Ecomuseus e interpretacão da Paisagem I

Este é o primeiro de uma séria de artigos do Arquiteto Fernando Pessoa, no seu Blog “Bagos de Uva “em 2010, com o título ” Museologia e Interpretação da Pasagem – o Ecomuseu dos Biscoitos, da Ilha Terceira

Sou um entusiasta da ecologia, porque ela permite envolver o visitante na globalidade da realidade natural – cultural e veio dar ao museu uma dimensão e uma aproximação das pessoas, que lhe faltava até aí. Aliás, quem teve, como eu, o privilegio de conhecer e conviver com George Henri Rivière, ficava certamente contagiado com a sua vivacidade, a sua utopia, com o encanto que emanava da sua conversação, direi mesmo, com sabedoria que 80 anos de uma vida culturalmente riquíssima foi capaz de sedimentar.
Já foram por demais debatidos os conceitos, as práticas, as contradições e o futuro dessa nova museologia que, a partir do final da década de 60 começou a animar o panorama museológico europeu, e não me vou envolver nesse caminho.
Nada que o homem faça será alguma vez completamente perfeito, o que importa é que os resultados sejam maioritariamente proveitosos.
Desde 1979 que lutei, em vão, pela implantação de ecomuseus, em especial na Serra da estrela, porque estava convencido que possuíamos nessa altura as condições sociológicas e culturais para implementar essas instituições.
Mas em 1994, ao ser-me pedido que elaborasse uma proposta para um sistema museológico das áreas protegidas portuguesas, com base nos pressupostos da ecomuseologia, defendi que nessa altura já a designação original de ecomuseu estava desfasada, na generalidade, porque se tinha alterado a situação das populações e das suas regiões, é que uma das características mais relevantes do ecomuseu era a participação activa e permanente das pessoas na animação e gestão dos seus museus que traduziam a vivência e o ambiente no Tempo e no Espaço.
Não sei se ainda hoje é como eu conheci, mas, a título de exemplo, há poucos anos no Ecomuseu do Baixo Sena, numa antiga padaria de uma aldeia que era um pólo do museu, o padeiro continuava a fabricar o magnifico pão caseiro, e servia de interlocutor aos visitantes, falando-lhes das técnicas e da tradição da panificação das histórias da aldeia, da sua própria vida local.
Este era o ecomuseu que GHR sonhara.
Só que as sociedades evoluíram, os pressupostos das economias regionais transformaram-se, a massificação da Cultura atingiu todos os recantos dos territórios, e em Portugal de 1994, salvo um ou outro caso pontual, já não era possível encontrar populações, mesmo rurais, motivadas para animarem um ecomuseu.
 
Mas, tirando esse aspecto, a dinâmica, as estruturas e as técnicas de exploração de ecomuseologia continuavam pertinentes e actuais.
Daí que tenha proposto que os museus a criar na maioria das Áreas Protegidas, como os parques naturais, ou mesmo fora deles, já não se designasse ecomuseus, que me pareceria impróprio e abusivo, excepto num caso onde existia ainda uma dinâmica forte das populações, e adoptassem outra designação – a de museus de interpretação da paisagem.
E passo a explicar “sucintamente em que me baseei para essa proposta.

 

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.