O acentuar da tendência para o crescimento urbano VII

É usual afirmar que o desenvolvimento económico acontece quando a pobreza e a dependência dos ciclos agrários termina. Quando uma sociedade é capaz de usar os recursos de dispõe para distribuir pela sociedade. De armazenar excedentes para lhes dar novos usos no futuro, ou para trocar com outros produtos. A indústria e os serviços acontecem em lugares onde o setor agrícola é capaz de providenciar alimentos para todos. São tudo atividades que acontecem, fundamentalmente, no âmbito de atividades económicas em áreas urbanas.

Para além do crescimento demográfico e da densificação das áreas urbanas, também aí acontece a maioria das atividades económicas. Se atualmente vivem em áreas urbanas mais de metade dos habitantes do planete, cerca de 75 a 80 % da riqueza é produzida em espaço urbano. As áreas urbanas tendem a ser mais ricas do que as áreas rurais.

Isto faz do espaço urbano o centro das atividades contemporâneas. No entanto, um espaço urbano tem dificuldade em persistir sem uma ligação a um espaço rural de onde se pode abastecer de produtos alimentares. O espaço urbano é o centro das atividades económicas estão na cidade. As cidades constituem lugares de produção de riqueza.

Na agricultura, o crescimento da produção agrícola tem vindo a fazer com que o número de pessoas afetas a atividades no setor primários tenha vindo a diminuir. Há menos gente nas áreas rurais, mas estas áreas produzem muito mais produtos. O efeito desta relação entre o aumento da produção agrícola e a diminuição da população ativa nas áreas rurais, é o que vulgarmente se chama êxodo rural. Uma tendência que irá certamente continuar nos próximos anos, caso o aumento da produtividade agrícola se continue a difundir nas regiões do mundo com maior crescimento demográfico. A força de trabalho agrícola nos países mais desenvolvidos é hoje cerca de 1% da força de trabalho disponível. 1 % da população providencia alimentos para o resto da população. Isso vai libertar estes ativos para outras atividades na sociedade.

Isto significará profundas transformações na sociedade. Por exemplo, em África subsariana, onde hoje cerca de 60 % da sua população ainda vive da agricultura, no futuro essa relação irá inverter-se. O mesmo na Ásia, onde hoje cerca de 50% já viva em espaços urbanos. Há cerca de 40 anos a China era predominantemente um país rural. Hoje o seu crescimento urbano é surpreendente. Em 2030, as projeções da Agencia das Nações Unidas[1] apontam para que Na europa, na América Latina, na América do Norte, na Oceânia, em particular na Nova Zelândia e Austrália, sejam sociedades com percentagem entre os 70 e 80 % de população a residir em áreas urbanas. Tudo isso significa que há uma tendência para que a população que hoje vive em espaços rurais se concentre em espaços urbanos[2].

Em 1960, 34 % da população mundial vivia em espaços urbano, em 2015, são 54%. Em 1990, viviam em espaços urbano cerca de 2,5 biliões de pessoas, esse número aumentou para cerca de 4 biliões em 2015. Uma taxa de crescimento que é superior ao crescimento demográfico. A manter-se essa tendência, dentro de trinta anos (2050) o crescimento demográfico estimado da população mundial a viver em espaços urbanos, somará aos atuais 4 biliões de pessoas, mais dois biliões. Cerca de 6 biliões a viver em cidades. Um crescimento que se dará sobretudo na Ásia em a África[3].

Também se prevê, em linha com as tendências que atualmente se verifica, que aumentará a tendência para uma concentração urbana em mega cidades e áreas metropolitanas. Se no século passado assistimos a um crescimento de grandes metrópoles na Europa, nos Estados Unidos, e em alguns países da América do Sul (São Paulo, Cidade do México). Esse crescimento, nos últimos vinte anos regista-se igualmente na Ásia e em África, com as grandes metrópoles e mega cidades a surgirem. E estas cidades estão a crescer a um ritmo mais acelerado do que as cidades do velho mundo, que se mantem em crescimento, embora mais moderado.

Isso é um dos grandes desafios para o urbanismo atual. Garantir que estas novas cidades que estão a surgir, e que as cidades que já existem, mas continuaram a crescer, ofereçam bem-estar às sua população. Sejam lugares habitados, saudáveis, agradáveis, prósperos, seguros, limpos. Lugares sustentáveis.

Em suma: Temos estes objetivos de desenvolvimento sustentável. Podemos dizer que temos estes instrumentos que combinam os tais grandes objetivos de garantir uma economia próspera, uma sociedade justa num ambiente sustentável. Isso tem que acontecer nas cidades. Sem cidades sustentáveis, os ODS ficará aquém do desejado. Para que isso seja possível é necessário que estes objetivos sejam traduzidos em ações concretas pelas pessoas que habitam as cidades. Os ODS explicitam os instrumentos que orientam. Nada poderá ser adquirido sem a ação das pessoas e das comunidades locais. Não basta os governos e os parlamentos legislarem medidas. É necessário atuar a partir dos valores das comunidades. É necessário que os objetivos sejam traduzidos nas ações quotidianas de cada cidadão e nas suas formas de socializar. São valores que têm que estar presente na relação com a natureza.

É neste sentido que o objetivo nº 11 de cidades sustentáveis se relaciona com o objetivo nº 8 de ter emprego dignos, de ter uma economia circular e solidaria e assegurar uma transição energética que atuar sobre as alterações climáticas. É também nas cidades que se irá desenvolver a resiliência necessária para enfrentar a subida média do nível das águas do mar. É nas cidades que o desafio da participação cidadã, de sociedades pacíficas e que resolvam os seus conflitos sem violência pode ocorrer. Para isso temos que olhar para estes ODS e deles nos apropriamos e ajustarmos às nossas comunidades.

[1] http://www.unfpa.org.br/Arquivos/swop2016.pdf

[2] “http://data.worldbank.org/share/widget?end=2016&indicators=SP.URB.TOTL&start=1960&view=map” width=’450′ height=’300′ frameBorder=’0′ scrolling=”no” ></iframe>

[3] http://www.who.int/gho/urban_health/situation_trends/urban_population_growth_text/en/



Citar este post
Pedro Pereira Leite (2017, 7 Setembro). O acentuar da tendência para o crescimento urbano VII. Global Heritages. Recuperado em 29 de Maio de 2024, de https://doi.org/10.58079/p3ce

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.