Eduard Said (1935-2002) e o Orientalismo

Eduard Said pensador.  professor de literatura na Universidade de Columbia, em Nova York e escritor palestino, nascido em Jerusalém, Edward Said marcou o rumo do pensamento contemporâneo com este livro, publicado em 1978, deixando em evidência os mecanismos de dominação  e de montagem de imagem que são e foram aplicados nos processos de colonização.

Este livro é seminal para o início de novas disciplinas cientíricas como são os Estudos Pós-Coloniais e a Teoria Crítica das Raças. O achado teórico de Said, e que tanto influiu nos estudos humanísticos pós-modernos não diz só sobre o passado, não se coloca como uma ferramenta crítica que permita ao historiador da cultura ou aos estudos literários compreender melhor o passado, ele sustenta que esse procedimento, chamado aqui invenção do outro, mantém sua vigência até hoje, servindo como instrumento de dominação.

Ele mostra como a representação que Ocidente fez de Oriente, com muita pouca relação com a realidade, e argumenta que essa representação _ que foi aceita com naturalidade pela comunidade científica e pelo imaginário popular ocidental_ foi necessária para que o Ocidente se (auto)definisse _encontrando um Outro, o oriental, que ajudasse, por  diferenciação, a se conhecer e elevar a si mesmo_ e legitimasse seus  interesses colonialistas. Do O Dezoito Brumário de Luiz Bonaparte, de Karl Marx , utiliza a frase: “Não podem representar a si mesmos; devem ser representados”, assim com Oriente, eterno, homogêneo e incapaz de se definir a si próprio;se referindo aos povos que os Europeus iam conhecendo e colonizando, utilizando o critério de descoberta e não o de encontro que conhece . Outra citação que ajuda a metaforizar de forma concreta sua demonstração é a extraída de Tancredo, de Benjamim Disraeli: “O Leste é uma carreira”. Outros autores como como Homero, Nerval, Flaubert, Kipling entre muitos outros, permitem a Said inscrever, na literatura universal, e nela encontrar subsídios para sua argumentação, apoios para sua tese em descrições, personagens, cenas, roteiros e imagens que em muito contribuíram para a idéia exótica e romântica que o Ocidente tem do Oriente.

Com brilhantismo, o efeito persuasivo da escrita de Saer é poderoso sobre o leitor.

Para sua demonstração o autor realiza uma descrição muito fundamentada dos processos de formação dos estereótipos sobre Oriente_ aberrante, subdesenvolvido e inferior. A tese central de Said é que o Oriente é uma invenção ocidental, uma espécie de imagem refletida no espelho para legitimar a identidade eurocentrista e discriminatória do Ocidente_ racional, desenvolvido, humanitário e superior. Suas perguntas chave, e que tocam o leitor são: Como representamos outra cultura? O que é outra cultura? Podemos definir o que é cultura quando pensamos na diferença racial, religiosa, social ou as elaborações teóricas sobre o tema sempre são interessadas, prontas para autodefinir a cultura própria no que deve ser preservado e defendido da hostilidade e agressão da outra desconhecida? E qual é o papel do intelectual que, atuando como mediador, propõe-se a traduzir, em termos linguísticos, semióticos e culturais uma  cultura para outra? Em que medida, pergunta-se o autor e nos perguntamos os leitores, esse mediador dá fundamentação ética e teórica aos processos de colonização e domínio que envolvem sempre procedimentos genocidas? Edward Said pergunta como é que a filologia, a história, a biologia, a teoria económica e política, a literatura serviram e servem utilizando seu instrumental crítico e teórico para elaborar essas ideias preconcebidas do que é o Outro _ temido, perigoso e por isso mesmo alvo de políticas de pacificação_ comenta uma série de textos e documentos, mostrando o discurso orientalista através de pronunciamentos políticos, relatos de viagem, estudos sobre a religião, a geografia e a história e mais especialmente as obras literárias de alguns poetas romancistas europeus fascinados por um Oriente distante e desejado que integra o imaginário do homem ocidental.

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.