Arborismo e Desporto

Introdução

arvorismo ( arborismo ) é um circuito radical, em que o praticante atravessa um circuito de plataformas entre árvores, por meio de cordas, pontes entre outros métodos, superando diversos obstáculos, podendo ser até sobre um lago, sendo uma atividade muito utilizada no turismo de aventura, para lazer e recreação e estudos da fauna e flora das áreas mais altas da floresta.

O arvorismo surgiu nos anos 80 na Costa Rica para facilitar as pesquisas e uma maior praticidade, evitando subidas e descidas constantes, buscando formas de permanecer e transpor as copas das arvores, através das técnicas verticais,  usando cordas, cadeirinhas, mosquetões, polias etc, pois os cientistas necessitavam de formas para pesquisar a fauna e a flora, observando/coletando animais silvestres, fungos, folhas, e outros organismos que se encontravam nas copas das árvores.

Hoje temos três tipos de arvorismo, sendo o arvorismo técnico realizado por pessoas experientes em técnicas verticais, que tem seus próprios equipamentos e cujo objetivo é subir ou transpor as copas das arvores, o acrobático, que é uma extensão do técnico, criado para o entretenimento, onde os obstáculos a serem transpostos contam com certo grau de dificuldade, o contemplativo,  em que o objetivo é observar a natureza em percursos de baixa dificuldade, construídos com passarelas firmes, proteções laterais de redes e amplas plataformas de parada, e ssa modalidade não requer equipamentos de segurança e o guia da atividade costuma ser um biólogo que ajuda o praticante a ter um contato direto com a natureza, apreciando a paisagem.  A sua aplicação hoje vai desde dinâmicas empresariais de recursos humanos até corridas de aventura, proporcionando aventura aos participantes ao mesmo tempo em que promove uma forte integração com o meio natural, ajudando no desenvolvimento de uma consciência de preservação ambiental.

A segurança é uma preocupação, sendo realizada por meio de equipamentos como capacete, corda, cadeirinha, mosquetões e polias, sendo de extrema importância a atuação de profissionais capacitados, que saibam adequar segurança e preservação, para haver o mínimo impacto ambiental.

No Brasil apareceu o primeiro circuito de arvorismo em Brotas (SP) em 2001, em cima de postes de eucaliptos, e hoje temos diversas opções para quem quer aderir à prática.

Todas as pessoas podem praticar o arborismo, inclusive crianças a partir de 4 anos ( com equipamentos adequados e específicos a essa idade), pois não é necessária nenhuma experiência anterior.

  1. Descrição do Arvorismo

Encontrei pela internet um local em Igaratá, há 90 km de São Paulo, Hotel Águas de Igaratá que possui vária atividades de aventura e esportes radicais, liguei tirei informações e decidi ir realizar minha atividade de aventura,  aproveitei e convidei dois amigos da faculdade que também tinham que realizar a atividadede para irmos juntos.

No dia 14/11/11 o dia já manheceu muito chuvoso, pensei em cancelar a atividade, mas só tinha essa data para realizar a vivência, então liguei no hotel e fui informado que lá não estava chovendo, decidi ir, liguei para os meninos, porém só encontrei um, saímos da Penha-SP as 12:30hs, fomos pela via Dutra, depois pela Dom Pedro I até Igaratá, chegamos na cidade por volta das 13:30hs, contudo ninguem conseguia explicar como chegar ao hotel, nosso mapa estava errado, após ficarmos uma hora rodando no meio do barro, no meio da mata, conseguimos achar o local.

Entramos literalmente dentro da mata, pois o hotel se localiza na margem de uma repressa enorme, fomos conduzidos ao condutor das atividades de aventura (Zé), que já de primeiro olhar percebi que não era um profissional formado, oque o mesmo depois em conversa confirmou, dizendo ser morador e devido sua experiência e conhecimento do local trabalhava nesta área.

O meu amigo (Wagner), foi o primeiro a realizar a atividade ele saltou de uma tirolesa enorme por cima da represa, atravessei de barco com o Zé para tirar fotos e filmar a sua chegada, já venci outro medo, andar de barco, porém percebi que não havia nem cinto de segurança, nem colete salva-vidas no barco, chegando do outro lado, gravei a descida do Wagner (sensacional), depois voltamos os três de barco para outra margem.

Fui então realizar minha atividade de aventura, o arvorismo, o Zé colocou o equipamento de segurança pelas minhas pernas e cintura, e explicou como realizar a passagem com segurança, subi na arvoré por uma escada e comecei a travessia, de cara percebi que o equilibrio e a força comandavam a atividade, no inicio até foi fácil, mas a cada etapa ficava mais dificil, pois mudava os apoio dos pés, aos poucos fui ganhando confiança e superando meu medo de altura, já no fim, onde os apoios eram tocos o equilibrio era quase impossível, tinha que se usar muita força para controlar o corpo, meu medo de altura ficou evidente, mas fui forte e venci meus medos e completei o trajeto, desci da arvoré e o Zé retirou todo o equipamento de segurança, essa vivência me fez vencer meus medos de muitos anos, percebi que crescia muito nesse dia, além da atividade me proporcionar um íntimo contato com a natureza, com a emoção e a superação de desafios, sem contar que exigiu muita coordenação, equilíbrio e uma dose de coragem, também foi uma forma de gastar energia e se exercitar, a atividade se caracterizou como uma atividade de recreação e não de competição, foi um vivência muito legal e interessante. Logo após fizemos um pequeno lanche e voltamos para São Paulo, a volta foi tranquila, pois já sabíamos o caminho, ainda podemos observar a beleza da natureza a nossa volta, um lugar onde o homem ainda não chegou por completo, por isso sua beleza ainda estava intacta, chegamos por volta das 17hs, foi uma experiência muita legal.

  1. Relação Teoria e Prática

Segundo Schwartz (2006) as atividades de aventura na natureza possuem características que possibilita o distanciamento temporário dos padrões cotidianos, das emoções diversificadas e proporciona o enfrentamento de simulações espaldadas na criação de novas respostas, o que nos leva a vivenciar emoções para que possamos desligar da rotina diária e nos convida sempre a superar limites, assim baseado em Schwartz, podemos por meio das atividades de aventura desenvolver nosso lado profissional e familiar, nos fazendo entender que certos medos podem ser superados.

        Goleman, (1995), diz “que a prática de atividades de aventura ao ar livre podem proporcionar diversas sensações e emoções aos praticantes”,  baseado nisso,  devemos vivenciar mais momentos proximos a natureza, assim poderemos conhecer novos sentimentos, agregando-os a nossa vida.

  Marinho (2001) relata ” que os participantes envolvem-se em um jogo de representação de sobrevivência e superação de desafios, que remetem às necessidades diárias de coragem, interação e pertencimento grupal, tomada de decisão colaboração e outras “, assim através dessas atividades aprendemos a lidar e vencer situações complicadas do nosso dia-a-dia.

        Tubino (1992) chama a atenção para a preocupação dos ambientalistas com a possibilidade de exaustão dos ambientes onde são praticados essas atividades, pensando dessa forma , se hoje é visto pela sociedade pelos seus benefícios, logo poderá ser modificado senão for cuidado com responsabilidades, tanto de preservação, como de suporte de capacidade de uso, tendo suas limitações.

           Costa (1998) afirma que embora divulguem que as práticas junto à natureza são preservacionistas, ainda sim há o risco de haver um desequilíbrio nos ecossistemas devido à construção de infra-estruturas de apoio à sua realização, assim senão for realizado um estudo tanto ecologico, como estrutural para a criação de novos parques e hotéis, o meio ambiente não suportará tanta degradação.

Assim, baseado em citações e em minha experiência, posso concluir que novas emoções e sensibilidades poderão nos conduzir a diferentes formas de percepção e de comunicação com o meio em que vivemos,  sendo de extrema importancia compreender os  significados da relação dos seres humanos junto à natureza, por estes fatos, as atividades de aventura podem nos conduzir por vários caminhos, nos fornecendo ferramenta de aprendizagem para evolução do nosso ser.

Considerações Finais

Quando fiquei sabendo que teria que fazer uma atividade de arvorismo, percebi que podia ser a chance de experimentar uma atividade de aventura e natureza. De cara me senti meio inseguro, pois tenho medo de altura, mas percebi  que teria que vencer este medo na hora., por fim acabei fazendo o exercício na copa das árvores, observando a natureza de um jeito totalmente diferente, havia vários obstáculos cuja dificuldade aumentava gradativamente, o que fazia da prática um verdadeiro desafio.

Pode-se considerar que o fator mais verificado foi as emoções após cada fase do percurso realizado, experiências perigosas e arriscadas, mas se tratadas com segurança podem proporcionar diversas sensações de felicidades e bom humor, podendo ser manipuladas para que possa ser usadas no dia a dia.

Quando as pessoas têm a possibilidade de vivenciar situações emocionalmente ricas, como esta que realizei, pode-se estimular a melhora nas reações interpessoais, sem deixar de lado a necessidade de ter um trabalho, dinheiro, o que comanda a sociedade. Durante a vida, sendo um estudante, um trabalhador ou até mesmo na relação afetiva, as pessoas passam por diversos tipos de sensações e emoções, e estas, precisam ser bem desenvolvidas para uma boa formação profissional.

Assim, vivenciando sensações e emoções durante a prática de atividades de aventuras e dinâmicas podem proporcionar um melhora na vida social como na particular, finalizando, vale ressaltar a importância dos estudos sobre os estados emocionais e a prática de atividades ao ar livre, em especial nas atividades de aventura, devido a pouca quantidade de publicações disponíveis.

   Hoje muitas práticas deixam de ser realizadas em espaços naturais, por que os responsáveis pela administração não possuem conhecimento de quais impactos ambientais e quais atividades podem ser realizadas, deve ser fundamental saber os pontos positivos e negativos em relação ao meio natural,  pois a primeira visão é que as atividades de aventura  degradam os ambientes naturais, porém bem administradas e vistoriadas podem ser realizadas com segurança.

Para que isso seja modificado é essencial que os profissionais de educação física, juntos a profissionais das diversas áreas que interajam com o meio natural, aprofundem-se nessas questões, fazendo um planejamento adequado das atividades realizadas no meio natural, visando a prevenção, e a minimização das ocorrência de danos ambientais.

                                                               7

Bibliografia

  • Aventura Segura – Manual de Boas Práticas – Volume 4 – Arvorismo; http://www.abeta.com.br/;
  • Costa,V. L.de M. – As Representações de Aventura e de Espaço Lúdico entre Praticantes de Atividades Físicas e Esportivas de Risco e Aventura na Natureza – Ensaios Etnográficos. Brasília: INDESP;
  • Greenpace – Reforça o conceito de evento ecologicamente/ www.greenpeace.org.br;
  •  Lazer, Natureza e Aventura – Compartilhando Emoções e Compromissos – Rev. Bras. Cienc. Esporte, v. 22, n. 2, p. 143-153, jan. 2001;
  • Movimentium – Revista Digital de Educação Física – Ipatinga – MG – V.3-Dez.2008;
  •   Pereira, Dimitri Wuo e Armbrust, Igor – A Pedagogia da Aventura – Os Esportes Radicais de Aventura e de Ação na Escola – Ed. Fontoura –  2010;
  •  Tubino, M. Uma Visão Paradigmática das Perspectivas do Esporte para o Início do Século XXI – Campinas: Papirus, 1992. p. 125-139.


Citar este post
Pedro Pereira Leite (2017, 28 Setembro). Arborismo e Desporto. Global Heritages. Recuperado em 25 de Junho de 2024, de https://doi.org/10.58079/p3d1

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.