Que Museus para o século XXI?

Com base na questão “como definir os museus no século XXI” o ICOFOM, o comité do ICOM para a Teoria Museológica, em março deste ano, lançou o desafio de se apresentarem propostas para discutir e propor uma atualização sobre a definição do que é um Museus.

E atual definição de Museu, usada desde 2007 pelo ICOM é recorde-se: “o museu é uma instituição permanente, sem fins lucrativos, a serviço da sociedade e do seu desenvolvimento, aberta ao público, que adquire, conserva, estuda, expõe e transmite o património material e imaterial da humanidade e do seu meio, com fins de estudo, educação e deleite” .

Essa mesma definição é usada na Nova Recomendação da Unesco sobre Proteção e Promoção dos Museus, Coleções da sua diversidade e Função Social, que a nossa Direção Geral do Património Cultural, apesar de signatária,  continua a não disponibilizar no seu site.  Trata-se naturalmente duma questão complexa, que exige elevados recursos, que será feita logo que possível.

Vem isto a propósito da próxima discussão sobre a nossa Rede Portuguesa de Museus, desaparecida ou minguada desde 2012, que agora se procura reativar.

Sem dúvida que é de saudar esta oportunidade de se pensar para o futuro. Esperemos que agora seja possível pensar  uma rede portuguesa (ao invés da pirâmide burocrática), incluindo as novas formas de “museus” que hoje estão presentes nas nossas cidades. Processos centrados nas pessoas e nos seus objetos patrimoniais.

Apenas para dar uma ideia do que se está a passar no mundo dos museus, e porque que não se desperdicem novamente tempo e recursos públicos vale a pena acompanhar a discussão:

  1. Nos próximos dias 9 a 11 de junho em Paris, na Sourbonne o seminário do ICOFOM – Definir o Museu no século XXI
  2. Entre 25 e 29 de setembro, em Havana, o 40º simpósio anual do ICOFOM “Política e Poética da Museologia”
  3. Finalmente, a 25 de novembro a conferencia do Eulac “defenir museus para o século XXI, a realizar na Universidade de Sant Andrew, na Escócia

Ainda é possível participar nestes eventos para quem estiver interessado.

A questão que vale a pena acentuar nesta  discussão sobre os desafios para os museus, não será tanto pensar sobre que ou quais contornos deve ter ou não ter um museu (recorde-se que é isso que leva a que na exuberante legislação portuguesa, a burocracia decida sobre quem é ou quem não é museu, quem pode ou não pode aceder à rede, quem beneficia ou não das probendas públicas, etc…), ao invés de pensar como é que os processos museológicos contribuem para o desenvolvimento da sociedade. E para isso precisamos de museólogos mediadores, capazes de identificar as dinâmicas da sociedade em que se inserem e de apresentarem propostas inovadoras. Capazes de produzir ações de educação patrimonial para e na cidade.

O risco que enfrentamos é que os museus portugueses fiquem cristalizados no século XIX. Felizmente que a realidade acaba por se impor! Tanto mais não seja porque a cultura é um direito que temos que exercer.



Citar este post
Pedro Pereira Leite (2017, 31 Maio). Que Museus para o século XXI? Global Heritages. Recuperado em 13 de Junho de 2024, de https://doi.org/10.58079/p39m

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.