8. Diálogos sobre o Mediterrâneo -as iniciativas “meridionais”

FC: Em todos esses anos, as iniciativas sobre o Mediterrâneo a que participei foram fundamentalmente iniciativas culturais. Aqui ou em outro lugar, nos outros países mediterrânicos. Então, em algumas áreas intelectuais, esse interesse neste tema existe e está vivo. O problema fundamental é como construir um equilíbrio entre mapeamento e a abertura. Se a abertura for construída de raiz, o risco é que é menor. O problema que suscita a sua pergunta é que, entre os intelectuais e as comunidades, o relacionamento tem que ser, e é decisivo, porque, de outra forma, existe o risco de que, diante de um koiné mediterrâneo e pós-colonial que mantenham os intelectuais juntos, existam as massas dirigidas pelos integristas.

CF: Enquanto na “Paeninsula”[1] você termina com seu último ensaio, que fala de um repensar da Itália, começando com a experiência dos prefeitos do sul, como uma “Itália não-fracionada”. Por exemplo, uma iniciativa que contém e, em alguns por certo, contadiz o que apresenta, foi – no impulso europeu da Constituição Europeia – onde houve uma grande iniciativa não das cidades italianas, mas de todas as gemas das cidades europeias, entre cidades italianas e cidades europeias. Alguma vez houve um pensamento de mente gêmea que, em vez disso, se voltasse para as cidades do sul, particularmente geminação com a outra costa?

FC: Isso foi parcialmente feito, mas se você me permitir, é um passo tão necessário e fácil. A geminação deve ser apenas o início de uma conexão mais ampla, mais estável e complexa. Mas para fazer isso, escolhas políticas são necessárias. Por exemplo, recentemente fui em Skopje, na Macedônia. Saí pela manhã de Bari, cheguei em Roma, onde eu tinha que pegar o avião, o único avião que voa para lá saí daqui às 10 da manhã e cheguei à meia-noite e meia. Ou seja, eu fiz um dia inteiro para chegar à Macedônia. Se houvesse um voo direto, eu teria colocado 50 minutos. Estamos longe daqueles que estão mais perto, pois estamos perto daqueles que estão longe. Esta é uma situação típica de dependência. Todos os estudiosos subdesenvolvidos mostram que um dos indicadores de dependência é que você, se quiser ir a um local próximo, não pode fazê-lo diretamente, mas você tem que ir do centro. Então, o primeiro objetivo é superar essa harmonia periférica e viciante, para aproximar os vizinhos próximos.

Se você viajar para país vizinho em 50 minutos e não durante um dia inteiro, é possível não apenas juntar intelectuais, mas também empresários, construir vínculos, criar conveniências comuns e entrelaçar interesses. Mas enquanto você estiver longe de quem está perto, isso não acontecerá. Primeiro, aqueles que, estando longe, estão melhor conectados, isto é, os mais fortes. Construir esta rede é uma maneira concreta de conectar áreas periféricas e tirá-las de uma situação de dependência para dar autonomia a um poder não intermitente não apenas fechar a margem.

Uma vez por ocasião da inauguração do ano lectivo, fiz o exemplo da bússola: coloquei a agulha na minha cidade – qualquer pessoa pode fazê-lo com a minha cidade – e eu giro minha dica com grafite, posso ir, veja quais são as cidades e cidades mais próximas. Atenas, Cairo, Tunísia, são muito próximas. Mas, se a cada vez, para ir lá, primeiro devo ir na direção oposta, será muito difícil construir relacionamentos de qualquer tipo.

Então, a geminação está bem porque é uma forma de proximidade ideal. Mas vamos seguir a construção dessas redes para que a geminação significa que eles também associam representantes industriais e outras categorias, que cooperam em todos os níveis. Este é o ponto crucial, é esse compromisso que você precisa esperar para a política. Porque enquanto a política faz discursos, talvez inspirando coisas que ele leu de você, mas depois acaba procurando em outro lugar, o risco é uma forma de transformação.

Mas tudo isso é complicado porque, nos últimos anos, o sul perdeu algumas linhas. Se alguém pensa que existem três bancos no Mezzogiorno, o Banco de Poupança da Apúlia, o Banco di Sicilia e o Banco di Napoli, que passaram em outras mãos e o crédito é controlado pelos grandes bancos do norte, eles percebem que a situação se deteriorou.

A sociedade civil, à medida que se move, precisa de tais ferramentas. Precisa construir ferramentas de representação, desde jornais a revistas, até outras formas de comunicação. Estes são alguns dos pontos sobre os quais devemos lutar hoje. Também porque, apesar das dificuldades, a vitalidade das novas gerações, posso vê-lo na minha região, é extraordinariamente alta, do cinema à literatura, às novas profissões criativas. Mas se acabar indo em outro lugar, é forçado a cada vez a começar.

[1] 11 Franco Cassano, “Europa e Meridian Thinking”, na Paeninsula, 75-87.



Citar este post
Pedro Pereira Leite (2017, 10 Outubro). 8. Diálogos sobre o Mediterrâneo -as iniciativas “meridionais”. Global Heritages. Recuperado em 21 de Junho de 2024, de https://doi.org/10.58079/p3dd

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.