Ecomuseus e interpretação da paisagem II

Ecomuseus dos biscoitos O segundo artigo do Arquiteto Fernando Pessoas em Bagos de Uvas

Creio que é pacifica a ideia de que a paisagem de uma dada região é onde se conjugam de forma inequívoca o património natural – os valores da geologia, das plantas e dos animais, e os sistemas que os integram (ecossistemas) – e o património cultural das populações que habitam aquela região – as construções, as estruturas da paisagem, as benfeitorias que permitam a exploração da terra. Mas também as suas crenças, as suas tradições, hábitos e modos de vida.
Tenho lido centenas de páginas – e os franceses nisso são exímios, digo-o com admiração – sobre conceitos de paisagem, teorias da paisagem, filosofia da paisagem, etc.
A mim, como arquitecto paisagista, a paisagem interessa-me como o resultado da construção, pelo homem, do seu ambiente, utilizando os recursos e os materiais da Natureza que os rodeia.
Essa modelação do território foi iniciada com a passagem do povoamento nómada ou itinerante dos tempos mais primitivos para o povoamento predominante sedentário a partir dos tempos neolíticos. Também, não vou aqui alongar a deserção académica do tema, por demais conhecido de todos.
De geração em geração as populações imprimiram ao território as características das suas formas de economia e da sua cultura.
A noção de paisagem, que hoje consideramos, é um fenómeno sobretudo ocidental, como é do conhecimento geral, e iniciado com pintura de elementos do ambiente natural como fundo ou cenário das figuras humanas, de cariz religioso, que se realçavam nos quadros.
Da ideia de “paisagem” pintada passou-se depois ao conceito de paisagem real, biofísica.
Paisagem e território passam a serem usados em comum, embora existam abordagens diferentes às duas designações.
Os arquitectos paisagistas estão particularmente envolvidos nesta utilização do termo paisagem, desde os inícios do século XX, e mais tarde no regresso ao conceito de território sem que, contudo, a noção de paisagem deixasse de estar sempre presente.
Durante os anos 50 (já custa a dizer do século passado) começaram a surgir os planos de ordenamento paisagístico, processo que nas décadas de 60 e 70 sofreu considerável sistematização e evolução de metodologia, e através dos quais os paisagistas procuravam estabelecer o uso correcto do território; eles evoluíram depois para os actuais planos de ordenamento do território.
As ideias-base, a metodologia de análise, diagnóstico e síntese, própria do ordenamento paisagístico incluíam já os aspectos económicos, culturais e sociais que hoje dão forma, a par dos aspectos biofísicos, ao processo de ordenamento do território.
Mas o termo paisagem permanece, pois o ordenamento ao definir os usos do espaço de acordo com as aptidões e potencialidades de cada parcela, deve procurar conservar e valorizar as paisagens – e aqui entra inequivocamente o factor estético.

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.