Museus e Turismo

Conferencia MINOM 5 de agosto 2017, Monte Redondo [1]

Integrada na Museum ’17 Festum o Ecofestival realizado pelo Museu do Casal de Monte Redondo, entre 3 e 6 de agosto, a Conferência foi dinamizada por Fernando João Moreira, Diretor e Professor na Escola Superior de Turismo do Estoril[2], desenvolvendo o debate em torno das mais recentes dinâmicas do turismo e as oportunidades que elas apresentam para os processos museológicos à escala local.

Em alguns estudos recentes sobre turismo, vários autores[3] têm vindo a chamara a atenção para algumas tendências atuais do turismo de valorizar a experiencia do lugar. É um tipo de turismo que se baseia na valorização dos recursos locais no território, e na satisfação das comunidades locais pela presença e experiencia dos visitantes. Este tipo de turismo, que cria pontes (do inglês Bridging) e liga pessoas pode constituir-se como um instrumento de desenvolvimento nos territórios e criar oportunidade para um envolvimento ativo para as organizações e processos patrimoniais.

Este tipo de espaços, sejam eles território deprimidos por regressão das atividades industriais, seja por abandono das culturas agrícolas tradicionais agrícola, normalmente de baixa densidade e fora dos grandes aglomerados urbanos, podem pensar o turismo como uma possibilidade de desenvolvimento dos seus recursos patrimoniais. É certo que tem que enfrentar o desafio ou a tentação do turismo de massas ou da monoprodução turística e encontrar formas de alojamento local, de preferência junto da comunidade, que possibilite a criação de laços e encontros. Não se trata dum fluxo elevado de visitantes, mas de fluxos de baixa intensidade, que procuraram, junta das comunidades, apreciar as experiencias do e no território.

Embora o turismo de experiencia se possa pensar como um instrumento adequado aos territórios em recessão económica ou periféricos (naquel que será o seu modelo mais puro), vários autores têm chamado a atenção para as oportunidades do turismo de experiencia nos grandes centros urbanos. A experiencia no território, com as comunidades pode contribuir para processo de resiliência contra a gentrificação que os processos turísticos hegemónicos estão a produzir nos centros urbanos históricos.

Esta questão pode ser equacionada no âmbito do papel dos processos museológicos na sua relação como o desenvolvimento turístico e com o desenvolvimento do território. No seu início os ecomuseus, procuraram ser uma resposta para procurar novos usos nos territórios a partir dos seus patrimónios e da natureza do território. Esta é uma questão que tem vindo a ser debatida no âmbito da relação dos museus com o turismo. Normalmente, a questão é colocada no âmbito da contribuição da cultura e dos equipamentos culturais para a formação de produtos turísticos. Numa prespetiva pensada a partir dos interesses da comunidade, é interessante pensar no sentido inverso. Isto é, de que forma é que aquilo que existe pode constituir um modelo para atrair turistas. Um turismo que não molda o território para satifação de necessidades de mercado de massa, mas um turismo, de nicho de mercado, que usa as oportunidades oferecidas pelso territórios e pelas comunidades.

Uma das ideias que os processos turísticos envolvem é a questão da capacidade de carga turística do território. Uma ideia através da qual se tem procurado inserir alguma limitação ao uso turístico dos territórios, sobretudo os territórios de maior sensibilidade ambiental. A carga ecológica dum território é um indicador que tem vindo a ser desenvolvido através da equação entre a capacidade de carga ambiental, social e económica. Trata-se dum importante limite de usos do território e tende a envolver a comunidade na formulação da decisão sobre as implicações nas escolhas dos tipos de turismo que procuram atraír. Algumas comunidades onde estas estratégias têm vindo a ser desenvolvidas, mostram que um modelo de turismo bem orientado, leva ao crescimento das atividades turísticas em benefício das comunidades locais e das economias locais.

Há ainda várias questões que a economia do turismo tem vindo a colocar às organizações culturais. O da sua ligação mercado. Por via dos processos turísticos muitas das organizações ligadas á cultura, sobretudo a que se relacionam com os patrimónios, sofrem diversas pressões para ajustarem a sua oferta às dinâmicas do turismo. A relação entre a economia criativa e a economia do turismo têm constituído uma poderosa justificação para os processos de investimento em equipamentos culturais, voltados para o mercado turístico.

Alguns novos museus em espaços urbanos são criados nesta lógica. Isto levanta a questão se devemos pensar os equipamentos culturais como uma monocultura ou como um instrumento de desenvolvimento integrado dum território, onde os diferentes atores escolhem e decidem o modelo territorial que procuram projetar.

Os estudos críticos sobre o turismo têm vindo a chamar a atenção para as externalidades que os processos turísticos produzem num dado território. Parece existir um certo consenso, em abstrato, que os processos turísticos tradicionais têm a ganhar com o aproveitamento dos recursos patrimoniais e culturais dum dado território. Que turismo e cultura de potenciam mutuamente. Que contribuem para o desenvolvimento do território, em termos do aumento das trocas comerciais, na criação de riqueza e de emprego. Nesas análises ambos os processos se enquadram nos modelos económicos dominantes, no modelo liberal democrático, dando respostas às especificidades dos lugares e criando algumas alternativas de uso do território.

Atualmente emerge novas formas de turismo crítico, chamado turismo com causas que podem emergir no âmbito do chamado turismo 3.0 (o turismo 1.0 é o período de criação do produto turístico, o turismo 2.0 é o período dos anos 90 e 2000, com base no Marketing turístico, na relação entre a oferta e o consumidor, e o turismo 3.0 é o turismo com base no desenvolvimento de plataformas tecnológicas).

Neste novo tipo de turismo, de desenvolvimento tecnológico, a relação entre o turismo, cultura e o desenvolvimento do território tem vindo a alterar-se. O modelo modelos alternativos de turismo têm vindo a reconfigurar-se. Por exemplo, o turismo crítico tem vindo a chamar a atenção para a ligação entre o turismo e a reflexão sobre o modelo social. Sobre a questão da pobreza, da igualdade de género, da saúde, da educação ao longo da vida. É neste quadro que se devem analisar as novas formas de turismo que estão a emergir.

Que novas formas de turismo estão a surgir.

  1. O Advento do turismo de experiencia. É um tipo de turismo onde se vende a experiencia. Não está centrado no serviço, mas na atividade
    1. (veja-se o caso da azenha das sedas[4])
  2. Co criação do turismo. É um tipo de turismo onde se oferece ao visitante a oportunidade de construir a sua experiencia
  3. O turismo de transformação. Na basta a experiência do momento, é necessário prolongar a experiência e introduzir uma auto aprendizagem
  4. O turismo com causas, com responsabilidade social. Ato turístico como ato de criação de responsabilidade no mundo. São determinados tipos de turismo comunitário. Envolve a criação de redes de turismo comunitário. É um tipo de turismo onde o poder de decisão esta na comunidades, tem como objetivo melhorar a vida da comunidade. Comunidade está no princípio, no meio e no fim do turismo.
  5. O turismo de rede de cooperação. É um turismo que se desenvolve por via das redes sociais de cooperação. É um turismo que envolve a cocriação, a gestão de fluxos de informação e a criação de fluxos de poder.

Algumas referencias:

Timothy, Dallen (2016). “The Heritage Tourist Experience”, London,routledge). Fala-nos da emergência da sociedade do sonho. A experiência turística deverá evoluir par a 4º estádio da sociedade (depois da alimentação, da energia, da informação, a sociedade avançaria para a experiencia dos sonhos. A sociedade da experiencia. O valor dos novos produtos são medidos pela capacidade de produxir felicidade. Quanto fizerem voar, mais são valorisados. Trata-se do fim da relação Fda relação qualidade serviço em vavor da qualidade da experiencia.

Os museus e a museologia podem acrescentar valor à dimensão do sonho. Tal como nos anos setenta em Lamur e a museologia e o património, pelo valor das historias associadas aos produtos, contribui para este novo turismo. O que deve ser valorizado é o hotel que nos fazem viver emoções e o que é relevante é a componente emocional e da histórias.

O turismo pode transformar-se num processo de emancipação do território e das comunidades. O turismo comunitário desenvolve-se de dentro para fora. Promove o que há de dentro. É contrário às formas de alienação. É um turismo que cria laços, que evita o revivalismo, procura criar solidariedades. Torna-se portanto necessário pensar qual o lugar dos museus nete novo turismo justo e solidário. Se o turismo está a mudar como integrar os processos museológicos nestes novos modelos.

Os museus locais e sociais têm um papel mais ativo e abrem novas janelas para estas atividades. O novo turismo trás para os museus um novo tipo de atores e permite criar novos pactos e permite criar novas narrativas.

No novo turismo, o museu local pode oferecer novos fatores de competitividade ao turismo. O novo turismo vive da diferença e da especificidade do lugar. Nesse sentido pode desempenhar um papel de charneira entre o passado e o presente, permite acrescentar valor e ser mediador das trocas. O Museu pode assim ter um papel vigilante em relação ao modelo de desenvolvimento turístico e do território contribuindo para a participação da comunidade a inclusão construção da justiça cognitiva. A luta pela qualidade de vida e do Bem-estar tem como referencia o índice de felicidade interna bruta.

Exemplos de de turismo cultural

  • Serra de Agra. Turismo cultural
  • Cooperativa Terra Chã[5]
  • Herdade do Monte do Freixo do Meio, Montemor-o-Novo[6]

[1] http://www.museumonteredondo.net/index.php/61-iv-museum-festum-3-a-6-de-agosto

[2] Fernando Moreira, Doutor em Museologia pela ULHT. http://www.museologia-portugal.net/files/upload/doutoramentos/fernando_moreira.pdf

[3] Timothy, Dallen (2016). “The Heritage Tourist Experience”, London, Routledge

[4] http://www.azenhasdaseda.com/Aquaturismo/ALENTEJO_EM_ESTADO_LIQUIDO.html

[5] https://www.facebook.com/cooperativaterracha/

[6] https://www.herdadedofreixodomeio.pt/

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.