Redes de museus VII Politica Museológica 2018 Uma variação de política da Rainha Santa

 

As hostes da museologia andam agitadas. Não porque se sintam preocupadas com os desafios lançados pelo nosso bom amigo Pedro Cardoso Pereira de se fazer “Exposição «PÔR EM CÓDIGO»?” que servira para a DGPC ou algum museu, “compreender os desafios que a Língua Portuguesa irá enfrentar no futuro; tomar consciência do Património Algorítmico; e para renovar a compreensão do Património.” Coisa que certamente não fará parte planos anuais das excelsas organizações nem dos “grupos” de pressão que enxameiam os gabinetes da ajuda; mas porque em período de discussão do “orçamento de estado para 2018”, é a altura de fazer chegar aos gabinetes dourados as várias agendas.

Dois sinais, mais um sintoma:

Primeiro sinal. O ministro em novembro do ano passado, foi ouvido sobre o orçamento de estado para este ano de 2017, onde anunciou os princípios da política cultual e de comunicação. (http://www.portugal.gov.pt/media/22625895/20161110-mc-oe2017-especialidade.pdf). Nela anunciou os cinco pilares (sempre achei fascinante esta linguagem metafórica) em que assentaria a política: Repor as capacidades das entidades públicas na cultura; aumentar a capacidade dos apoios públicos à criação artística; melhorar a distribuição da oferta cultural no país; valorização do património e dos museus; e democratizar o acesso à cultura.

Na altura este último pilar, confesso, passou-me despercebido. Nos últimos tempos, de volta destas questões das políticas públicas, voltei a reler e foi ver o que se pretendia. E diz o seguinte: “Estamos a desenvolver programas específicos para captação de novos públicos, incidindo particularmente nas populações socialmente mais vulneráveis.”

Não sei para onde se pretendem captar os novos públicos, se é para visitar museus ou monumentos, se é para ir às bibliotecas ou galerias de arte, ou mesmo para ver rádio e televisão pública. Mas o que é verdadeiramente surpreendente é a caracterização destes novos públicos como “populações socialmente mais vulneráveis”. Serão os pobrezinhos e os sem abrigo….

Segundo Sinal. Na passada sexta feira, na festa da entrega dos prémios da APOM, que se realizou no Museu Soares dos Reis no Porto, houve discurso de ministro. Só o discurso, pronunciado pela representação local (um sinal do empenhamento do ministro na política museológica, diriam as más, línguas) que anuncia a sua intenção reformadora que “é importante sublinhar que esta ação reformadora irá ser suportada por uma eficaz e inovadora política museológica, definida à escala nacional, regional e local, no respeito pela normativa que estiver em vigor, cuja concretização, nos diversos níveis da administração e nas diferentes tutelas, deverá ser atentamente fiscalizada por organismos competentes”. Cito a partir de fonte indireta, já que na página do Ministério nada consta desta “intervenção do ministro.

Com esta salvaguarda, o que é que este enunciado diz, em relação à política museológica e patrimonial, que seja inovador e eficaz.

  • O novo modelo, será certamente a generalização do modelo de Gestão do Museu de Arte Antiga. Não será inovador, nem sabemos qual é que foi a sua eficiência. Mais uma vez não há estudos feitos sobre eta matéria, ou se os há não são públicos.
  • A preocupação que os grupos profissionais da área da conservação e restauro, bem como dos museus, de verem as suas competência delegadas e desconcentradas, parece que não terá razão de ser, caso os estudos sobre e sua gestão assim o indiquem. Ou seja, parece que ninguém ainda pensou, a não ser aqueles que lá trabalham, sobre como que estes instituídos são geridos e quais são as opções que podem ser pensadas.
  • Deixa finalmente uma garantia, sensata, de partir do que existe e de em 2018 rever as questões das concentrações dos organismos do estado (a chamada fusão acrítica) de forma a dar maior proximidade dos serviços aos cidadãos. Sabemos que estão a ser feitos estudos e serão feitos propostas.

Vamos aguardar. O sinal que me preocupa é que mais uma vez parece que ao invés de haver uma estratégia estabelecida, vai-se fazendo um ajustamento tático à situação, de forma a que antigos.

O sintoma preocupante são as afirmações do Diretor do CCB, que na capa do semanário SOL, no passado dia 9 de junho assumindo-se como maçon, diz “que Lisboa parece Bombaím. Há uma overdose de turismo

Há nesta observação algo que me inquieta sobre a comparação. É certo que Lisboa é hoje uma capital vítima da gentrificação, para o bem e para o mal. Mas caramba, comparar isso com Bombáim. O que que isso quer dizer ?

É a política cultural da Santa Isabel. Dar rosas aos pobrezinhos.

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.