6. Diálogos sobre o Mediterrâneo – Itália

Diálogo sobre a Itália no Mediterrâneo

FC: há uma dimensão a longo prazo: a Itália não tem uma tradição de política externa tão forte e relevante como os países que construíram seu país há séculos antes e, há muito tempo, desempenharam um papel hegemônico, como a Inglaterra ou a França. A França desempenhou um papel importante no século XIX e mesmo no século XX no Mediterrâneo. Assim, deste ponto de vista, tem uma tradição de política externa muito mais forte. Nós também experimentamos uma política externa, mesmo durante o período da Guerra Fria, quando os elementos de autonomia, quando estavam, ficaram tão sobrecarregados.

Claudio Fogu [CF]: Mas você se lembra em seus ensaios de que o tempo de fechamento da modernidade do Mediterrâneo é a invasão do Egito por Napoleão. Ou seja, a história moderna do Mediterrâneo vê a França como o poder de colonização, que de alguma forma tem uma política de espionagem muito forte.

FC: Eu digo que a França e, em outros aspetos, mesmo a Inglaterra querendo proteger as rotas essenciais de Suez para a Commonwealth tiveram uma presença muito forte no Mediterrâneo. Assim, em grande medida, a política do século XX é uma política em que o papel mediterrâneo da Itália sempre foi bastante fraco e subordinado às outras duas grandes potências da Europa. O fascismo tenta mudar essa situação, mas esse neoimperialismo foi destituído de tempo e destinado a colapso abrupto. Então em ’56, com a crise em Suez, a França e a Inglaterra desaparecem e de alguma forma há um relé com os Estados Unidos.

CF: E, no entanto, é um momento importante em que você se lembra, por exemplo, Eni por Enrico Mattei como um peão na Itália tentando fazer uma política de petróleo independente que foi única no xadrez internacional daqueles tempos[1]. Neste sentido, reconheça, como você disse anteriormente, um papel em uma certa democracia cristã, de uma atenção especial ao mundo árabe, que caracterizou a política externa italiana.

FC: Mattei foi uma séria tentativa de mais autonomia e negociação com os países árabes, que perceberam que o colonialismo acabou. Mas não esqueça que Mattei não morreu em sua cama. Então, a política também teve muitos inimigos. Provavelmente a idéia de que a Itália poderia desempenhar um papel autônomo no Mediterrâneo, atingindo o poder e os interesses das grandes companhias de petróleo, não gostou daqueles que se identificaram com os interesses dessas empresas.

Assim, a autonomia é difícil. Nos últimos anos, muitos chefes de estado italianos também falaram muito sobre o Mediterrâneo. O problema é que as políticas que foram feitas foram muito modestas, raramente conseguem desempenhar um papel inovador. No entanto, deve reconhecer-se que, durante os anos do governo Prodi, o governo italiano abordou a crise libanesa de forma inovadora. Ele também afirmou a necessidade de falar com o Hamas, que era, no entanto, o representante da maioria, tal como emergiu da votação nos territórios palestinos. Então, tentamos fazer algo.

Mas o que me impressionou por iniciativa de [Nicolas] Sarkozy é o silêncio absoluto e penoso da Itália[2]. E isso é muito preocupante. Certamente, acho que essa miopia, essa falta de olhos longos é muito perigosa e acabará por acentuar a crise do país e sua unidade. E eles acabarão estressando o inconveniente até ao sul.

É claro que acho que o jogo não está fechado, e que ainda está em grande parte a ser jogado. Como já disse, a questão do Sul não pode ser separada da questão do Mediterrâneo. E, portanto, acredito que a necessidade de cooperação em um plano de igual dignidade entre os países dos dois lados do Mediterrâneo irá, com rapidez ou mais, concretizar.

[1] Na década de 1950, os Ente Nazionale Hydrocarbons (ENI), liderados por Enrico Mattei, desafiaram as multinacionais petrolíferas dos EUA com uma política independente destinada a abastecer petróleo e gás com Itália, com acordos diretos com estados árabes e norte-africanos negligenciam o Mediterrâneo.

[2] Em julho de 2008, o presidente francês, Nicolas Sarkozy, lançou a idéia de uma “união mediterrânea”, recebida por 43 chefes de Estado que se conheceram em Paris para discuti-los



Citar este post
Pedro Pereira Leite (2017, 8 Outubro). 6. Diálogos sobre o Mediterrâneo – Itália. Global Heritages. Recuperado em 19 de Junho de 2024, de https://doi.org/10.58079/p3db

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.