Cidades de Saúde e Bem-estar XII

Uma cidade no âmbito dos ODS terá que ser uma cidade que facilite a saúde global e seja um lugar de prazer para viver. As cidades do século XX foram cidades do automóvel, tal como no ´seculo XIX foram cidades das carruagens. As cidades antigos, de ruas estreitas e sinuosas deram lugar, no século XVIII a cidades planeadas para o transporte. A cidade reticulada é o modelo de cidade planeada, porque é o modelo que otimiza as comunicações entre o máximo de pontos no seu interior. Este modelo, na era do automóvel, continuou a ser desenvolvido, separando os fluxos de tráfico e comunicação. As cidades do século XIX tinha os grandes Bulevares e Avenidas, rematadas por praças, onde afluíam as artérias locais. No seculo XX, as cidades viram crescem autoestradas que comunicavam entre si, emergindo viadutos e diferentes níveis de canais, separando os fluxos e os tipos de transportes. O modelo da cidade americana, baseada no automóvel individual espalhou-se por todo o mundo como modelo de modernidade. Quando de quer ir au lugar, vaia-se de carro. Vai-se de carro para o trabalho, para os lugares de comércio, para os lugares de lazer. O modelo de cidade separa áreas funcionais: Habitação, comércio, serviços. Sai-se de casa de carro e regressa-se a casa de carro. O ideal do modelo é individual. Resultado que ao longo do século XX tem vindo a produzir cidades com longos e morosos engarrafamentos, nas horas de ponta. Nas vias de maior afluência, é quase uma constante diária. Um modelo que se está alastrou para todas as cidades no mundo. São Paulo, cidade do México, Pequim, Nova Deli, Lagos são hoje cidades congestionadas até aos seus limites e as pessoas viajam de parque de estacionamento em parque de estacionamento.

Em termos do desenvolvimento sustentável isto tem que ser alterado. Não é apenas porque este modo de vida está baseado num consumo de energia fóssil para os combustíveis, (petróleo) que aumentam as emissões de combustíveis fósseis e a poluição ambiental. Para além dos encargos que esse modelo tem para a família, em termos de custos energéticos que tem que suportar, esse é também um modo de vida nada saudável, na medida em que estimula o sedentarismo.

O estilo de vida sedentário, que os países de elevada renda económica tem vindo a disseminar por todo o mundo, tem vindo a contribuir para o aumenta da obesidade. Uma epidemia que tem vindo a contribuir para o aumento das despesas nas famílias.

São estilos de vida que são caros para as famílias, poucos saudáveis do ponto de vista da saúde, e produzem muitos tempos inúteis, em deslocações e inércia, e ambientalmente pouco sustentáveis. O futuro da sociedade tem que difundir nas cidades um outro modelo de organização, que evita estas situações.

Esse movimento já está a suceder em algumas cidades. Os casais jovens estão a regressar ao centro das cidades, a tornar estes centros mais dinâmicos em termos económicos. O urbanismo moderno já contempla nos dias de hoje um pensamento sobre mobilidade não automobilizada, circuitos pedonais. Cidades em que os serviços de conveniência se encontram perto, que estimula a economia e o emprego local. Cidades culturais onde as pessoas usam o espaço público para o seu lazer em conjunto. São estas cidades que se estão a tornar atrativas nos tempos de hoje. É necessário pensar e desenvolver este modelo em escalas mais alargadas, sobretudo, nos países onde o crescimento urbano está a ser dirigido por uma lógica imobiliária, sem que a devida atenção a um ordenamento de território sustentável.



Citar este post
Pedro Pereira Leite (2017, 12 Setembro). Cidades de Saúde e Bem-estar XII. Global Heritages. Recuperado em 13 de Junho de 2024, de https://doi.org/10.58079/p3cj

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.