Seis estudos de psicologia de Jean Piaget

Seis Estudos da Psicologia

Toda a necessidade leva a incorporar as coisas á atividade do sujeito (assimilar), e reajustar as últimas em função das transformações ocorridas (acomoda-las). A percepção e movimentos elementares (preensão), já que a memória e a inteligência reconstroem o estado anterior e antecipa as transformações futuras. A estrutura de assimilação vai várias das formas de incorporação, percepção e movimento até as operações superiores, podem dizer “adaptação”, ao equilíbrio da assimilação e acomodação.

A 1ª Infância ( 2 a 7 anos )

Com o aparecimento da linguagem as condutas afetivas e intelectuais, a capacidade de reconstruir e de antecipar suas ações futuras, resulta o inicio da socialização, a aparição do pensamento e  perceptiva e motora. A criança se acha em dois mundos novos, o mundo social e o das representações interiores, a criança reagirá às relações sociais, se adaptando às leis de equilíbrio, uma repetição parcial dos mecanismos íntimos da evolução mental.

Piaget cita Baldiw que diz, “os exemplos vindos do alto serão modelos que a criança deverá procurar copiar ou igualar”, aos aos 7 anos as crianças não sabem discutir entre elas, com dificuldade colocar seu ponto de vista, como se falando para sí mesma. A criança fala a si própria, sem cessar, em monólogos, em seus jogos e sua atividade, que constituem uma linguagem espontânea entre crianças de 3 a 4 anos, diminuindo por volta dos 7 anos.

Em função destas modificações gerais da ação, assiste-se a 1 infância a uma transformação da inteligência , de senso-motor influência da linguagem e socialização, permitindo contar suas ações.

A linguagem é um veículo de conceitos e noções que pertence a todos e reforça o pensamento individual de pensamento coletivo, durante as idades de 2 a 7 anos, encontra-se as transições entre duas formas de pensamento, sendo que a segunda domina a primeira.

No nível de vida coletiva ( 7 a 12 anos), as crianças constituem jogos caracterizados por obrigações comuns ( regras de jogo ), é o jogo simbólico ou jogo da imitação, sua função consiste em satisfazer o eu por meio de transformação real em função dos desejos.

A forma de pensamento mais adaptada que a criança conhece é o pensamento intuitivo (pois a intuição é a lógica da 1ª infância), para saber como a criança pensa espontaneamente, basta saber onde se encontram os objetos desejados e como se chama as coisas os “por quês “, que o adulto tem dificuldade de responder.

Um dos motivos dos por quês infantis tão obscuros para a consciência adulta, que explica as dificuldades para responder as crianças, “essas perguntas se relaciona a fenômenos que não comportam precisamente porquês, já que ocorrem ao acaso”, pois não há acaso na natureza, tudo é feito para os homens e crianças, no qual o ser humano é o centro.

Toda a causalidade desenvolvida na 1 infância participa das mesmas características “a indiferenciação entre o psíquico e o físico e egocentrismo intelectual “, até cerca de 7 anos a criança permanece pré-lógica e suplementa a lógica pelo mecanismo da intuição, todo hábito é irreversível, portanto é normal que o pensamento da criança comece por ser irreversível.

No nível de desenvolvimento há 3 novidades afetivas ( afeições, simpátias e antipatias ), ligadas a socialização das ações entre adultos e crianças. O interesse é a orientação própria a todo ato de assimilação mental, “ incorporar entre o objeto a atividade do sujeito”, assim o interesse começa com a vida psíquica, desempenhado papel essencial do desenvolvimento da inteligência senso-motor “.

O interesse apresenta dois aspectos, é regulador de energia, pois mobiliza as reservas internas de força, para que um trabalho interesse para parecer fácil e para que a fadiga diminua, por isso que os escolares alcançam um rendimento melhor quando tem haver com seus interesses e os conhecimentos correspondam as suas necessidades. Assim durante a 1 infância se nota o interesse através das palavras, desenhos, das imagens, dos ritmos, de certos exercícios físicos.

Os interesses estão ligados aos sentimentos de auto-valorização, sentimentos de inferioridade ou superioridade, assim que se torna possível a comunicação entre a criança e o meio ambiente, um jogo sutil de simpatias e antipatias vai se desenvolver, havendo simpatias em relação as pessoas que respondem aos interesses do sujeito e que o valorizam, inversamente, a antipatia nasce da ausência de gostos comuns e da escala de valores.

Quanto ao amor da criança por seus pais, os laços de sangue estão longe de poder explicar, se não considerar a íntima comunidade de valorização que faz com que todos os valores das crianças sejam moldados à imagem dos pais.

A primeira moral da criança é a da obediência, a vontade dos pais, a moral da 1 infância fica dependente de uma vontade exterior (pais).

A  2ª Infância de   ( 7 a 12 anos )

Na idade média de 7 anos observa-se o aparecimento de formas de organização novas, um equilíbrio mais estável uma serie de novas construções. A criança depois dos 7 anos, torna-se capaz de cooperar, por que não confunde mais seu próprio ponto de vista com os dos outros, as discussões tornam-se possíveis, por que comportam compreensão, quanto ao comportamento coletivo constata-se que depois dos 7 anos notável mudança nas atitudes sociais.
O essencial é que a criança a partir dos 7 ou 8 anos se torna suscetível a um começo de reflexão, pois começa a se liberar do egocentrismo social e intelectual, tornando-se capaz de novas coordenações que será importante para a inteligência e afetividade.
As operações do pensamento depois dos 7 anos correspondem à intuição, que é a forma de equilíbrio que o pensamento atinge na 1 infância, por volta dos 7 anos se constitui uma série destes sistemas de conjunto que transformam as intuições em operações de todas as espécies, é o que explica as transformações do pensamento.
É preciso esperar os 9 anos para se obter uma seriação dos pesos ( tamanhos iguais), e 11 ou 12 anos para chegar à mesma conclusão quanto ao volume.
Resumindo basta que a criança se interesse por um trabalho para achar as forças necessárias para fazê-lo, enquanto que o desinteresse cessa o emprego desta energia.

                                             A  Adolescência ( 12 a 17 anos )

As reflexões poderiam levar a crer que o desenvolvimento mental termina por volta dos 11 ou 12 anos, e que a adolescência é simplesmente uma crise passageira, devido à puberdade que separa a infância da idade adulta. A maturação do instinto sexual é marcada por desequilíbrios momentâneos, que dão um colorido a todo este ultimo período da evolução psíquica.
As conquistas da adolescência asseguram ao pensamento e a afetividade um equilíbrio superior ao que existia na 2 infância, os adolescentes tem poderes multiplicados, inicialmente perturbam a afetividade e o pensamento, mas depois os fortalecem.
Ele constrói sistemas e teorias, sendo que a criança não, ela os tem inconsciente, já que a criança não os reflete. O que surpreende no adolescente é o seu interesse por problemas inaturais, sem relação com seu dia a dia, e o que espanta é sua facilidade de elaborar teorias abstratas.
Por volta de 11 a 12 anos efetua-se uma transformação fundamental no pensamento da criança, que marca o termino das operações construídas durante a segunda infância, é a passagem do pensamento concreto para o formal “ hipotético-dedutivo”.
Ora, após os 11 ou 12 anos, o pensamento formal torna-se possível, as operações lógicas começam a ser transpostas do plano da manipulação concreta para o das idéias, expressas em palavras ou dos símbolos matemáticos.
As operações formais fornecem ao pensamento um novo poder, que consiste em libertá-lo, permitindo construir as suas reflexões e teorias, a inteligência formal marca a libertação do pensamento, está é uma das novidades essenciais que opõe a adolescência à infância “a livre atividade da reflexão espontânea”.
A capacidade da vida mental começa por incorporar o mundo em uma assimilação egocêntrica, para só depois atingir o equilíbrio, através de uma acomodação ao real. O equilíbrio é atingido quando a reflexão compreende que sua função não e contradisser, mas se adiantar a interpretar a experiência.
A vida afetiva do adolescente afirma-se através da dupla conquista da personalidade e de sua inserção na sociedade adulta, chegando até a fazer da personalidade um produto social, estando ligado ao papel que desempenha na sociedade.
A personalidade começa no fim da infância 8 a 12 anos com a organização autônoma das regras, dos valores e a afirmação da vontade, com regulação e moral das tendências, funcionamento como disciplina para a vontade e cooperação.
A criança pequena traz tudo para si, sem o saber, sentindo se inferior ao adulto e aos mais velhos que imita, já o adolescente ao contrario, graças sua personalidade em formação, coloca-se em igualdade com seus mais velhos, mas sentindo-se outro, diferente deles, pela vida nova que o agita, então quer ultrapassa-los e espanta-los, transformando o mundo.
Em geral, o adolescente pretende inserir-se na sociedade dos adultos por meio de projetos, de programas de vida, de sistemas muitas vezes teóricos, assim quando se reduz à puberdade, está atingindo uma renovação total que o caracteriza, certamente, o adolescente descobre em certo sentindo o amor.
Na realidade a tendência mais profunda de toda atividade humana é a marcha para o equilíbrio, reunindo a inteligência e a afetividade.

                                  Os estágios de desenvolvimento de Piaget

1)                      Sensório-motor – 0 a 2 anos – crescimento intelectual nas ações motoras e sensórias das crianças, ( permanência de objetos), o bebê procuram e encontram objetos escondidos.

2)                      Pré operacional – 2 a 7 anos –  nesse período entendem as técnicas simbólicas (2 a 4 anos), aparecendo o jogo imaginativo, nessa fase dominam os símbolos e representações, mas não usam de forma ser entendidos ( 18 a 24 meses), e o período intuitivo ( 4 a 7 anos).

3)                      Operações concretas – 7 a 11 anos – o uso de operações, nesse período desenvolve o intelectual, noções de tempo, espaço, velocidade, racionam bastante com materiais concretos, a medida que se desenvolvem as operações se tornam características do seu pensamento, ficando evidente nas resoluções de problemas e na interação social.

4)                      Operações formais – 11 a 15 anos – por volta da adolescência, já elaboram e desconfiam, raciocinam a partir de afirmações, com dificuldades com alternativas/formular hipóteses e o egocentrismo (incapacidade de diferenciar o sujeito do objeto ).

Obs: A cada salto de estágio (transições), acontece o surgimento gradual de novas técnicas, experiências cumulativas de pensamento, as mudanças no desenvolvimento de como se conhece e compreende seu mundo, a estrutura da inteligência muda a medida que a criança se adapta para incorporar novas informações.

  • Piaget, Jean – Seis Estudos da Psicologia – ( 1997 );

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.