações concretas de exposição” que não traduzem a presença real do ADN do Museu.

Nos edifícios Históricos devem-se procurar um equilíbrio entre a conservação e a acessibilidade. Algumas intervenções não fazem sentido se se perder o significado do monumento

Há que incorporar micro discursos a partir de outros olhares e outra prespetiva. (Não centrar na disfunção)

  • Etnia
  • Género
  • Classe
  • Capacidades diferentes

Porque não são feitas exposições que criam incomodidades?

Seriam muito úteis kits pedagógicos sobre inclusão

Fazem falta mais recursos humanos formados em inclusão nos museus. É necessário sangue novo nos museus.

Há barreiras afetivas

Há que exigir que os projetos arquitetónicos tenham em conta os três princípios de Vitrúvio:

  • FIRMITAS (solidez)
  • VENVSTAS (beleza)
  • VTILITAS (comunidade, função ou usabilidade, a palavra chave do desenho universal)

A usabilidade é a chave para a utilidade dos museus para a sociedade

Deve haver um diálogo transversal entre as diferentes áreas profissionais, e devem-se deixar de lado os egos.

Acessibilidade emocional: O que não nos emociona não nos interessa, não desejamos aceder a isso.

Na cadeia da acessibilidade os preços de transporte também são uma barreira.

A acessibilidade não é fazer eventos pontualmente, mas projetar programas que sejam testados e validados a longo prazo, em museus e património cultural e natural. E replica-los.

Necessidade de criação de um Plano Nacional construído e seguido por todos os museus e monumentos.

A educação para a inclusão deve começar na primeira infância, na escola e também nos lugares patrimoniais

Necessitamos de repensar e clarificar a terminologia para a fazer mais inclusiva.

Há que reforçar palavras como “diversidade” face a outros como a “diferença”

Algumas expressões, temáticas e definições já se foram consolidando

  • -Constatamos um aumento do conhecimento entre os especialistas da diversidade funcional, ainda que muitos recursos sejam ainda incipientes, como por exemplo a leitura acessível.
  • -O reforço da importância da claridade na comunicação pensando sobretudo na necessidade de chegar a todas as pessoas e sair do “discurso para colegas”.

Aumentaram muito as metodologias e recursos disponíveis na Web para usos dos profissionais. (Alguns foram partilhados entre os congressistas)

Foi realçada a importância e o impacto de uma política sólida de inclusão e acessibilidade desde diversos pontos de vista:

  • sociais (justiça cognitiva)
  • culturais (democracia cultural)
  • políticos (legislação e regulamentação)
  • e económicos (enriquecimento e rendibilização dos investimentos)

A acessibilidade, as políticas acessíveis, a eliminação de barreiras (físicas, de conteúdos, de atitudes) são necessárias mas não são suficientes.

Há 40 anos que o Instituto Smithsonian” publicou “Museums and Handicapped Students: Guidelines for Educators”. Já é hora de parar e pensar se o nosso trabalho está a dar os resultados esperados e pensar sobre a origem das ineficácias detetadas

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube


OpenEdition sugere que esta publicação seja citada da seguinte forma:
Pedro Pereira Leite (6 de Novembro de 2017). 4º Congresso Internacional “Educação e Acessibilidade Universal é exequível?”. Global Heritages. Recuperado em 14 de Julho de 2024 de https://doi.org/10.58079/p3e4


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.