7. Diálogos sobre o Mediterrâneo – A crítica ao pensamento meridional

CF: Você apresenta nos seus trabalhos, pelos menos assim referem alguns críticos dos seus trabalhos, ainda algumas prespetiva do eurocentrismo que não parece ser um desenvolvimento consequente do pensamento meridional. Ou seja, essa atenção ao outro, e sobre o que o outro diz sobre nós, é epistemologicamente muito desenvolvido, mas depois através de referências que estão dentro da Europa. Por exemplo, Iain Chambers [em seu livro Muitas Vozes do Mediterrâneo] se refere em muitos casos ao seu livro[1]. No entanto a sua crítica pós-colonial identifica o humanismo como um vínculo entre culturas, entre a  cultura árabe e da Europa Ocidental, por uma lado; e mencionando Montaigne e Bartolomeo de las Casas, por outro, como exemplos do humanismo, dá indicações de que há uma forma de salvar o humanismo de uma história que é uma história muito mais complexa na qual [novamente] eles não são os outros que falam sobre nós, eles não são os autores árabes.

FC: O problema principal é tentar localizar interlocutores do outro lado, um problema particularmente complicado porque muitas vezes os autores árabes que amamos no Ocidente foram selecionados de acordo com nossos gostos. O problema é, portanto, falar com pessoas que estão interessadas no diálogo, mas capazes de trazer alguma coisa de outra forma desagradável para os nossos paladares. Não é apreender o mesmo, mas aprender com quem é diferente. É por esta razão que, na Alternativa do Mediterrâneo, o monstro aprecia o caminho de Tariq-Kamadan ou de estudiosos cujo trabalho pode ser representado na fórmula do feminismo islâmico do Ocidente, e alguns dos protagonistas desse movimento. Uma discussão muito difícil, mas seria interessante retomar [2]. Não me parece nem italianos nem londrinos … No Fórum Social de Paris, em 2003, houve uma discussão animada sobre Ramadão, acusando o movimento contra a globalização de permanecer fechado nos parâmetros da cultura.

Por estas razões, a crítica de que você fala parece-me impreciso e enganador. Meu objetivo é encontrar interlocutores capazes de escapar da inércia do seu fundamentalismo, por um lado, e do outro. Entre os interlocutores, certamente não há classificadores como Derrida e muitos outros que certamente não podem ser classificados como humanistas. Além de todos os que querem construir uma ponte devem trabalhar para apoiar suas bases em ambos os lados, o que me parece muito mais útil que as notas da escola. Eu repito: procuro interlocutores de um lado e do outro lado da fronteira, então, se seus números estão se ampliando e sua qualidade aumenta, eu estou feliz em poder aprender com eles, assim como as suas críticas pós-coloniais. Sobre o resto eu importo.me muito pouco.

CF: Mais do que tudo, penso que há uma perspetiva que, em algum sentido, identifica, por exemplo, com o Mediterrâneo contemporâneo, o próprio mar, tem uma perspetiva mais nómada e mais nómada, mais delirante, olhando apenas os momentos de cruzamento de música […] que é uma dimensão paralela à sua.

FC: o pós-modernismo contribuiu fortemente para mudar o modo de olhar para o Mediterrâneo. Mas uma vez que este contributo é reconhecido, abordo-lhe duas objeções críticas: primeiro, a exaltação do hibridismo não deve ignorar os pontos fortes dos relacionamentos, cuja mudança continua a ser decisiva para favorecer um encontro forte e estável entre as culturas, povos e indivíduos. Em segundo lugar, ao seguir o ensino de Gramsci, deve evitar a relação entre intelectuais e os simples. Na verdade, os intelectuais são capazes de se comunicar e se comunicar uns com os outros, mas sua função não se esgota neste relacionamento dentro de sua condição comum. Eles também devem poder falar com aqueles que não são intelectuais. Em outras palavras, eles devem assumir a responsabilidade de não deixar as pessoas nas mãos dos fundamentalistas de ambos os lados.

[1] Iain Chambers, The Many Voices of the Mediterranean (Nápoles : Cortina Raffaello, 2007).

[2] Franco Cassano, “The Need for the Mediterranean”, na Alternative Mediterranean, de Franco Cassano e Danilo Zolo (Milão: Feltrinelli, 2007).



Citar este post
Pedro Pereira Leite (2017, 9 Outubro). 7. Diálogos sobre o Mediterrâneo – A crítica ao pensamento meridional. Global Heritages. Recuperado em 24 de Junho de 2024, de https://doi.org/10.58079/p3dc

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.