Turismo Criativo e Museologia Nómada

Uma das curiosidades da nossa vida intelectual é a fluidez com que se usa a linguagem para nomear o real. Hoje começa na Cúria, perto de Coimbra um importante congresso sobre “Turismo Criativo“. Tem mais algumas frases em inglês, ou para inglês ver como é agora usual entre a nossa elite.

O que é este Turismo Criativo. Segundo dizem os seus organizadores, é aquele turismo que se destina a acolher visitantes num dado território, a a favorecer uma experiência criativa. A participação em oficinas ou residências artísticas ou outras formas de contato com a cultura local.

Ou seja, trata-se duma nova forma de turismo cultural, como isto se chamava à uns anos atrás. A cultura é hoje criatividade e inovação. Procura-se que os visitantes deixem de ser uns meros consumidores dos espaços (motivo da visita) e dos seus recursos (gastronomia, artesanato, folclore, museus e monumentos), para serem eles próprios produtores (de arte, de performatividades, de design, de festivais).

Qual é o lugar dos museus e monumentos neste turismo criativo ?

Faz alguns anos, o ICOMOS publicou a “Carta do turismo Cultural” (1979) e em 1999 atualiza com a “Carta Internacional do Turismo Cultural” : Práticas de Gestão do turismo em Lugares patrimoniais relevantes”. A primeira adoptada no Seminário Internacional sobre Turismo Contemporâneo e Humanismo, em Bruxelas, a segunda, aprovada pela Assembleia Geral do ICOMOS no México.

Confuso não é? E não é tudo. Há muitas outras cartas e recomendações sobre a ligação entre este importante fenómeno contemporâneo (o Turismo) e esse outro fenómeno, também contemporâneo (o Património). É certo que o primeira é uma atividade económica, que se concretiza no território, que usa (como recurso) o património que aí se encontra. O património que é essencialmente um valor simbólico, regista grandes dificulades em se relacionar com atividades com base no seu valor de troca.

Como todos sabemos o uso do espaço, ou da paisagem para sermos mais rigorosos, transforma esse mesmo espaço. Isso gera uma tensão sobre o património, mais propriamente sobre os uso desse património. As cartas são formas de definir regras e propor boas práticas sobre os usos possíveis desses espaços patrimoniais (que implicam a sua conservação), de forma a que o consumo do espaço turístico seja compatível com o consumo do espaço patrimonial.

Não será fácil distinguis os dois espaços nem encontrar consenso nos seus usos. Para muitos, cultores das leituras apressadas, isso não passará dum mero detalhe, para outros, cultores dos legados, isso é o foco do trabalho patrimonial.

Assim se entende que tenham sido feitos duas cartas sobre a mesma questão. A primeira enunciando princípios, a segunda, perante a intensidade do fenómeno, mais reguladora. Hoje estaremos provavelmente à beira duma Carta sobre Património Sustentável em Territórios Turísticos de Elevada Densidade, pois como todos sabemos as nossas cidades estão cheias de turistas.

O turismo  de massas de sol e praia (que marcou o nosso Algarve durante décadas) não desapareceu; foi acrescentado um turismo de massas urbano (que alguns nomeiam como gentrificação das cidades).

O tal turismo criativo, como uma versão moderna pró-ativa do turismo cultural, será portanto uma alternativa à tal gentrificação dos centros urbanos.

Modos de ver o real. para quem acredita na bondade do desenvolvimento sustentável, mais uma forma de alienação para quem se posiciona de forma crítica.

E como se estão a posicionar os museus e os monumentos neste tal turismo criativo ?

Para quem esteja atento à esse realidade não faltarão exemplos. hoje mesmo, por exemplo, na cidade de Guarda inicia-se o II SIAC  (Simpósio Internacional de Arte Contemporânea), tendo como centro o Museu da Guarda que se vai transformando num “Quarteirão das Artes”, por via da intervenção de João Rosa Mendes, o seu diretor.

Noutra ocasião procuraremos aprofundar esta questão sobre os modos como os processos museológicos e patrimoniais podem intervir na  Cidade

 

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.