Notas sobre o Associativismo e a defesa do Patrimonial de cultura e ambiente (I)

Pedro Pereira Leite[1]

O associativismo foi durante o Estado Novo um dos espaços de prática de liberdade democrática. Através das Associações de Cultura e Recreio, foram divulgadas e preservadas as formas a as práticas da democracia representativa e participativa, ao mesmo tempo que foi possível construir alternativas de sociabilidade, no campo do desporto, da cultura, da ocupação dos tempos livres.

Após 1974 a revolução democrática proporcionou um ambiente onde o associativismo proliferou em diferentes áreas da vida social. Seja através das estruturas anteriormente existentes, as coletividades de cultura e recreio, seja através da criação de novas formas de associativismo, sedimentadas através de interesses específicos das populações ou novas temáticas sociais. Criaram-se comissões de moradores, cooperativas de consumo, associações de defesa do património, de defesa do ambiente.

Com o refluxo do processo revolucionário e a consolidação da democracia representativa, os movimentos sociais e as experiencia de democracia participativa, foram sendo enquadrados em diferentes formas de organização, uns mais formais, outros mais informais, que tiveram diferentes percursos.

Neste texto trabalhamos as organizações de defesa do património em comparação com os processo de consolidação das organizações de defesa do ambiente, procurando analisar os respetivos percursos e as formas de proximidade ao poder social e político.

No contexto da Convenção da UNESCO para proteção do Património Mundial, cultural e natural de 1972, a perceção da perda das tradições e as transformações no espaço rural e urbano geradas pelos processos económicos, criam um momento favorável a defesa do património. A Convenção de 1972 ao dar corpo à perceção de mudança nos territórios e nos modos de vida e adaptação das comunidades vai propor procedimentos de salvaguarda e conservação. O modelo de proteção vai contudo reproduzir a clivagem cultura e natureza criada pela ciência europeia nos séculos XVI a XVIII (Tomás Hobbes e Van Humbolt, Rosseau). Os normativos da Convenção vão reproduzir esta clivagem através de ações discretas voltadas para o património cultural dum lado e natural por outro lado. A oposição cultura natureza é um debate interessante que temos vindo a trabalhar de forma aleatória em outos lugares[2], pelo que ficará para outro texto a sua sistematização.

[1] Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra. Aula de Museologia Social e Espaço Urbano, Abril de 2017

[2] Ver nomeadamente http://globalherit.hypotheses.org/4625

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.