O que é o pensamento meridional de Franco Cassano

O que é o “pensamento meridional” para Franco Cassano hoje?

O pensamento meridional é uma forma de pensamento crítico ao tipo de olhar dominante na cultura contemporânea, um vislumbre através do qual o norte define a realidade, define o tempo, define as características do futuro, define o outro [1]. Publicado sete anos depois do fim do conflito leste-oeste e do colapso do comunismo, é uma resposta ao livro de Fukujama “O fim da história”

A crítica do Pensamento Meridional ao ponto de visão eurocêntrico ano é que a visão do fim da história é um posicionamento errado como leitura da história e do presente. Propões um outro angulo de leitura, a partir dum olhar do sul como posicionamento, como programa de pesquisa. Pretende-se analisar a história do ponto de vista dessa parte do mundo, um mundo que não é o protagonista do desenvolvimento e onde estão a surgir narrativas alternativas ao desenvolvimento.

O sul é um espaço de pluralidades, um espaço de problemas e um espaço de outros tempos. O objetivo do pensamento meridional é conectar-se com essa diversidade e riqueza de prespetiva, sem pretensão de representá-la de forma abrangente, mas usa-la como perspetiva.

A crítica ao desenvolvimento, como ideia dominante de um único caminho em que todo o mundo, gradualmente se torna Norte, coloca a questão de que apenas o norte poderia de alguma forma governar todo o processo de desenvolvimento, e é necessário introduzir uma pluralidade de pontos de vista.

O sul, deste ponto de vista, é muito diferente. Em primeiro lugar, recusa essa ideia a ser incluída em uma conceção temporal em que o sul é apenas o passado do norte e ainda não norte. É, portanto, uma reivindicação de autonomia, um sublinhado das diferenças e, em alguns aspetos, também uma crítica de alguns aspetos da modernidade.

Um tema que se tornou mais conhecido, na sequência de uma discussão que deu origen a muitas outras, é a crítica da aceleração da experiência como característica fundamental da modernidade. O Sul tem uma ideia mais lenta no mundo e, em geral os que defendem a velocidade pensam que a lentidão é sinônimo de atraso, algo que possui uma dimensão cultural ainda imperfeita. A lentidão é um ponto de vista sobre o mundo, uma forma de vida que mantém as experiências que, com a crescente velocidade da vida, desaparecem.

O pensamento meridional propõe que existem dimensões de experiência que correm o risco de serem destruídas pela progressiva aceleração e modernização do mundo.  É importante preservar formas de viver com o tempo. Não pela preservação em si, mas para dar ao mundo em que queremos viver uma dimensão mais rica, mais articulada, mais plural do que a que é entregue no único pensamento, que governa e governou durante muito tempo nosso imaginário numa metáfora de colonização dos imaginários. Portanto, o pensamento meridional propõe, em primeiro lugar, tentar descolonizar o imaginário.

O que não envolve uma crítica frontal à modernidade nem uma proposta nostálgica de regresso à tradição. Propõe simplesmente significa criar autonomia em relação à forma de modernidade dominante. E a convicção de que esta forma pode ser profundamente alterada, mesmo através do patrimônio cultural dos povos do sul, que não está de modo algum relacionado a uma mera soma de repressões e superstições.

Tipicamente na imaginação do Norte, o sul existe apenas como paraíso turístico ou como um inferno mafioso. São duas imagens perfeitamente complementares. Você vai no sul de férias porque o sul oferece muitas atrações: há o clima, há o sol, muitas vezes é o mar, existe a possibilidade de escapar da disciplina e do estresse de um ano trabalhando. E ao mesmo tempo, no entanto, durante o inverno, a ideia de um sul desesperadamente firme domina, dominada por patologias sociais insuperáveis. Aqui, o pensamento meridional é a ideia de que o sul pode ser algo muito diferente e muito mais do que essas duas imagens, que pode se tornar um assunto autônomo, pode se tornar o protagonista, pode seguir a estrada de modernidade de uma maneira absolutamente original.

[1] Cassiano, Franco (1996). Il pensiero meridional



Citar este post
Pedro Pereira Leite (2017, 2 Outubro). O que é o pensamento meridional de Franco Cassano. Global Heritages. Recuperado em 24 de Junho de 2024, de https://doi.org/10.58079/p3d5

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.