5. O que mudou para o pensamento meridional após “onze setembro”?

FC:. Do ponto de vista do que eu tentei representar com o pensamento meridional, o 11 de Setembro foi um abandono dramático das margens do Mediterrâneo, pois era evidente que a força da hipótese fundamentalista iria conduzir a uma grande espiral de fundamentalismos opostos. Esta partida dramática das margens preocupa-me. Ela implica uma necessidade de uma nova reflexão (que já falamos anteriormente), sobre a diferença de poder entre os protagonistas de um possível diálogo e por que o integralismo possui hegemonia nos países da tradição islâmica. Mas esse abandono que envolveu muitos dos países da bacia do Mediterrâneo, não mudou meu programa de pesquisa, mas acredito que hoje torna ainda mais evidentes os motivo motivos para trabalhar nisso. Lutar por uma perspetiva de relógio solar significa hoje lutar contra o conflito das civilizações, trabalhando para se aproximar dessas margens, construindo um futuro de paz e cooperação.

O “pensamento meridional”, que data de 96 e “Paeninsula”, que data de 98, são livros inspirados pelo forte otimismo, que, especialmente no caso da Paeninsula, parece dizer aos italianos: “você sempre esteve no meio do Mediterrâneo, aproveite a oportunidade que a história, com a queda dos blocos, propõe a você “. Porque a Itália é uma passagem necessária para ir da bacia ocidental para a bacia oriental e para ir para o norte ao sul desse mar. Então, “Resgatar essa dimensão, que não é apenas geográfica, mas também cultural e ético-política. Torne-se o que você é: uma ponte de link. “[1]

Na minha opinião, essas idéias encontraram-se com uma correspondência forte, embora não haja, evidentemente, hostilidades e mal-entendidos. O problema fundamental é que, no entanto, para consolidar esta vocação para a mediação mediterrânica na Itália, os fatores geopolíticos também devem ser favoráveis, ou seja, o relacionamento entre um lado e o outro deve ser grandemente facilitado pelo contexto. Se a imagem é a oposição contrastante e crescente entre identidades e civilizações, é claro que este programa de terras mediadoras é muito mais difícil.

No que diz respeito à Itália, os importantes gestos políticos nos últimos anos, incluindo a política externa, foram muito escassos. Quase nada foi feito. Tudo isso é definitivamente um encerramento no sistema da aliança, mas também provavelmente devido à má qualidade das aulas de liderança italiana, o que, obviamente, torna difícil conceber um papel auto-económico da política italiana. Ao longo destes cinquenta anos, a autonomia da política externa italiana teve que ser subdesenvolvida, penso em Andreotti, Fanfani e Moro em termos de democracia cristã. E também penso em alguns gestos de Bettino Craxi. Mas era uma política externa forçada a viver sob a superfície em relação ao acidente do Atlântico. Com 89 o contraste antigo caiu, mas surgiram novos, e hoje a política externa italiana é quase invisível. Algumas notícias pareciam provir dos gestos dos assuntos estrangeiros de D’Alema, mas caiu junto com o governo Prodi.

Os temas do pensamento meridional encontraram, como eu disse, uma ampla afirmação, e estão sendo testemunhados pelas reimpressões contínuas. Mas é claro que, se as ideias não forem acompanhadas de decisões e fatos, correm o risco de aparecer uma suposta utopia ou compensação retórica. E já avisei esse risco por muitos anos. Embora a redescoberta da dimensão mediterrânica da nossa cultura tenha feito progressos, a situação política não mostrou progressos significativos. Estamos cheios de festivais e conferências no Mediterrâneo, uma temporada criativa atravessa muito do nosso sul, mas sem um papel forte dos governos nacionais e da Europa, essas ideias são como um carro com rodas na areia, elas ficam em branco.

No entanto, estou convencido de que, se as rodas fossem movidas para um terreno sólido por aqueles que tinham o dever de fazê-lo, o carro caminharia e ia rápido. No entanto, deve salientar-se que, apesar destas dificuldades, a redescoberta da dimensão mediterrânica é um fenómeno crescente não só na Itália, mas também em outros países europeus. No Mezzogiorno italiano no debate cultural, a dimensão mediterrânea tornou-se um tema central, e a região da Puglia começou bravamente a encadear fios do outro lado do Adriático. O tecido de conexões com o nosso, o Adriático, já ultrapassou a emergência de 91, o ano da chegada de Vlora, o navio carregado com albaneses no porto de Bari. Então, algo foi feito, mas poderia e deveria ser feito mil vezes mais.

Mas, novamente, uma perspetiva de relógio solar deve se tornar uma política e uma decisão. O risco da retórica não é um reflexo de uma vocação do sul, mas depende do fato de que as escolhas da política não avançam, essa perspetiva entra na inércia e hostilidade daqueles que não tocaram nada. E é bastante óbvio que, se você não construir oportunidades reais de. conexão, por exemplo, do “corredor oito”[2], é muito difícil “fazer o Mediterrâneo”.

Além disso, é cada vez mais evidente que a chamada questão do sul hoje precisa ser lida como parte da questão do Mediterrâneo. O sul da Itália não pode competir com aqueles que, além do norte, já estão no coração da Europa em um ambiente avançado. Este ambiente no sul não está lá, mas deve ser construído e só pode ser um ambiente mediterrâneo, fazendo sul e sul o ponto de sutura entre os dois lados. O Mediterrâneo não significa apenas o sul, mas também a Itália.

[1] 5 Franco Cassano, Paeninsula. Itália a ser encontrada (Bari: Laterza, 1998)

[2] Um dos dez “corredores pan-europeus”, aprovado em 1991, com vista a melhorar e acelerar as comunicações entre o Leste, o Oeste eo Sul da Europa. O “oitavo corredor” deve conectar os principais portos da península (Bari e Brindisi) à Albânia, Macedônia e Bulgária.



Citar este post
Pedro Pereira Leite (2017, 7 Outubro). 5. O que mudou para o pensamento meridional após “onze setembro”? Global Heritages. Recuperado em 19 de Junho de 2024, de https://doi.org/10.58079/p3da

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.