4. O conceito de fundamentalismo é aplicável ao capitalismo?

FC: Certamente. Não era Marx, também, definir sua perspetiva como a crítica da economia política, isto é, como crítica da alienação, o fetichismo da mercadoria e do capital produzido por uma sociedade que de modo algum se chamaria de capitalismo? A sociedade em que é produzida com fins lucrativos é dominada pelo processo de valorização do capital, que hoje na era da globalização ampliou seu poder a quase todo o planeta. Então, a resposta é muito clara: o capitalismo é essa forma de fundamentalismo que tem seu centro de capital. Mas a crítica do fundamentalismo do capital não se pode apoiar em outros fundamentalismos ou progressos, tão queridos para o Marx do Manifesto ou para o da Revolução, que humildemente acredita que a redenção da humanidade pode passar por prisão e liquidação de uma parte disso.

A bússola é, portanto, sempre a mesma, a crítica de todos os fundamentalismos. Quando falo de fundamentalismo, falo de um procedimento intelectual através do qual uma forma de vida historicamente determinada é induzida indevidamente como condição ontológica e natural do homem. Agora, parece-me que o fundamentalismo do mercado e da economia leva a um exagero do que chamo de individualismo radical, um individualismo que rejeita qualquer conexão social e considera a própria noção de interesse coletivo um abuso inadmissível em detrimento de sua liberdade. Existe certamente um aspeto libertador nesse impulso, mas como, como podemos verificar a sua característica mais consistente é precisamente a erosão de qualquer identidade coletiva!

Esse impulso é fantástico. A dimensão oceânica da globalização também colocou em crise os estados nacionais: de fato, aprofundou seu poder e poder, mas ao mesmo tempo perturba a sua agregação coletiva. Eu acredito que este processo de erradicação, se você não fizer alguma coisa, continuará a avançar. Agora parece-me que é reconhecido à direita e à esquerda. Eu acredito que uma parte do direito internacional já questiona esta dimensão da globalização. Nas organizações internacionais já não se defende os paradigmas do liberalismo desenfreado, ou esse tipo de fundamentalismo. O risco, no entanto, é que agora se opõe ao fundamentalismo oceânico e à erradicação da terra e da comunidade.

O problema fundamental é, em vez disso, o reconhecimento do outro, para evitar uma noção de verdade que leva à crença de que aqueles sustentados por outros são apenas pseudo-verdades, que terão de se deparar com o que reconheço.

Em outras palavras, no caminho da verdade, a diversidade dos outros não é um obstáculo, mas um recurso. Hoje, a rota do Mediterrâneo, a desconstrução da oposição entre o fundamentalismo do mar e do solo, é uma sugestão essencial para lidar com a oposição mais sábia que tende a surgir no horizonte, que entre o leste e o oeste, entre o individualismo desenfreado e a prevalência desenfreada da totalidade. Não penso apenas no integralismo islâmico, mas sim nos chamados “valores asiáticos”. Penso que o problema hoje é o que o Oriente e o Ocidente pararam de demonizar e aprender a se reconhecer, mantendo a própria especificidade de todos. Mas para fazer isso, é necessário que o Ocidente reconstrua o valor do que é coletivo. Para evitar que o futuro possa ser apenas uma deriva anônima da individualidade, um indivíduo cada vez mais nómade e rebelde, e sempre orientado na direção oposta à reconstrução de qualquer vínculo social.

A filosofia de Gilles Deleuze, na minha opinião, é precisamente essa perspetiva: a exaltação desta decomposição progressiva da comunidade, vista como uma revolução molecular. Eu não concordo com este julgamento. Eu nem tenho a nostalgia da comunidade, e acho que mesmo aqueles que precedem a conceção holística e o interesse coletivo para o indivíduo devem ter um caminho simétrico. E depois aprender a reconhecer a liberdade e o valor da liberdade.

O problema é que precisamos tentar construir um código que permita o reconhecimento mútuo. E, deste ponto de vista, o Mediterrâneo é um elemento essencial porque nos dá um olhar crítico sobre nossas próprias patologias. Por exemplo, na mesma cultura ocidental, a noção de cidadania é uma noção chave, uma noção a partir da qual outras culturas também têm algo a aprender. Mas essa noção implica uma dialética forte entre direitos e deveres: os cidadãos são livres, mas também estão sujeitos a obrigações decorrentes de sua participação em uma comunidade. Creio que, nas últimas décadas, esta correspondência e essa dialética se decompõem em favor da exaltação unilateral da liberdade e dos direitos individuais. Um exemplo? As taxas são uma parte da nossa comunidade. Mas a revolta anti-fiscal tende, em muitos casos, a significar basicamente que os deveres coletivos devem enfraquecer em favor da auto-estima individual. Creio que tudo isso resulta na perda de fraternidade e coesão social, o crescimento das desigualdades, a multiplicação de patologias.

As patologias dos estados totalitários tinham todo um nome definido. O Lager e Gulags prenderam, colocaram. Os caminhos de mercado lançados, são chamados de exuberantes, movem-se de forma errática de um país para outro, dependendo dos interesses das grandes empresas e do capital financeiro. Estas são patologias sociais e políticas, mas são experimentadas como dramas individuais que não possuem uma forma de representação coletiva. No entanto, sua origem não é o indivíduo, mas a forma de vida. Eu repito: somos terra e somos mar, precisamos de proteção e cuidado, por um lado, e aspiração à liberdade e autonomia, por outro. Reconhecendo a importância deste equilíbrio, também significa se tornar mais capaz de se comunicar entre si.

Reconhecer e dialogar não significa tornar-se idêntico. É por isso que falo de universal multifacetado. Precisamos construir ferramentas através das quais coexistemos e nos conhecemos. Por exemplo, acredito que a China precisa conhecer o desenvolvimento dos sindicatos, os direitos dos trabalhadores e todas as formas de liberdade. Mas, ao mesmo tempo, os ocidentais devem lembrar que o respeito pelos direitos de todos os habitantes do planeta requer mudanças importantes em nossa forma de vida. É um território que devemos tentar atravessar, embora seja muito difícil porque é minado pelos antagonismos de interesses e diferenciais de poder nas diferentes áreas do mundo.

Estou convencido de que a recente crescimento do fundamentalismo religioso também surge do fracasso de uma estrada secular nos países islâmicos. Nas décadas de 1950 e 1960, falamos desses países como “países árabes”, enquanto hoje falamos deles como “países islâmicos”. Deve-se perguntar por que a religião em sua forma integral voltou a ser tão importante se o comportamento colonial do Ocidente não foi uma das causas do fracasso dessa estrada secular e se a estrada principal não precisa ser precisamente para superar esse diferencial de poder entre o Ocidente e esses países.

Para entender essa condição, é preciso tentar fazer uma experiência mental: se os poços de petróleo do Texas e do Alasca fossem controlados por soldados nos Emirados Árabes Unidos e a marinha militar desse estado controlasse o Oceano Atlântico para garantir seus próprios interesses, quanto o fundamentalismo religioso se espalharia nos Estados Unidos? Não é difícil pensar que, neste estado de coisas nos Estados Unidos, o integralismo, que já existe, torna-se muito mais forte. Ou seja, deve-se começar a pensar se a radicalização subjacente à integridade nem sequer surge da existência de uma assimetria de poder muito profunda. Portanto, deve-se pensar se uma redução dessa assimetria não poderia ajudar a abrir canais de comunicação entre culturas. Se eu dominar você e mantê-lo sob meu controle, é muito difícil nosso diálogo ser livre e tranquilo. Provavelmente o seu primeiro desejo será afastar-me, e se possível eliminar-me. E, assim, reconhecê-los também exige um reequilíbrio dos diferenciais de energia.



Citar este post
Pedro Pereira Leite (2017, 5 Outubro). 4. O conceito de fundamentalismo é aplicável ao capitalismo? Global Heritages. Recuperado em 19 de Junho de 2024, de https://doi.org/10.58079/p3d8

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.