A Filosofia da libertação como possibilidade de uma filosofia ibero americana

A Filosofia da Libertação foi um movimento filosófico surgido na América Latina, entre os anos 1960 e 1970 (há ainda algumas controvérsias sobre a data), como correlato filosófico da Teologia da Libertação ou da ‘Pedagogia do Oprimido’. O autor mais destacado desta corrente filosófica, e do pensamento latino-americano em geral é, indubitavelmente, o filósofo argentino-mexicano Enrique Dussel (1934-?), cuja obra partiu, nos anos 1970, de uma transição da teologia para a filosofia da libertação, chegando atualmente a sua obra amadurecida ao campo da Ética e da Filosofia Política. Autor de uma grande quantidade de obras, o seu pensamento desenrola-se à volta de temas como a filosofia, a política, a ética e a teologia. Tem-se colocado como crítico da pós-Modernidade ou transmodernidade , segundo a nomenclatura sul-americana. Tem mantido diálogo com filósofos como Otto-Apel  Giani Vattimo , Jurgen Habermas, Richard Rotry ou Emanuel Lévinas. É também um crítico assumido do pensamento eurocêntrico contemporâneo.

Alguns historiadores da filosofia na América Latina, como Francisco Miró Quesada, afirmam que a filosofia da libertação surgiu como desdobramento do que se denominou Filosofia cultural do Americano num debate onde a questão sobre a autenticidade e a originalidade da filosofia praticada nestas paragens ganhou foros de cidadania. A questão de fundo, no debate, era refletir sobre o carácter circunstancial ou universal da filosofia. Por outras palavras, saber o que a caracteriza como tal e em que medida este carácter é atravessado pela circunstância histórica na qual a filosofia é elaborada, ou pela universalidade que lhe seria necessariamente natural.

Neste debate advogavam-se, então, conceções distintas que poderão ser agrupadas em dois blocos – as universalistas e as regionalistas (circunstancialistas), que apontavam respectivamente para uma Filosofia Universal, no primeiro caso, e para a possível caracterização de uma Filosofia Americana, no segundo caso.

Entre aqueles que advogavam a possibilidade ou existência de alguma forma de filosofia de libertação, havia tanto os que a situavam no campo de uma filosofia regional, denominando-a de filosofia latino-americana de libertação, ou de filosofia de libertação latino-americana, despreocupados com a sua vigência universal, como havia até quem os que a considerassem numa perspetiva universalista, entendendo que a reflexão sobre a libertação dos seres humanos não seria apenas uma exigência circunstancial da filosofia que se elabora na América Latina, mas uma necessidade que devia ser universalmente inerente à própria filosofia. Estes argumentavam tal universalidade afirmando basicamente que a reflexão filosófica sobre o exercício prático e concreto da liberdade, realizado em qualquer época ou lugar, pode contribuir para a reflexão sobre as condições e limites do exercício da liberdade, isto é, sobre a praxis libertadora, também de qualquer época ou lugar.

Embora este problema atualmente, venha a estar recolocado desde a perspetiva da pragmática linguística num novo patamar de análise critica, o mesmo é também retomado por autores como Paul Ricoeur, por exemplo, para quem – em razão da heterogeneidade das histórias de libertação e da variada significação que este termo recebe a partir destas diversas experiências – a relação entre filosofia e libertação aparece problemática, mesmo se se admite que toda a filosofia tem como fim último contribuir para a libertação espiritual dos seres humanos.

De um modo geral, podemos considerar a filosofia da libertação como específica da realidade hispânica e ibero-americana, sendo por conseguinte um pensamento e modo concreto de analisar o conhecimento humano à luz da realidade local e ao mesmo tempo, universal.

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.