3. Podemos interpretar o Mediterrâneo como uma oposição ao norte e ao oeste?

FC: Norte e Oeste trouxeram à vida dimensões importantes da experiência: ninguém nega isso. A crítica que pode ser tirada do ponto de vista do Mediterrâneo é que eles parecem ter abolido os outros dois pontos cardinais, leste e sul, definindo-os fundamentalmente como patologias, como algo que ainda não é suficientemente norte e a oeste.

O pensamento meridional, na interpretação específica do Mediterrâneo, é, em primeiro lugar, o nome deste mar, um marco que “medeia as terras”. Não há uma costa que possa dizer “mare nostrum”, uma expressão que não adoro, porque o “nostrum” do mar é latino, e é apenas uma língua. Para mim, a verdadeira língua do Mediterrâneo é uma multiplicidade de línguas, onde todos os países que enfrentam o Mediterrâneo falam e chamam este mar de acordo com a sua língua. Enquanto o mar nostrum era “nos maiestatis” dos latinos e, portanto, um gesto de invasão e posse, uma atitude que voltou com o fascismo na história da Itália.

Mas o fundamentalismo no noroeste não pode ser reagido dando origem a um fundamentalismo igual e simétrico. No mundo em que vivemos, o sul e o leste são representados de uma forma ou patológica ou caricatura. O problema do pensamento meridional é representar de outras maneiras as causas do Sul, tirá-lo dessa deformação, para tornar seu ponto de vista impassível pela espiral das demonizações, para tentar construir um equilíbrio.

O problema é como reconstruir este equilíbrio, à medida que eles começam a falar sobre culturas. Porque se todos dão um diálogo excludente para o outro, torna-se muito difícil. O diálogo é algo que surge no momento em que eu não acho que o outro é ruim, e, portanto, o único remédio é extingui-lo. E aqui é importante dar um passo para trás.

No pensamento meridional, venho de um caminho que começou com um livro que era importante para mim: Aproximação. Ele vem como um subtítulo dos Exercícios da Experiência do Outro. Este livro começa com uma tentativa de se colocar do ponto de vista dos animais, para ver como eles interpretam o mundo como eles o veem, lê-lo, eles o ouvem; e imediatamente depois repete o mesmo exercício para obter o ponto de vista de outras idades, outros sexos, outras culturas e outros personagens. Este exercício, este do ponto de vista do outro, é o oposto de qualquer fundamentalismo. Porque o integralismo é aquele que acredita que o outro é o mal, que deve ser reduzido ao mesmo e então excluído.

O Mediterrâneo lança uma mensagem dessas: reconheça e seja capaz de falar. Obviamente, essa tensão nunca se fecha como em Hegel, onde a tensão pretende incorporar a outra em si mesma, dando ao sujeito o título para expandir ainda mais. O outro está constantemente fora de mim. “Oxymoron” é uma figura absolutamente essencial. Devo saber que o meu ponto de vista é apenas uma parte do mundo[1].

Eu não gosto, na verdade, eu poderia dizer que eu temo todos aqueles que pensam que falar em nome da verdade absoluta, porque eles veem os outros como infiéis, idólatras. E, em seguida, de alguma forma, ideia guarda por que seria melhor para converter os outros, apagar a diferença. Os outros para mim são, em vez disso, uma grande riqueza, outro ponto de vista sobre o mundo.

Quase sempre nós puxamos Deus no centro das nossas discussões de serviços, para ser capaz de dizer “lutar em nome de Deus”, e ao fazê-lo melhorar a nossa forte relação com os outros. Mas a SS usava escrita em seus cintos, “Gott mit uns“, “Deus está connosco”. Uma vez escrevi que, se eu tivesse sido no lugar de Deus, eu teria gostado de enviar uma carta a todos aqueles que usam seu nome para impor-se aos outros, a dizer-lhes: “Não tenho nada a ver com essas coisas e, portanto, retirar a permissão de usar o meu nome!”

Aqui, creio eu, que Deus se manifesta através da minha língua, mas também se manifesta através dos outros, e, em seguida, a linguagem dos outros torna-se particularmente interessante. Eu não acho que as culturas devem permanecer fechadas em si mesmos, deve dialogar e aspiram a construir um universal, mas deve ser um universal a que todos dão uma contribuição, um universal de multi mãos. Assim, uma uni-versal que, em conflito com sua etimologia, não é constituída por uma única linha, mas é feito de várias maneiras, um multi-direção ou um multi-verso. Claro que é uma rota complicada, que se depara com vários problemas, alguns dos quais você mencionou que e, portanto, requer uma consideração especial.

Estou pensando na luta contra o fundamentalismo. Eu acho que é uma luta justa, mas somente se ele é realizado a 360 graus, contra todas as formas de fundamentalismo. Enquanto, por outro lado, na linguagem comum, é quase sinônimo da luta para um tipo de fundamentalismo, religioso e principalmente para o fundamentalismo islâmico. Eu certamente ver o tipo de fundamentalismo, mas também vejo o nosso fundamentalismo. Em outras palavras, não posso esquecer o primeiro gesto que fez Cristóvão Colombo quando chegou ‘na Índia’ é era para beijar sim a terra, mas, em seguida, batizado com o nome do seu Deus, porque “San Salvador” quer dizer fundamentalmente Cristo. Como se os nativos não tivessem já aquela terra, como se tivessem não um Deus. Estes excluir um do outro, cantando os louvores de civilização e progresso é uma prática que o Ocidente tem crescido constantemente. Aqui está o programa: Primeiro aprendemos a ver o nosso fundamentalismo, e depois podemos começar a derrotar o fundamentalismo dos outros. E isso significa que re-ler a história da nossa relação uns com os outros, interrompendo uma longa sequência em que foi apenas a parte inferior das aventuras de nossa cultura.

[1] Franco Cassano, Aproximação. Exercícios de experiência do outro (Bolonha: Il Mulino, 1989).

 



Citar este post
Pedro Pereira Leite (2017, 4 Outubro). 3. Podemos interpretar o Mediterrâneo como uma oposição ao norte e ao oeste? Global Heritages. Recuperado em 24 de Junho de 2024, de https://doi.org/10.58079/p3d7

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.