15 sítios -Rede do Património da Humanidade – Portugal

Rede Portuguesa do Património da Humanidade -UNESCO

  1. Centro Histórico de Angra do Heroísmo nos Açores

Data de inscrição: 1983 Critérios: (iv) (vi)

Situada na Ilha Terceira, no arquipélago dos Açores, a cidade era porto de escala obrigatório desde o século XV até o advento do navio a vapor no século XIX. As fortificações de São Sebastião e de São João Baptista, do século XVI são exemplos únicos de arquitetura militar. Angra do Heroísmo foi restaurada após ter sido danificada por um terremoto em 1980.

  1. Mosteiro da Batalha

Data de inscrição: 1983 Critérios: (i) (ii)

O Mosteiro dos dominicanos da Batalha foi construído para comemorar a vitória dos portugueses sobre os castelhanos na batalha de Aljubarrota em 1385. Seria o principal projeto arquitetónico da monarquia portuguesa nos dois séculos seguintes. Ostenta um estilo gótico nacional muito original, cuja evolução foi profundamente influenciada pela arte manuelina, como demonstra a sua obra-prima, o Claustro Real.

  1. Mosteiro dos Jerónimos e Torre de Belém em Lisboa

Data de inscrição: 1983 Critérios: (iv) (vi)

Edificado à entrada de Lisboa, perto das margens do Tejo, o Mosteiro dos Jerónimos – cuja construção começou em 1502 – é habitualmente apontado como a “joia” do estilo manuelino. A vizinha Torre de Belém, construída no contexto da expedição de Vasco da Gama, recorda os grandes Descobrimentos Marítimos que lançaram as bases do mundo moderno.

  1. Mosteiro de Alcobaça

Data de inscrição: 1989 Critérios: (i) (iv)

O Mosteiro de Santa Maria d’Alcobaça, a norte de Lisboa, foi fundado no século XII pelo Rei D. Afonso I. O seu tamanho, a pureza do seu estilo arquitetónico, a beleza dos materiais e o cuidado com que foi construído tornam-no uma obra-prima da arte gótica cisterciense.

  1. Centro Histórico de Évora

Data de inscrição: 1986 Critérios: (ii) (iv)

Esta cidade-museu, cujas raízes remontam à época romana, teve a sua idade de ouro no século XV, quando se tornou a residência dos Reis portugueses. A sua qualidade ímpar decorre das casas caiadas de branco decoradas com azulejos e varandas em ferro forjado, que datam do século XVI ao século XVIII. Os seus monumentos tiveram uma profunda influência sobre a arquitetura portuguesa no Brasil.

  1. Convento de Cristo em Tomar

Data de Inscrição – 1883 Critérios: (i) (vi)

Originalmente concebido como um monumento simbolizando a Reconquista, o Convento dos Cavaleiros Templários de Tomar (transferido em 1344, para os Cavaleiros da Ordem de Cristo) passou a expressar exatamente o oposto no período manuelino, designadamente a abertura de Portugal a outras civilizações.

  1. Paisagem Cultural de Sintra

Data de inscrição: 1995 Critérios: (ii) (iv) (v)

Sintra foi, no século XIX, o primeiro foco da arquitetura romântica europeia. Fernando II soube transformar as ruínas de um mosteiro em castelo, onde a nova sensibilidade se exprimiu pela utilização de elementos góticos, egípcios, islâmicos e da Renascença, e pela criação de um parque conjugando essências locais e exóticas. Outras residências de prestígio foram construídas segundo o mesmo modelo na serra e fizeram de este local um exemplo único de parques e jardins que influenciou diversas paisagens na Europa.

8 Centro Histórico do Porto

Data de inscrição: 1996 Critérios: (iv)

A cidade do Porto, construída ao longo das encostas com vista para a foz do Rio Douro, é uma excelente paisagem urbana com uma história de 2.000 anos. O seu contínuo crescimento ligado ao mar (os romanos deram-lhe o nome de Portus, ou porta) está patente nos seus muitos e variados monumentos, desde a Catedral com o seu coro românico, à neoclássica Bolsa de Valores e à Igreja de Santa Clara, em estilo manuelino tipicamente português.

  1. Sítios Pré-Históricos de Arte Rupestre do Vale do Rio Côa e de Siega Verde

Data de inscrição: 1998/ Data de extensão: 2010 Critérios: (i) (iii)

Os dois Sítios Pré-Históricos de Arte Rupestre no Vale do Côa (Portugal) e em Siega Verde (Espanha) localizam-se nas margens dos rios Águeda e Côa, afluentes do Rio Douro, e documentam a contínua ocupação humana desde o final do Paleolítico. Centenas de painéis com milhares de figuras de animais (5.000 em Foz Côa e cerca de 440 em Siega Verde) foram esculpidas ao longo de vários milénios, representando o mais notável conjunto ao ar livre da arte paleolítica na Península Ibérica. Juntos, formam um único sítio da era pré-histórica, rica em provas materiais de ocupação durante o Paleolítico Superior.

10 Floresta Laurissilva na Madeira

Data de inscrição: 1999 Critérios: (ix) (x)

A Laurissilva da Madeira é um relicto excecional de um tipo de floresta de louro anteriormente generalizada. É a maior área de remanescentes de floresta laurissilva que se acredita ser constituída em 90% por floresta primária. Alberga um conjunto único de plantas e animais, incluindo muitas espécies endémicas como o pombo trocaz madeirense.

  1. Centro Histórico de Guimarães

Data de inscrição: 2001 Critérios: (ii) (iii) (iv)

A histórica cidade de Guimarães está associada ao nascimento da identidade nacional portuguesa no século XII. Constitui um exemplo excecionalmente bem preservado e autêntico da evolução de um povoamento medieval numa cidade moderna e a sua rica tipologia de construção é testemunho do desenvolvimento específico da arquitetura portuguesa do século XV ao XIX através da utilização consistente de materiais de construção e técnicas tradicionais.

  1. Alto Douro Vinhateiro

Data de inscrição: 2001 Critérios: (iii) (iv) (v)

O vinho tem vindo a ser produzido por proprietários tradicionais na região do Alto Douro desde há cerca de 2.000 anos. A partir do século XVIII que o seu principal produto, o vinho do Porto, tem sido mundialmente famoso devido à sua qualidade. Esta longa tradição de viticultura criou uma paisagem cultural de grande beleza que reflete a evolução tecnológica, social e económica desta região.

  1. Paisagem da Cultura da Vinha da Ilha do Pico

Data de inscrição: 2004 Critérios: (iii) (v)

O bem com 987ha na ilha vulcânica do Pico, a segunda maior do arquipélago dos Açores, consiste num padrão notável rede de longos muros de pedra, espaçados entre si, que correm paralelos à costa e penetram em direção ao interior da ilha. Os muros foram construídos para proteger milhares de pequenas parcelas retangulares contíguas, os currais, do vento e da água do mar. Remontando ao século XV, a presença da viticultura manifestou-se através desta extraordinária manta de retalhos de pequenos campos, de casas e quintas do início do século XIX, de ermida, portinhos e poços de maré. A paisagem modelada pelo homem, de uma beleza extraordinária, é o melhor testemunho que subsiste de uma atividade outrora muito ativa.

  1. Cidade-Quartel Fronteiriça de Elvas e suas Fortificações

Data de inscrição: 2012 Critérios: (iv)

Este bem dos séculos XVII a XIX, extensivamente fortificado, representa o maior sistema de vala seca abaluartada do mundo. Dentro dos seus muros, a cidade contém casernas e outros edifícios militares, bem como igrejas e mosteiros. Embora Elvas detenha vestígios que remontam ao século X, a sua fortificação teve início quando Portugal recuperou a independência em 1640. As fortificações desenhadas pelo padre jesuíta neerlandês Cosmander representam o melhor exemplo da escola holandesa de fortificações. O sítio também abrange o aqueduto da Amoreira, construído para permitir que a cidade-quartel fronteiriça resistisse a longos cercos.

15 . Universidade de Coimbra, Alta e Sofia

Data de inscrição: 2013 Critérios: (ii) (iv) (vi)

Situada numa colina com vista para a cidade, a Universidade de Coimbra e respetivas faculdades cresceu e evoluiu ao longo de mais de sete séculos no seio da cidade velha. A Universidade tornou-se uma referência no desenvolvimento de outras instituições de ensino superior do mundo de língua portuguesa, exercendo também uma grande influência na difusão do saber e na literatura. Coimbra oferece um excelente exemplo de uma Universidade integrada numa cidade detentora de uma tipologia urbana específica, que logrou manter vivas, através dos tempos, as suas próprias tradições cerimoniais e culturais.

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.