2. Pensamento Meridional e mediterrâneo

Você apresenta o tema do mar, e o sul do qual eu falo é um sul impensável sem o mar.

A ideia do mar que eu tenho é de alguma forma animada pelas reflexões de um grande filósofo, como Hegel, que diz que a própria Europa é impensável sem o mar. Mas a famosa expressão de Valéry, segundo a qual a Europa é o líder ocidental da Ásia, acaba por ilustrar essa especificidade do continente antigo, sendo mergulhada no mar.

Então, este tema do mar é um tópico muito importante. Eu acredito que este é o sublinhado que eu tentei dar, que uma parte significativa do pensamento grego é impensável sem o mar. É impensável sem esse elemento de “infidelidade” que existe em todas as cidades do mar, a partir da qual começam, que tornam os homens irredutíveis à vitalidade da identidade orgânica e da chantagem do lugar onde nasceram, onde vivem . Começar é um elemento de mobilidade e liberdade.

Eu, portanto, acredito que uma dimensão muito importante na história do mundo surgiu no mar e que a liberdade coincide com a dúvida e com a ideia de um conhecimento que não está mais baseado na revelação, mas na reflexão e na discussão. Um pensamento, portanto, constantemente instável, como o mar, e constantemente precisava ser redefinido.

Porque também acredito que há uma forte conexão entre filosofia e democracia: a suposição comum de que uma verdade só pode vir com base em uma discussão gratuita. E este sublinhado dá ao sul uma impressão muito forte, porque é subtraído de uma oposição clássica que caracteriza parte do pensamento político no início dos anos 1900, a oposição, concentrando-se na geopolítica, mas não Apenas a partir dele, entre as culturas marinhas, dizemos covardes e culturas terrestres. O contraste entre o pensamento do telúrio e o pensamento do oceano, enfatizado radicalmente por Carl Schmitt, a oposição entre as culturas de identidade / comunidade e as culturas de liberdade / erradicação.

O Mediterrâneo subjuga essa oposição a muitos aspetos do apocalipticismo porque está em conjunto, como o nome sugere, terra e mar. E, portanto, é definitivamente a identidade, mas ao mesmo tempo um enfraquecimento da identidade, porque o mar é a ideia inicial.

Mas o Mediterrâneo não é um mar em que você deixa para não retornar mais, porque nela a partida está passando o retorno. Portanto, é uma mediação entre essas duas polaridades, porque marca uma infidelidade com as culturas de identidade étnica ou religiosa, dessa identidade que se integra com você e não lhe dá possibilidade de movimento.

Nesta conceção, todo indivíduo é como uma parede de tijolos, ele nunca o abandona, a menos que lhe implique um trauma, fazendo com que ele colapse. Estas são as culturas em que a liberdade individual é vista como uma traição. E estas são as culturas de identidade, nas quais prevalece o elemento da Terra. As culturas oceânicas são aquelas em que a partida é sem retorno, a liberdade é destinada a uma erradicação progressiva, na qual a dimensão comum da vida desaparece em favor de um individualismo cada vez mais onerado e tendencialmente anômalo.

No utilitarismo radical que anima a economia e o mercado, e na obsessão do sucesso individual a qualquer custo, vejo o alongamento que domina essas culturas oceânicas. O Mediterrâneo, mas acho que também diz respeito à Europa, é o portador de um equilíbrio entre terra e mar. O herói do Mediterrâneo começa, mas retorna e está dividido para a direita. Ulisses, quando ele está fora de casa, arrepende-se de voltar, mas quando ele finalmente retorna ele é retomado pelo desejo de sair. E, portanto, ele é sempre marcado por essa tensão, o tamanho daqueles que vivem na fronteira, cuja forma de consciência é muito diferente daqueles que vivem em um retângulo estabelecido no centro: aqueles que vivem no centro de uma identidade são cercados por exatamente as mesmas pessoas para ele; Os que vivem na fronteira são obrigados a confrontar-se.

É por isso que o Mediterrâneo é um mar particularmente importante e interessante porque sempre foi um ponto de contato e conflito em que é impossível escapar do relacionamento entre si, embora essa relação tenha atravessado estações muito diferentes. Então, nesta relação entre terra e mar, o Mediterrâneo possui sua própria especificidade. Esse equilíbrio de equilíbrio entre terra e mar, de relacionamento com o outro, no Mediterrâneo é acentuado, mas não acho que seja sua característica exclusiva. Parece-me que este equilíbrio é um dos grandes problemas contemporâneos: como podemos garantir que os vários povos da terra se encontrem sem abandonar a sua identidade, sem mesmo se bloquear nele de forma integralista, tornando-se presa de um Rejeição do outro?

E assim o problema se torna como construir pontes, comunicações e versões da própria cultura que estão abertas para o outro. Eu acredito que as culturas não são monoblocos cercados por uma essência intangível e imutável, mas de assembleias complexas, nas quais eles podem prevalecer e conquistar hegemonia interpretações muito diferentes. O relacionamento uns com os outros não significa necessariamente abandonar sua própria cultura, mas oferece a capacidade de reinterpretá-la, reformá-la, mantendo os elementos essenciais dela, construindo uma versão mais capaz para se comunicar uns com os outros e aprender disso, mais capaz de evitar o fechamento. Esta interação entre as culturas no Mediterrâneo tem sido recorrente, mas não acho que seja exclusivo, um tipo de experiência que não era conhecida em outros lugares. Além disso, o Mediterrâneo ainda é uma fronteira entre o noroeste e o sudeste do mundo, e em alguns aspetos, mesmo que seja um mar local, é o epicentro de um problema global.



Citar este post
Pedro Pereira Leite (2017, 3 Outubro). 2. Pensamento Meridional e mediterrâneo. Global Heritages. Recuperado em 23 de Junho de 2024, de https://doi.org/10.58079/p3d6

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.