9. Diálogos sobre o Mediterrâneo – Pensamento meridional e niilismo

CF: Obviamente [há o problema de] a relação de forças [entre norte e sul], na qual você voltou aos seus ensaios recentes, A “Alternativa do Mediterrâneo”, como o principal ponto a esclarecer em relação à fraqueza [do costume de falar] do Sul, de sua incapacidade de pensar [o assunto]. [Fraqueza, então] como um problema do Sul. [E a esse respeito] [você declara que [fraqueza] é um problema de todos os relacionamentos de força.

Mas entre os perigos que você identifica, no caminho do sul, você sempre e quase exclusivamente nomeia o niilismo, algum vício na diversidade, alguma dificuldade em se identificar e estar sujeito. É fazer da diversidade como um fenómeno do relativismo absoluto. Talvez o da moeda pós-moderna seja o mesmo. A questão é esta: existem outros riscos além dos pontos fortes ou fracos que não permitiram a saída do Sul, bem como no nível intelectual, a um nível de propostas das pessoas, além da solidariedade. Ou seja, algo que varre o sul além desses elementos de que você falou, a relação das forças e o risco niilista do próprio pensamento meridional.

FC: Eu não acho que usei a palavra niilismo em meus livros. Eu falei do risco de uma deriva anômala de individualismo radical. Mas eu sempre me opús a esse risco de um sinal oposto, o da identidade. Essa controvérsia de dois sentidos, contra o fundamentalismo telúrico individual e o oceânico, por outro, é o coração do pensamento meridional.

Para sinalizar o desperdício estrutural, parece-me extremamente importante hoje também no que diz respeito ao sul da Itália. A imagem do Sul é muito pior, embora existam fenômenos na contra-tendência. Hoje, os resíduos napolitanos, camorra e outros dramas dominam a imagem de hoje. Mas vale a pena lembrar que essas patologias não surgem de um presumível irracionalidade austríaca. Sinto demais sobre moralismo e pouca análise entre os que estão hoje contra os males do sul. Proponho, para enriquecer o quadro dos resíduos estruturais, uma consideração mais aprofundada: se a maioria dos graduados do sul vai trabalhe para o norte, como em todas as situações periféricas, este êxodo das energias mais jovens e mais qualificadas, não acaba por deprimir a sociedade civil do Sul? E tudo isso não aumenta a diferença entre o norte e o sul? Em outras palavras, esses grandes males devem ser a resposta de uma grande política, além do moralismo confortável que hoje vejo mesmo atravessando as ciências sociais.

É claro que essas patologias devem reagir com uma forte mobilização do Sul e suas energias societária, para que pessoas do Sul também possam criar oportunidades de emprego para jovens. Mas pensar que tudo isso só pode prosseguir na senda do “localismo virtuoso” é uma utopia generosa e forçada para a enfrentar a realidade. Também porque, na realidade, os fundos que a comunidade europeia dedicou à hora do almoço mais de uma vez foram isolados por este governo em direção a outras estradas, como aconteceu com a supressão da ICI, cuja cobertura financeira foi assegurada através do desvio de fundos destinado ao Mezzogiorno.

Em poucas palavras: o sul tem que fazer uma lacuna, deve maximizar o seu sentido cívico, deve mobilizar todo o seu capital social, mas deve haver uma política nacional capaz de ajudá-lo nesta mobilização, capaz de fazer jovens Fique para o sul, fortaleça a sociedade civil e sua capacidade de enfrentar e vencer o crime organizado. Mas um governo em que a Liga Norte tem um forte poder de condicionamento é exatamente na direção oposta. Ele acabará multiplicando o medo e não a esperança.



Citar este post
Pedro Pereira Leite (2017, 11 Outubro). 9. Diálogos sobre o Mediterrâneo – Pensamento meridional e niilismo. Global Heritages. Recuperado em 19 de Junho de 2024, de https://doi.org/10.58079/p3de

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.