O desafio das escalas de governação XVI

Um outro desafio das cidades, sobretudo das áreas metropolitanas é o das escalas de decisão e governação. Hoje, em todo o mundo, o crescimento urbano tem levado à concentração de grandes espaços urbanos. Alguns centros urbanos, que ainda há pouco tempo eram grandes cidades que irradiavam uma forte influência para áreas periféricas, são hoje metrópoles interconectadas. Por exemplo São Paulo e Rio de Janeiro, Macau e Hong-Kong, Joanesburgo e Pretória, Nove York e New Jersey. Lisboa e Setúbal.

Um pouco por todo o mundo é hoje possível ver que as definições administrativas das cidades estão, neste lugares, desadequadas às formas de economia que estão a acontecer nestas cidades. Isso tem elevado custos sociais e é necessário pensar que forma estas fronteira fazem sentido. Uma área metropolitana pode incluir várias cidades, várias vilas, vários espaços rurais, ligado por uma dinâmica económica e social. As infraestruturas têm que ser comuns e os sistemas de planeamento e governação devem, tanto quanto possível ser integrados.

Lisboa tem hoje cerca de meio milhão de habitantes. Tem estado em perda desde os anos oitenta. A sua periferia, na área metropolitana de Lisboa, residem cerca de 2,5 milhões de pessoas. Faz algum sentido pensar em formas de governação para este espaço de atividade económica e social. Sistemas de taxas em comum, processos de inclusão social, planeamento de equipamentos coletivos, etc. Sabemos que a criação de fronteiras tem produzido formam diferenciadas de gestão de equipamentos sociais, diferente qualidade de serviços. Lugares que são mais atrativos do que outros. Ao afirmamos que o princípio da inclusão é uma dos pilares da ação social, a sua expressão territorial tem que promover a inclusão dos territórios. Por exemplo, as redes de transporte e acessibilidade devem ser pensadas num escala de serviço ao utilizador, em função dos fluxos e das necessidades. Os sistemas têm que ser multimodais e multifuncionais.



Citar este post
Pedro Pereira Leite (2017, 16 Setembro). O desafio das escalas de governação XVI. Global Heritages. Recuperado em 19 de Junho de 2024, de https://doi.org/10.58079/p3co

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.